10 coisas para saber sobre o Dia dos Mortos

O Día de los Muertos é comemorado em todo o México, com caveiras, esqueletos e visitas à sepultura. Mas o que esse feriado realmente representa?

Por Logan Ward
Publicado 1 de nov. de 2022 09:31 BRT
Os foliões na Cidade do México celebram o Dia dos Mortos

Os foliões na Cidade do México celebram o Dia dos Mortos vestindo-se como o símbolo mais onipresente do feriado, uma figura esquelética conhecida como calavera Catrina.

Foto de Tomas Bravo Reuters

Aqui está uma coisa que sabemos: Día de los Muertos, ou Dia dos Mortos, não é uma versão mexicana do Halloween. Embora relacionados, os dois eventos anuais diferem muito em tradições e tom. 

Enquanto o Halloween envolve terror e travessuras na última noite de outubro, as festividades do Dia dos Mortos se desenrolam nos dois primeiros dias de novembro em uma explosão de cores e alegria de afirmação da vida. Claro, o tema é a morte, mas o objetivo é demonstrar amor e respeito pelos familiares falecidos. Nas vilas e cidades do México, os foliões usam maquiagem e fantasias descoladas, realizam desfiles e festas, cantam, dançam e fazem oferendas aos entes queridos perdidos.

Os rituais são repletos de significado simbólico. Quanto mais você entender sobre esta festa para os sentidos, mais você a apreciará. Aqui estão 10 coisas essenciais que você deve saber sobre o evento anual mais colorido do México.

(Artigo relacionado: Este é o festival dos mortos do Japão)

1. O feriado remonta a milhares de anos

Flores e velas definem o clima durante uma vigília do Dia dos Mortos em um cemitério em Oaxaca, México.

Foto de Kenneth Garrett National Geographic

O Dia dos Mortos originou-se há vários milhares de anos com os astecas, toltecas e outros nahuas, que consideravam o luto pelos mortos desrespeitoso. Para essas culturas pré-hispânicas, a morte era uma fase natural no longo continuum da vida. Os mortos ainda eram membros da comunidade, mantidos vivos na memória e no espírito – e durante o Día de los Muertos, eles retornaram temporariamente à Terra. 

A celebração do Día de los Muertos de hoje é uma mistura de ritos religiosos pré-hispânicos e festas cristãs. Acontece nos dias 1 e 2 de novembro – Dia de Todos os Santos e Dia de Finados no calendário católico – na época da colheita do milho no outono.

2. Foi reconhecido pela Unesco

O patrimônio cultural não é apenas monumentos e coleções de objetos. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) afirma que o patrimônio cultural também inclui expressões vivas da cultura – tradições – transmitidas de geração em geração. 

Em 2008, a Unesco reconheceu a importância do Día de los Muertos ao adicionar o feriado à sua lista de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Hoje, mexicanos de todas as origens religiosas e étnicas celebram o Día de los Muertos, mas em sua essência, o feriado é uma reafirmação da vida indígena.

Vista aérea do panteão de San Andrés Mixquic como parte das celebrações do Dia dos Mortos de 2021, na Cidade do México. Um dos feriados mais populares do país, o Dia dos Mortos é dedicado a lembrar aqueles que morreram com oferendas, reuniões familiares e visitas aos túmulos.

Foto de Hector Vivas Getty Images

3. Os altares são uma tradição importante

A peça central da celebração é um altar, ou ofrenda, construído em casas particulares e cemitérios. Estes não são altares para adoração; em vez disso, eles são feitos para dar as boas-vindas aos espíritos de volta ao reino dos vivos. 

Como tal, eles estão carregados de oferendas – água para matar a sede após a longa jornada, comida, fotos de família e uma vela para cada parente morto. Se um dos espíritos for uma criança, você pode encontrar pequenos brinquedos no altar. 

Os cravos-de-defunto são as principais flores usadas para decorar o altar. Espalhadas do altar ao túmulo, pétalas de calêndula guiam as almas errantes de volta ao seu local de descanso. A fumaça do incenso de copal, feito de resina de árvore, transmite louvores e orações e purifica a área ao redor do altar.

