Animais

Veja duas mambas-negras se enfrentando em um duelo mortal

Em uma rara demonstração de poder, duas das cobras mais venenosas do mundo competem durante o período de acasalamento Quarta-feira, 8 Novembro

Por Brian Clark Howard

No vídeo, duas mambas-negras, as cobras mais perigosas do mundo, constroem um laço de amizade com a morte. Uma gira em volta da outra durante uma inesperada gravação de luta na África do Sul.

A ação foi gravada por Kirstie Bowers próximo a Joanesburgo – na África do Sul –,  durante um safári no Parque Nacional de Pilanesberg.

"Realmente, este é um ótimo vídeo,” diz Kenneth Krysko, gerente da coleção de répteis do Museu de História Natural da Flórida. “Ele mostra machos em um comportamento clássico de combate. Os dois tentam fazer com que o oponente se entregue.”

O especialista também comenta que, às vezes, cobras se mordem durante batalhas, mas raramente injetam qualquer quantidade de veneno ou tentam se matar. Normalmente, machos se enfrentam até que um desista. Então, o vencedor se aproxima da fêmea que está no cio.

Fêmeas de determinadas espécies costumam cruzar com o mesmo macho durante toda a estação e conseguem guardar o esperma do companheiro por meses ou até anos. Machos tentam cruzar com várias fêmeas – o que depende de quantas batalhas eles consigam vencer.

“Você tem muita sorte em testemunhar essa biologia descolada” diz Krysko. “Não é um acasalamento, diso tenho certeza. É muito diferente”, completa.

Serpentes dessa espécie vivem no sul e sudeste da África e podem atingir 4,3 metros de comprimento. Elas são rápidas e poderosas, conhecidas pela agressividade, apesar de, normalmente, evitarem pessoas. A mordida da mamba-negra costuma ser fatal, a não ser que um antídoto seja administrado imediatamente. A pessoa picada pela mamba-negra geralmente morre em 45 minutos.

Essas cobras são responsáveis por muitas mortes e são, muitas vezes, consideradas as mais mortais do mundo e a espécie mais venenosa da África. 

Mambas-negras podem correr a uma velocidade de 20 km/h. O nome é decorrente da cor preta do interior da boca que aparece quando ameaçadas. Por fora, a pele tende a ser verde ou cinza.

Siga Brian Clark Howard no Twitter and Google+.

Publicado originalmente em 24 de maio de 2016.

Continuar a Ler