Conheça as cinco pandemias mais mortais da história da humanidade

Da Peste Negra ao coronavírus, saiba mais sobre o futuro das pandemias por meio dos surtos mais devastadores da história, desde os primeiros registros datados da antiguidade.

Por Cristina Crespo Garay
Publicado 7 de set. de 2022 11:41 BRT
Durante a epidemia de gripe de 1918, o Oakland Municipal Auditorium, nos Estados Unidos, foi usado ...

Durante a epidemia de gripe de 1918, o Oakland Municipal Auditorium, nos Estados Unidos, foi usado como hospital temporário.

Foto de Edward A. NONE, Wikimédia Commons

Desde o início do turbulento 2020, a ciência trabalha contra o relógio na investigação da Covid-19. Desde que foi declarada pandemia global pela Organização Mundial da Saúde (OMS), os números do coronavírus continuaram a subir, transformando a realidade de todos os países. 

Embora sua incidência até o momento tenha caído devido à vacinação global de mais de 8,47 bilhões de doses, desde o início da crise sanitária os casos ultrapassaram 272 milhões em todo o mundo. Embora seja difícil obter o número real de mortes, mundialmente o número de mortos ultrapassa os 5,3 milhões, segundo dados da plataforma Nosso Mundo em dados. No entanto, quando vistos através de um prisma histórico, os números da Covid-19 ainda estão longe de seus concorrentes mais mortais ao longo dos séculos.

Epidemia mais devastadora da história da humanidade, a Peste Negra matou entre 75 e 200 milhões de pessoas no século 19, o que se traduz numa percentagem entre 30 e 60% da população da Europa.

Foto de Wikimédia Commons

Segundo dados atuais, o início da pandemia teve seu epicentro na Ásia e se espalhou por rotas comerciais para a Europa até atingir seu pico entre 1347 e 1353. Embora durante séculos os ratos tenham sido responsabilizados por sua origem, um estudo de 2018 sugeriu que o vírus se espalhou por pulgas e piolhos das pessoas. Febre, tosse, manchas na pele e outros sintomas, como a gangrena, que deu nome à epidemia, se espalharam como fogo pelo norte da África, Ásia, Oriente Médio e Europa, com uma taxa de mortalidade muito alta.

Embora a gravidade da praga fosse diferente dependendo da área, os estragos de suas consequências econômicas, políticas e sociais foram avassaladores, especialmente quando a opinião pública começou a culpar os judeus como responsáveis ​​pelo envenenamento dos canais de água potável.

“As mesmas forças que impulsionam a extinção de espécies, a perda de habitat e as mudanças climáticas levarão a mais pandemias no futuro.”

por IPBES

A medicina da época ainda era tão básica que não estava preparada para investigar a causa da doença, então, historiadores, médicos e biólogos não encontraram consenso sobre se a raiz da peste era uma variante da peste bubônica ou outra doença diferente. Nos anos seguintes, a maioria das variedades de Yersinia pestis foi encontrada na China, o que pode indicar que a epidemia se originou naquela região.

Agora, um novo estudo do Conselho Superior de Pesquisa Científica mostrou que a mortalidade da Peste Negra teve um impacto muito desigual graças à análise de pólen fossilizado coletado na Europa. O trabalho, publicado na Nature Ecology and Evolution, afirma que a mortalidade não foi tão homogênea quanto os livros de história refletem. 

“Descobrimos que aquela que é considerada a pior pandemia da história teve um impacto devastador em algumas regiões, como Escandinávia ou França, enquanto em outras, como Irlanda ou Península Ibérica, o impacto foi muito mais discreto”, diz Reyes Luelmo,  pesquisadora do grupo de arqueologia ambiental do Instituto de História do Conselho Superior de Investigações Científicas (Csic). 

Por meio do estudo do pólen, pesquisadores reconstruíram a história do desenvolvimento das atividades econômicas relacionadas à agricultura e pecuária, o que os levou a compreender a interação do homem com o meio ambiente. “Supostamente, uma epidemia com tamanha queda demográfica teria feito com que as florestas se recuperassem diante de um menor impacto humano sobre elas e, paralelamente, que tanto a agricultura quanto a pecuária sofressem uma notável desaceleração ou mesmo uma cessação absoluta”, explica José Antonio López, pesquisador do Instituto de História do Csic. 

Como explicam os pesquisadores, baseando-se no estudo para além dos dados quantitativos que normalmente refletem apenas a realidade das grandes cidades, verificaram as altas taxas de mortalidade na França, Escandinávia, Alemanha, Grécia e Itália, enquanto muitas regiões da Europa Central e Oriental, incluindo a Península Ibérica e a Irlanda, mostra que a atividade agrícola não cessou.

"As pandemias são fenômenos complexos que têm histórias regionais e locais. Já vimos isso com a Covid-19 e agora mostramos para a Peste Negra", diz Adam Izdebski, do Instituto Max Planck.

Varíola (1520): 56 milhões de mortes

Também com o nome das pústulas que causa na pele, a varíola foi uma pandemia devastadora, com uma taxa de mortalidade de 30%, especialmente alta entre crianças e bebês. Embora a sua origem seja desconhecida, há evidências da sua existência muito cedo, uma vez que foram encontrados restos em múmias egípcias que datam do século 3 a.C.

Ao longo da história, a doença se espalhou em surtos periódicos, sendo um deles massivamente, quando os conquistadores chegaram ao novo mundo: segundo estimativas, cerca de 400 mil pessoas morreram a cada ano na Europa do século 18, e um terço daqueles que conseguiram sobreviver desenvolveram cegueira ou ficaram desfigurados.

A OMS declarou sua erradicação em 1980, após vários esforços para globalizar as campanhas de vacinação. No entanto, estima-se que a varíola tenha matado até 300 milhões de pessoas apenas no século 20 e até 500 milhões em seus últimos 100 anos de existência.

Camas com pacientes em um hospital de emergência do Kansas, em meio à epidemia de gripe que atingiu os Estados Unidos durante a guerra e foi transportada em navios através do Atlântico.

Foto de Archivos Históricos del Museo Nacional de Salud y Medicina

Antes do advento da vacinação, a inoculação era praticada na China para prevenir doenças desde pelo menos o século 10 d.C. Séculos depois, a britânica Mary Montagu observou como os circassianos que se picavam com agulhas impregnadas com pus de varíola nunca contraíram a doença, o que significou uma das maiores contribuições nesse sentido no Ocidente até que o cientista Edward Jenner desenvolveu a vacina 90 anos mais tarde.

Após as campanhas de vacinação, o vírus foi erradicado, exceto as reservas em estado criogênico que ainda permanecem em dois laboratórios na Rússia e nos Estados Unidos. Embora alguns grupos de especialistas tenham solicitado sua remoção para evitar incidentes, ela não foi realizada por falta de informações sobre o vírus.

A gripe espanhola (1918-1919): 40-50 milhões de mortes

Ao contrário do que possa parecer devido ao seu nome, a gripe espanhola matou mais de 40 milhões de pessoas em todo o mundo, e não começou na Espanha. Embora não haja consenso quanto à sua origem, muitos cientistas colocam seus primeiros casos nos Estados Unidos, em 1918.

No contexto de uma guerra mundial em que a Espanha era neutra, o país não censurou informações sobre a epidemia e suas consequências, ao contrário dos demais países envolvidos na guerra, que eliminaram todas as informações sobre ela para não desmoralizar as tropas e não mostrar seus pontos mais vulneráveis ​​ao inimigo.

Uma publicação sobre os biólogos espanhóis antes do micróbio da gripe espanhola.

Foto de Lluís Bagaria, Wikimédia Commons

Portanto, a mídia espanhola foi a primeira a noticiar a doença e, além disso, fomos um dos países mais afetados, com 8 milhões de pessoas infectadas e 300 mil mortes.