4. ...e também as calaveras literárias…

Calavera significa “crânio”. Mas durante o final do século 18 e início do século 19, a calavera foi usada para descrever poemas curtos e bem-humorados, que muitas vezes eram epitáfios de lápides sarcásticas publicadas em jornais que zombavam dos vivos. 

Essas calaveras literárias acabaram se tornando uma parte popular das celebrações do Día de los Muertos. Hoje, a prática está viva e bem. Você encontrará esses poemas inteligentes e mordazes impressos, lidos em voz alta e transmitidos em programas de televisão e rádio.

À esquerda: No alto:

Conhecida como a calavera Catrina, esta figura esquelética é um ícone do Dia dos Mortos. Existem infinitas variações da Catrina vendidas em muitas formas durante o feriado – e durante todo o ano no México.

Foto de Tino Soriano National Geographic
À direita: Acima:

Cravos-de-defunto e fotos de família decoram um altar do Dia dos Mortos em San Miguel de Allende, México.

Foto de Corbis Documentary Getty Images

5. ...especialmente a calavera Catrina

No início do século 20, o cartunista político e litógrafo mexicano José Guadalupe Posada criou uma gravura para acompanhar uma calavera literária. Posada vestiu sua personificação da morte com fantasias francesas e o chamou de Calavera Garbancera, pretendendo que fosse um comentário social sobre a emulação da sofisticação europeia da sociedade mexicana. “ Todos somos calaveras ”, uma citação comumente atribuída a Posada, significa “somos todos caveira”. Debaixo de todas as nossas armadilhas feitas pelo homem, somos todos iguais.

Em 1947, o artista Diego Rivera apresentou o esqueleto estilizado de Posada em sua obra-prima mural Dream of a Sunday Afternoon in Alameda Park. O busto esquelético de Posada estava vestido com um grande chapéu feminino, e Rivera fez sua fêmea e a chamou de Catrina, gíria para “os ricos”. Hoje, a calavera Catrina, ou caveira elegante, é o símbolo mais onipresente do Dia dos Mortos. 

6. As famílias trazem comida para os mortos

Uma mulher mixteca decora um túmulo em um cemitério durante as celebrações do Dia dos Mortos, em 2 de novembro de 2021, em Xalpatláhuac, México.

Foto de Jan Sochor Getty Images

Você desenvolve uma grande fome e sede viajando do mundo espiritual de volta ao reino dos vivos. Pelo menos essa é a crença tradicional no México. Algumas famílias colocam a refeição favorita de seu ente querido morto no altar. 

Outras ofertas comuns: Pan de muerto, ou pão dos mortos, é um pão doce típico (pan dulce), muitas vezes com sementes de anis e decorado com ossos e crânios feitos de massa. Os ossos podem ser dispostos em círculo, como no círculo da vida. Pequenas lágrimas de massa simbolizam tristeza. 

Os crânios de açúcar fazem parte de uma tradição de arte do açúcar trazida por missionários italianos do século 17. Prensados ​​em moldes e decorados com cores cristalinas, apresentam-se em todos os tamanhos e níveis de complexidade.

As bebidas para comemorar o feriado incluem pulque, uma bebida doce fermentada feita a partir da seiva do agave; atole, um mingau quente e fino feito de farinha de milho, com açúcar de cana não refinado, canela e baunilha; e chocolate quente.

7. As pessoas se vestem com fantasias

Uma jovem mexicana vestida como Catrina e usando uma máscara facial bordada se apresenta durante as celebrações dos mortos em 29 de outubro de 2021, em Taxco de Alarcón, México.

Foto de Jan Sochor Getty Images

O Dia dos Mortos é um feriado extremamente social, que se espalha pelas ruas e praças públicas a qualquer hora do dia e da noite. Vestir-se como esqueletos faz parte da diversão. Pessoas de todas as idades têm seus rostos artisticamente pintados para se assemelharem a caveiras e, imitando a calavera Catrina, vestem ternos e fantasias. Muitos foliões usam conchas ou outros artefatos barulhentos para aumentar a emoção – e também possivelmente para despertar os mortos e mantê-los próximos durante a diversão.

