“Jipe” da Nasa descarrega durante tempestade de poeira em Marte – mas ele ainda não morreu

Uma grande nuvem de poeira engoliu um quarto da superfície do Planeta Vermelho, ameaçando o poderoso rover “Matusalém”.quinta-feira, 14 de junho de 2018

Por Redação National Geographic

Em janeiro de 2004, os rovers Spirit e Opportunity da NASA chegaram à superfície de Marte com um missão de 90 dias de analisar o máximo que pudessem antes que as condições extremas do planeta os impedissem. Os rovers perseveraram mais do que o esperado: Spirit sobreviveu por mais de sete anos, e o Opportunity ainda está ativo depois de quase 15 anos, um Matusalém robótico que trouxe aos pesquisadores pistas vitais sobre a habitabilidade em Marte.

Mas, agora, o Opportunity está encarando um grande problema. O rover está atualmente parado no Vale Perseverance, em Marte, tentando esperar passar uma das tempestades de poeira mais intensas que já foram vistas no Planeta Vermelho.

Marte 101
Explore o Planeta Vermelho, que tem semelhanças com a Terra e pode ser a chave para um novo futuro para a humanidade.

“Devemos conseguir sobreviver à tempestade”, John Callas, o gerente de projeto dos rovers de Exploração da NASA, disse em uma coletiva de imprensa da NASA na quarta-feira (13/6). “Estamos preocupados, mas esperançosos de que a tempestade vá passar e o rover vá se comunicar conosco”.

Desde que o Mars Reconnaissance Orbiter avistou a tempestade em 30 de março, ela levantou poeira suficiente para cobrir um quarto da superfície de Marte. Uma porção do tamanho dos Estados Unidos dessa área está coberta por tanta poeira que os dias de lá mais parecem um crepúsculo – ou pior. (Veja fotos de “Marte” aqui na Terra.)

“É uma tempestade incomum”, disse Bruce Cantor, cientista do Malin Space Science Systems que é considerado uma autoridade no clima de Marte. “Esta [tempestade] ocorreu um mês antes da tempestade mais antiga relatada nessa trilha de tempestades e quase dois meses antes do que vimos nos últimos anos de Marte”.

Cantor adiciona que a tempestade vai piorar nos próximos dias e provavelmente vai gerar a primeira nuvem de poeira global de Marte desde 2007. Quando mais intensas, essas nuvens podem bloquear mais de 99% da luz solar.

O redemoinho é uma má notícia para o Opportunity: diferentemente de seu sucessor com energia nuclear, Curiosity, Opportunity usa majoritariamente energia solar. No domingo, Opportunity estava puxando meros 22 watt-horas de seus painéis solares, menos de 4% da energia que ele normalmente gera.

A Nasa suspendeu as operações de ciência do Opportunity em  8 de junho, quando a tempestade piorou. O Rover fez seu último contato com o controle da missão na manhã de 12 de junho. Pesquisadores esperam que o rover tenha entrado autonomamente no modo de hibernação, onde apenas o relógio da missão continua a funcionar.

Chances de sobrevivência

Essa é a primeira tempestade que interrompe a comunicação entre a Terra e o Opportunity, mas rumores da morte do rover podem ser prematuros. Apesar das mudanças de temperatura do dia para a noite poderem afetar a parte eletrônica do rover, é improvável que ele sucumba às famosas baixas temperaturas de Marte. Nuvens de poeira na verdade ajudam a manter a temperatura da superfície mais altas e Marte está entrando no verão.

No coletiva de imprensa, Callas informou que a temperatura prevista não ficará abaixo de -36 graus Celsius, mais quente do que a temperatura mínima de operação do Opportunity, de -55 graus. Ele também enfatizou que há planos de contingência mesmo que os níveis de energia fiquem tão baixos que até mesmo o relógio da missão pare de funcionar temporariamente.

Esta também não é a primeira tempestade de poeira que o Opportunity encara: ele enfrentou uma em 2007. Mike Seibert, o antigo motorista sênior do Opportunity, diz que a tempestade anterior contaminou um dos instrumentos científicos do Rover, mas, fora isso, ele ficou intacto. Ele espera por problemas não-fatais similares dessa vez.

“Desde que o rover se mantenha eletricamente vivo durante a tempestade, o que não será fácil, mas estou otimista de que o time vai recuperar o rover e continuar de onde pararam”, diz ele.

Cantor e Seibert avisam que reestabelecer contato com o Opportunity pode levar semanas ou meses, dependendo de quanto tempo a nuvem de poeira durar. Enquanto isso, o time de suporte do Rover e admiradores continuam a torcer para que “Opy” esteja bem, mesmo que estejam prendendo o ar.

“De alguma forma, todo mundo se imagina no rover, então quando as coisas se complicaram, muito apoio foi oferecido”, disse Seibert. “Depois de 14 anos e meio na superfície, se tornou parte das vidas de todos nós”.

Continuar a Ler