Como ver Perseidas, um dos eventos astronômicos mais espetaculares do ano

A chuva de meteoros será mais visível no fim de semana. Descubra quais países poderão aproveitá-lo melhor.

A chuva de meteoros Perseidas recebeu o nome de Perseu, semideus da mitologia grega. Acredita-se que as partículas de poeira e rocha venham da constelação de mesmo nome. Na foto: Um fotógrafo do céu noturno apreciando a visão da Lua, Vênus e Júpiter em uma manhã no deserto.

Foto de Babak Tafreshi
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 8 de ago. de 2023, 13:18 BRT

chuva de meteoros que tem o nome em homenagem ao herói grego Perseu, considerada uma das mais importantes do ano, ocorrerá entre 12 e 13 de agosto. Embora seja frequentemente considerada uma chuva espetacular, somente os países acima da linha do Equador poderão apreciá-la.

Quando será o pico da chuva de meteoros Perseidas?

A chuva de meteoros Perseidas recebeu esse nome em homenagem a Perseu, pois acredita-se que as partículas de poeira e as rochas sejam provenientes da constelação que leva esse nome. Os pequenos fragmentos de detritos espaciais foram deixados para trás pelo cometa Swift-Tuttle nos últimos séculos, explica o Farmer's Almanac, publicação norte-americana sobre assuntos como astronomia que existe desde 1818. 

Embora Perseidas sejam visíveis desde o final de julho, seu pico de atividade ocorrerá na noite de 12 para 13 de agosto, explica Beatriz García, astrônoma especializada em astrofísica e pesquisadora do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet) da Argentina.

O pico de visualização está programado para ocorrer no sábado, 12 de agosto, entre 19h e 20h45, horário do México, ou seja, entre 20h e 21h45 na Colômbia; e entre 22h e 23h45 na Argentina e no Brasil. No entanto, explica a astrônoma, trata-se de um fenômeno para ser apreciado no Hemisfério Norte. Na América Latina, ele será visível nos países acima da linha do Equador. 

Isso se deve à localização da constelação de Perseu. Como explica García, para as pessoas que vivem no Hemisfério Sul, a constelação estará abaixo do horizonte no momento em que o fenômeno deve ser observado.

Quando ele se tornar visível, por volta das 3h, horário da Argentina e do Brasil, sua altura acima do horizonte tornará impossível distinguir o radiante (o ponto de onde as partículas parecem vir) devido a um fenômeno de perspectiva.

No entanto, a pesquisadora do Conicet ressalta que, para os observadores que conseguirem distinguir o fenômeno com maior qualidade, essa será uma chuva espetacular devido ao número de objetos, estimado em aproximadamente 100 por hora.

(Veja também: Quando ver as superluas de 2023: as chances que você não pode perder)

Recomendações para aproveitar a chuva de meteoros Perseidas

Assim como em outras chuvas de meteoros, García sugere procurar um local escuro com um horizonte claro, sem obstáculos ou prédios, para aproveitar melhor o fenômeno. 

Ao contrário de 2022, quando o melhor horário de visualização coincidiu com a lua cheia, desta vez o satélite não será um problema, pois estará na fase da metade minguante e nascerá às 2h18, horário mexicano (03h18, horário colombiano e 05h18, horários argentino e brasileiro).

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados