As noivas crianças esquecidas da Índia

Mais de um quarto das meninas indianas são casadas antes de completar a maioridade. O casamento infantil é ilegal no país, mas há mais noivas crianças na Índia do que em qualquer outro lugar do mundo.segunda-feira, 7 de maio de 2018

Por Nina Strochlic
Fotos de Saumya Khandelwal

OS CHEIROS e as cores, açafrão amarelado nas mãos e nos rostos, uma tira vermelha alinhada ao cabelo, oferecem as primeiras pistas de que um casamento está prestes a – ou de acabou de – acontecer. As garotas nesse evento são muitas vezes jovens demais para entender o casamento, mas elas têm idade suficiente para saber o que significam as especiarias sendo aplicadas cerimoniosamente em seus corpos.

É isso que Saumya Khandelwal, fotógrafa da Reuters com 27 anos de Nova Delhi, ouviu de garotas que não tiveram a mesma sorte que ela.

Khandelwal nasceu em Lucknow, uma cidade no mesmo estado, mas um mundo à parte do distrito de Shravasti. Ao crescer, ela e suas amigas entenderam que o casamento infantil acontecia na Índia, só que apenas com pessoas que elas não conheciam. Contudo, a 200 quilômetros de distância, próximo da empobrecida fronteira com o Nepal, meninas de apenas oito anos são casadas por suas famílias.

Em 2015, Khandelwal começou a viajar de Nova Deli até o estado de Uttar Pradesh, onde moravam tanto ela quanto o Taj Mahal, para fotografar essas jovens noivas. "Se eu tivesse nascido em Shravasti, eu poderia ter sido uma dessas meninas", diz Khandelwal.

Tecnicamente, o casamento infantil é ilegal na Índia. Uma lei foi aprovada em 1929, o governo proibiu a prática, e foi atualizada novamente em 2006. Hoje, as mulheres com menos de 18 anos e os homens com menos de 21 anos não podem se casar legalmente. Os pais ou cônjuges mais velhos podem ser punidos com até dois anos de prisão por coordenar ou permitir acordos que ignorem essas restrições.

Apesar de uma queda na taxa de casamentos infantis na última década, há mais noivas menores de idade na Índia do que em qualquer outro país do mundo. Mais de um quarto das meninas indianas são casadas até os 18 anos, segundo a organização Girls Not Brides.

Quando Khandelwal decidiu fotografar essas garotas, ela esperava que a tradição e o patriarcado dominassem a decisão de cada família de casar suas filhas. O que ela encontrou foi uma prática também enraizada na pobreza, na falta de educação e na volatilidade da vida.

Em Shravasti, Khandelwal perguntou à mãe de uma jovem noiva que também foi casada quando criança: Por que você está submetendo sua filha ao mesmo destino? A mãe respondeu que preferia não casá-la, mas havia poucas outras opções. Seu marido era diarista e ela e seus filhos se reuniam e vendiam lenha. Eles viviam dia a dia, então era melhor casar suas garotas antes que forças externas intervissem. "Se perdermos nossa casa para inundações amanhã, não teremos nada para dar de dote de casamento de nossa filha", disse ela.

Khandelwal descobriu que muitas famílias consideravam suas filhas de maneira semelhante, como obrigações. Ela conheceu Muskaan (nome fictício), uma garota cheia de vida que tem duas irmãs, e voltou várias vezes para visitá-la. "Ter três meninas é visto como três vezes as despesas e o dote a ser pago", diz Khandelwal. Algumas famílias esperam para tirar suas filhas da escola até que ela vá morar com o marido, mas quando Muskaan se casou aos 14 anos, seu pai parou sua educação imediatamente. A partir de então, ela ficou em casa, aprendendo a cozinhar e cuidar da casa.

Logo após o casamento, Khandelwal visitou Muskaan para descobrir como ela se sentia. "O que ela disse foi particularmente decepcionante", lembra Khandelwal. "Ela disse: 'O que há para sentir sobre isso? Isso tem que acontecer.' Isso apenas nos diz como essas garotas estão impotentes e sem esperança. Elas nem sabem que, como mulheres, podem ter carreiras.”

Muitas noivas ficam sozinhas depois de se casarem. Não há trabalho a ser encontrado nas pequenas aldeias, por isso os jovens procuram frequentemente a sua fortuna em no resto do país. Suas esposas se mudam com os sogros e os recém-casados mantêm contato por telefone.

"O que você espera que uma criança de 15 anos entenda sobre casamento ou relacionamentos ou de administrar uma casa?", Pergunta Khandelwal. "Elas não são educadas e isso se resume a seus próprios filhos. Elas já não têm dinheiro e são jovens demais para ter filhos. É um ciclo vicioso. Elas serão capazes de sair desse ciclo?”

Depois de dois anos e meio passados fotografando as noivas crianças de Shravasti, Khandelwal vê sinais de jovens forçadas a se casar em todo o país, até mesmo na metrópole de Nova Delhi. Ela planeja fotografar essas comunidades para mostrar como a prática pode ser ilegal e declinante, mas na Índia ela continua florescendo nos bastidores.

Saumya Khandelwal é uma fotógrafa que mora na Índia. Você pode ver mais de seu trabalho em seu site e no Instagram.

Continuar a Ler