Meio Ambiente

Por que o ciclone Idai, que atingiu países da África, foi tão destrutivo

Número de mortos em Moçambique, Zimbábue e Malawi, no sudeste do continente africano, passa de 700. Cerca de 1,7 milhão de pessoas sentem os efeitos do ciclone. Segunda-feira, 25 Março

Por Stephen Leahy

O ciclone Idai matou pelo menos 700 pessoas no sudeste da África desde a semana passada. Ainda há centenas de desaparecidos em Moçambique, Zimbábue e Malawi, o que deve aumentar o número de mortes. Além disso, estima-se que quase 1,7 milhão de pessoas tenham sentido o efeito do ciclone. O Idai pode ser o pior desastre relacionado ao clima no hemisfério sul.

O Idai atingiu Moçambique em 15 de março e chegou a 100 km/h, sendo acompanhando por violentas tempestades. A inundação tomou conta da região central de Moçambique, interrompendo estradas e destruindo pontes, disse Gregory Carr, presidente do Parque Nacional da Gorongosa.

Na Gorongosa, o objetivo tem sido proteger a vida selvagem e suprir necessidades básicas das comunidades vizinhas, como saúde e alimentação. Guardas florestais do parque ajudaram a fornecer água e suprimentos para as vítimas. Cerca de metade do parque está debaixo d'água, mas Carr espera um impacto mínimo nos animais, já que provavelmente eles irão para terrenos mais altos. 

Moçambique tem, em média, 1,5 ciclones tropicais por ano e, embora raramente mais poderosos do que a categoria 2, eles podem causar muitos danos, disse Corene Matyas, pesquisadora de ciclones tropicais da Universidade da Flórida.

A inundação é o principal problema que afeta a maioria das pessoas depois dos ciclones. Com as mudanças climáticas, a atmosfera agora contém mais umidade (porque é mais quente, em média), e isso significa que pode haver mais água disponível para chuvas fortes, diz Matyas.

O ciclone Idai também teve uma expectativa de vida maluca. Nasceu em 4 de março perto da costa, nas águas muito quentes do Canal de Moçambique, desembarcou como uma fraca tempestade tropical no norte do país e depois voltou ao canal antes de fazer uma inversão de marcha na costa ocidental de Madagáscar no dia 11 de Março. Em seguida, seguiu em linha reta até a cidade de Beira, no dia 15.

"Esse tipo de faixa de tempestade imprevisível em loop não é incomum para os ciclones que começam no canal", observa Matyas.

As inundações em curso no centro de Moçambique provavelmente significam que a principal região produtora de alimentos do norte está separada do sul, densamente povoado, onde a capital de Maputo está localizada, disse ela.

A maior parte da atividade de ciclones tropicais no sudoeste do Oceano Índico ocorre entre outubro e maio, com atividade de pico em meados de janeiro e novamente em meados de fevereiro, até o início de março. O Idai é o sétimo ciclone tropical intenso da temporada 2018-2019 da bacia, segundo a Nasa.

Continuar a Ler