Meio Ambiente

Fotos aéreas exclusivas mostram a destruição de Porto Rico

O furacão Maria inundou as regiões costeiras e destruiu casas no interior da ilha. Quarta-feira, 8 Novembro

Por Christina Nunez
Fotos de Dennis Manuel Rivera

O furacão Maria deixou porto Rico "completamente devastado", segundo o fotógrafo que tirou fotos exclusivas da ilha na sexta-feira e no sábado.

Baseado em San Juan, Dennis Manuel Rivera capturou o estrago causado por inundações que cobriram as regiões costeiras e pelos ventos que removeram o teto de casas, enchendo-as de areia.

Porto-riquenhos estão acostumados com fortes tempestades, disse Dennis, de 28 anos e que passou a vida toda no país. Mas com o Maria, ele diz: "Vi coisas que nunca tinha visto na vida". Onde se enxergava verde, ele observou rios lamacentos; a cara da ilha foi completamente transformada. 

Dennis conversou com a National Geographic pelo telefone de um posto de gasolina em San Juan – filas para abastecer duravam 6 horas ou mais e a rede de celular não funcionava fora da cidade.

Ele só conseguiu entrar em contato com seus pais – que moram em Toa Alta, 30 quilômetros ao sudoeste da capital – no domingo. No entanto, pôde acenar para seu pai enquanto sobrevoava a área no sábado, do alto de um helicóptero operado por um piloto amigo. [ Veja também: “Cansada, população do Caribe tenta se proteger do furacão Maria.”]

Depois da catástrofe, quando residentes tomavam providências sobre o que fazer depois da tempestade, a barragem de Guajataca, na parte noroeste da ilha, mostrava falhas e ameaçava desmoronar no fim da semana passado. Cerca de 70 mil pessoas tiveram que ser evacuadas da região – um prefeito local, no entanto, questionou os números. 

Até a noite de domingo, a barragem continuava firme, mas o Secretário para Assuntos Públicos avisou: "ela vai desmoronar a qualquer momento", de acordo com o Washington Post.

O furacão Maria seguiu os passos de outros dois furacões atlânticos devastadores: Harvey e Irma. As condições atmosféricas ajudaram na formação das tempestades, mas, por causa das mudanças climáticas, a temperatura da água na superfície do mar estava mais quente que de costume. 

Dennis disse que os suprimentos estão, lentamente, chegando em Porto Rico – um território dos Estados Unidos – por avião ou por barcas, mas ele estava especialmente preocupado com as pessoas em regiões montanhosas. Do céu dava para ver que as estradas estão intransitáveis e dias vão se passar até que essas pessoas consigam ajuda. 

Dos 3,4 milhões de habitantes de Porto Rico, Dennis disse que "não tem sequer uma pessoa na ilha que não foi afetada". 

Continuar a Ler