“A censura e a falta de recursos impediram a investigação do foco letal do vírus. Agora sabemos que foi causado por um surto do vírus influenza A, do subtipo H1N1”, diz o Diário Médico. “Ao contrário de outros vírus que afetam basicamente crianças e idosos, muitas de suas vítimas eram jovens e adultos saudáveis, ​​entre 20 e 40 anos, faixa etária que provavelmente não foi exposta ao vírus na infância e não possuía imunidade natural”.

Praga de Justiniano (541-542): 25-50 milhões de mortes

As informações sobre doenças do passado são mais desconhecidas quanto mais recuamos na história. No entanto, há evidências que sugerem que a chamada Peste de Justiniano está em quarto lugar entre as mais devastadoras, com números de mortalidade entre 25 e 50 milhões de pessoas mortas. De acordo com estimativas demográficas do século 6, matou entre 13 e 26% da população.

O Triunfo da Morte  (Museo del Prado, 1562) reflete a agitação social e o terror desencadeados pela Peste Negra, que devastou a Europa medieval.

Foto de Pieter Brueghel el Viejo NONE, Wikimédia Commons

Sua origem foi encontrada durante o Império Bizantino, nos ratos que viajaram centenas de quilômetros em navios mercantes que navegavam para os diferentes cantos da Eurásia, entre os anos 541 e 549. A praga foi recorrente nas áreas próximas aos portos do Mediterrâneo até cerca do ano 750.

Os lugares mais aceitos como origem da pandemia nos levam aos enclaves comerciais da África Oriental, e sua causa mais aceita é encontrada na bactéria Yersinia pestis, como no caso posterior da Peste Negra, embora de uma cepa diferente. Nesse caso, seu nome se referia ao imperador romano Justiniano 1, que governava o Império Bizantino na época.

HIV/AIDS (1981-presente): 25-35 milhões de mortes

Desde seu surgimento em 1976, o vírus da imunodeficiência humana (HIV) já matou 32 milhões de pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde. Hoje, ainda existem entre 31 e 35 milhões vivendo com a doença, principalmente na África.

Esse vírus infecta as células do sistema imunológico, prejudicando a capacidade do organismo de combater doenças. Nos estágios mais avançados do vírus, ocorre a síndrome da imunodeficiência adquirida ou AIDS, que tem causado grande impacto na sociedade não apenas em termos de saúde, mas também como fonte de discriminação.

“O HIV/AIDS continua sendo um dos problemas de saúde pública mais graves do mundo, especialmente em países de baixa e média renda”, diz a Organização Mundial da Saúde. “Em meados de 2017, 20,9 milhões de pessoas estavam recebendo terapia antirretroviral em todo o mundo. No entanto, apenas 53% das 36,7 milhões de pessoas que vivem com HIV receberam tratamento em 2016 em todo o mundo.

O meio ambiente é a chave para evitar futuras pandemias

“Conservar a biodiversidade se traduz em preservar vidas humanas.” Foi assim que um grupo de cientistas da Plataforma Científica-Regulatória Intergovernamental sobre Diversidade Biológica e Serviços Ecossistêmicos (Ipbes) foi criado em outubro passado.

Como conclusão de seu estudo recente, eles alertaram: as mesmas forças que levam à extinção de espécies, perda de habitat e mudanças climáticas causarão mais pandemias no futuro.

“Sem estratégias preventivas, as pandemias surgirão com mais frequência, se espalharão mais rapidamente, matarão mais pessoas e atingirão a economia global com repercussões mais devastadoras do que nunca”, concluem no relatório.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Cultura
Líderes e ativistas muçulmanos enfrentam oposição às vacinas contra a covid-19
Ciência
Autópsias particulares aumentam durante a pandemia de covid-19
História
Falta comida nas favelas de São Paulo. Estas mulheres tentam resolver
Ciência
Mesmo casos leves de covid podem encolher o cérebro
Viagem
Jalapão se adapta aos novos tempos para manter turismo na pandemia

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados