Clima

Ciclones-bomba e vórtices polares — explicações sobre estas assustadoras condições climáticas

O que cria esses fenômenos cujos nomes são tão dramáticos? Quinta-feira, 21 Março

Por Sarah Gibbens

UMA INTENSA TEMPESTADE de inverno com ventos tão fortes quanto furacões atingiram os Estados Unidos recentemente. O ciclone-bomba acompanha um inverno ativo, no qual ventos com vórtices polares criaram condições perigosas em partes do país. E não é a primeira vez que essas condições atingem os EUA.

No ano passado, as temperaturas estavam tão baixas que as Cataratas do Niágara foram parcialmente congeladas. Ciclones-bomba, vórtices polares e massas de ar ártico cobriram a região. A Nova Inglaterra testemunhou ventos da intensidade de furacões, Maine e Boston tiveram alertas de nevascas e nevou na Flórida.

Essas condições atmosféricas são tão assustadoras quanto indicam seus nomes? E elas são normais? Fornecemos algumas respostas aqui.

O que é um ciclone-bomba?

Também é conhecido como ciclone, ciclone-bomba ou bomba de ciclone. Ou bomba meteorológica. Ou bombogênese.

Tecnicamente, trata-se de um “ciclone de média latitude”, que ocorre quando uma tempestade ganha força a partir de uma queda extrema na pressão atmosférica. O efeito é causado por um evento tecnicamente chamado de “ciclogênese explosiva” e ocorre quando a pressão de uma tempestade é reduzida para pelo menos 24 milibares (unidade que mede a pressão) em 24 horas.

De acordo com o site da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA, um ciclone-bomba ocorre quando uma “massa de ar frio colide com uma massa de ar quente”. A combinação de massa de ar frio do Ártico com águas oceânicas quentes normalmente causa essa colisão.

Após a redução da pressão, o ar corre para preencher o espaço entre essas duas massas de ar, criando ventos intensos e fortalecendo a tempestade.

Apesar do nome forte, ciclones-bomba são bastante comuns, especialmente em regiões do Atlântico Norte.

O Serviço Climático Nacional relatou em 2018 que estados no caminho desse atual ciclone-bomba foram atingidos por ventos da intensidade de furacões, grandes quantidades de neve e inundações.

O que é um vórtice polar?

Ventos que atingem o círculo Ártico conseguem empurrar ar extremamente frio para o sul.

Isso acontece porque os ventos escapam do vórtice polar.

O vórtice é uma massa de ar frio que fica sobre a região ártica. Ele possui diversos redemoinhos ativos que, durante os meses de inverno, podem crescer e se mover mais ao sul. Isso representa a fronteira entre ar frio polar e temperaturas subtropicais mais quentes.

Conforme a descrição de Mark Serreze, Diretor do Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo a respeito de um vídeo feito pela organização sem fins lucrativos Earth Vision Trust em 2014, vórtices polares são demarcados pela “corrente de jato polar” que está em constante mudança.

A ocorrência de um vórtice polar em latitudes mais ao sul pode causar impactos devastadores nos segmentos de transporte e agricultura das regiões, e cientistas não sabem ao certo se esses vórtices polares serão influenciados pelas mudanças climáticas, afirma Serreze.

“A máquina do tempo vai reagir a isso”, disse ele no vídeo. “Apenas não sabemos como será essa reação”.

E os Nor'Easters?

Um Nor'easter é um ciclone restrito a uma determinada área geográfica, causado por ventos do Atlântico. Ele ocorre da Nova Inglaterra ao estado da Geórgia, mas não são vistos em outras partes do país.

O termo Nor’easter simplesmente se refere a uma tempestade de inverno em latitudes médias. Muitos Nor'easters se formam quando a mesma corrente de jato polar colide com correntes quentes da corrente de jato do Golfo.

Essa colisão contribui para o surgimento de tempestades de inverno, como ciclones-bomba, observa o meteorologista Bob Henson da Weather Underground.

“Toda a área que perde poder devido a neve pesada e fortes ventos estará vulnerável a frio intenso”, diz Henson, tornando as condições mais perigosas às pessoas em regiões de risco.

Qual é o papel das mudanças climáticas em tudo isso?

Sabe-se que as mudanças climáticas podem influenciar o clima. É sabido que o efeito intensifica desastres naturais como furacões e queimadas, e o aquecimento de regiões do Ártico pode até mesmo intensificar os invernos nos EUA.

Mas relacionar um evento climático extremo e específico às mudanças climáticas é bastante difícil.

Henson observa que essas tempestades em múltiplas latitudes variam muito de um ano para o outro e afirma que “há algumas indicações de que essas tempestades ficaram mais fortes e mais frequentes no hemisfério norte nos últimos 60 anos, mas não há evidências suficientes de nenhuma grande mudança em impactos na costa leste dos EUA”.

“O que simplesmente temos aqui é uma forte redução naquilo que chamamos de padrão de comprimento de onda atmosférico, ou, conforme afirmam alguns, uma movimentação intensa do vórtice polar para o sul”, disse Serreze em um e-mail recentemente enviado à National Geographic.

Resumindo: “É o inverno. Isso acontece”.

Quando cientistas falam sobre o clima, eles se referem a alterações no dia a dia, e quando discutem mudanças no clima da Terra, se referem a alterações ao longo do tempo.

Ao passo que os EUA tenham tido dias frios por mais tempo que o normal nesse inverno, o meteorologista Eric Holthaus disse à National Geographic, em um artigo anterior, que é muito cedo para relacionar as condições climáticas do inverno desse ano com as mudanças climáticas gerais.

“É realmente muito difícil afirmar se esse exato padrão climático de hoje teria acontecido da mesma forma sem as mudanças climáticas”, disse ele. Apesar, complementou ele, “é muito irresponsável dizer que as mudanças climáticas não estejam afetando o clima em todos os cantos da Terra”.