8. As ruas são decoradas com papel picado

Papel picado, ou papéis perfurados, sopram ao vento em San Miguel de Allende, México. Você pode encontrar papel picado no México durante todo o ano, mas especialmente no Dia dos Mortos.

Foto de Raúl Touzon

Você provavelmente já viu este lindo papel artesanal mexicano muitas vezes em restaurantes mexicanos. A tradução literal, papel furado, descreve perfeitamente como é feito. Os artesãos empilham papel de seda colorido em dezenas de camadas e, em seguida, perfuram as camadas com pontas de martelo e cinzel. O papel picado não é usado exclusivamente durante o Dia dos Mortos, mas desempenha um papel importante no feriado. Envolta em altares e nas ruas, a arte representa o vento e a fragilidade da vida.

9. A Cidade do México sedia um desfile icônico

Día de los Muertos está mais popular do que nunca – no México e, cada vez mais, no exterior. Por mais de uma dúzia de anos, a organização cultural sem fins lucrativos Mano a Mano: Cultura Mexicana sem Fronteiras, com sede em Nova York, organizou a maior celebração do Dia dos Mortos da cidade. 

Mas as celebrações mais autênticas acontecem no México. Se você estiver na Cidade do México no fim de semana antes do Dia dos Mortos deste ano, não deixe de passar pelo grande desfile, onde você pode participar de música ao vivo, passeios de bicicleta e outras atividades em comemoração por toda a cidade.

Estátuas de esqueletos decoram a Cidade do México para o Dia dos Mortos em 2 de novembro de 2018.

Foto de Jair Cabrera NurPhoto, Getty Images

10. Outras comunidades comemoram de maneira única

Inúmeras comunidades no México celebram o Dia dos Mortos, mas os estilos e costumes diferem por região, dependendo da cultura pré-hispânica predominante da região. Aqui estão alguns lugares que se destacam por suas celebrações coloridas e emocionantes:

Pátzcuaro:  Uma das comemorações mais emocionantes do Dia dos Mortos acontece todos os anos em Pátzcuaro, um município do estado de Michoacán, cerca de 360 ​​quilômetros a oeste da Cidade do México. Os indígenas do campo convergem às margens do Lago Pátzcuaro, onde se amontoam em canoas, uma única vela acesa em cada proa, e remam até uma pequena ilha chamada Janitzio para uma vigília noturna em um cemitério indígena.

Mixquic: Neste subúrbio da Cidade do México, os sinos do histórico convento agostiniano dobram e os membros da comunidade, carregando velas e flores, chegam ao cemitério local, onde limpam e decoram os túmulos de seus entes queridos.

Tuxtepec: Esta pequena cidade no nordeste do estado de Oaxaca é mais conhecida por seus tapetes de serragem. Por dias, os moradores arrumam meticulosamente serragem colorida, pétalas, arroz, agulhas de pinheiro e outros materiais orgânicos em padrões elaborados e rugosos nas ruas da cidade. Tradicionalmente feitos para importantes procissões, os tapetes de serragem de Tuxtepec são julgados em um concurso realizado durante o Día de los Muertos.

Aguascalientes: Localizada a cerca de 140 milhas ao norte de Guadalajara, Aguascalientes – local de nascimento do gravador José Guadalupe Posada – estende suas celebrações do Dia dos Mortos para quase uma semana durante o Festival de Calaveras (Festival das Caveiras). O festival culmina com um grande desfile de caveiras pela Avenida Madero.

Saiba mais sobre como viajar para o México ou explore nossa página do Dia dos Mortos apenas para crianças.

Nota do editor:  Esta história foi publicada originalmente em 26 de outubro de 2017. Foi atualizada.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

História
Conheça o Diwali, importante celebração indiana que representa o triunfo do bem sobre o mal
História
Egito antigo: quem foi o rei Tut?
História
Por que o Yom Kipur é o dia mais sagrado do calendário judaico?
História
Uma breve história de Rosh Hashaná, o início do Ano Novo judaico
História
O que foi a Guerra Fria? Diferenças e semelhanças com a atualidade

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados