Este bicho simpático é o menor tamanduá do mundo

Novas pesquisas no nordeste brasileiro buscam compreender melhor a espécie e proteger esse animal misterioso.

Por Karina Molina
fotografias de Gustavo Fonseca, Rastro
Publicado 2 de mar. de 2018 19:12 BRT, Atualizado 5 de nov. de 2020 03:22 BRT
Com menos de meio quilo, o tamanduaí é a menor espécie de tamanduá do mundo
Populações diferentes da espécie vivem na Amazônia e nos mangues e restingas do nordeste brasileiro.

Quase dois anos foi o tempo necessário para a equipe do Instituto de Pesquisa e Conservação de Tamanduás no Brasil (IPCTB) capturar o seu primeiro indivíduo de tamanduaí, o menor tamanduá do mundo. Esse mamífero de apenas 35 cm tem hábito noturno, é solitário e difícil de ser encontrado, sendo a espécie de tamanduá menos estudada. A razão está nos habitats naturais do Cyclopes didactylus: a copa das árvores e a vegetação fechada onde vivem são locais de difícil acesso.

No entanto, a equipe do IPCTB, também conhecido como Projeto Tamanduá, tem se aproximado cada vez mais do animal. Desde 2005, os pesquisadores buscam conhecer melhor os tamanduás brasileiros, trabalhando para ampliar a conscientização e a preservação dessas espécies.

Coordenado pela médica veterinária Flavia Miranda, o IPCTB iniciou as pesquisas com o tamanduaí nos estados de Pernambuco e Maranhão em 2006, e logo depois expandiu para toda a região Amazônica. A procura pelo primeiro indivíduo na Reserva Biológica do Rio Trombetas, no Pará, demorou mais de um ano para ter sucesso, mesmo com a ajuda das populações ribeirinhas locais.

O tamanduaí é um animal com fama de fantasma em alguns locais de sua ocorrência. Por ser tão pequeno e pelas pessoas não conhecerem suas características, ele é geralmente confundido com filhote de tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla). O desconhecimento sobre o animal sempre foi tão grande que a pesquisa de Miranda publicada em dezembro de 2017 descobriu a existência de seis novas espécies para o gênero. O estudo levou quase dez anos para ser finalizado – a equipe do IPCTB ajudou na descrição das espécies.

Nos mangues do Delta

O fotógrafo Gustavo Fonseca acompanhou a equipe de pesquisadores na busca pelo animal em uma área de ocorrência recém-descoberta no Nordeste brasileiro: a região do Delta do Parnaíba. A busca pelo animal na região de manguezais e restinga foi motivada pela falta de informações sobre a população nesses ecossistemas. O trabalho foi difícil, afinal, os manguezais do Delta do Parnaíba são ainda mais complicados de acessar que a floresta amazônica – o terreno é pantanoso e as árvores altíssimas.

Durante os trabalhos de campo, as capturas de indivíduos ocorrem para análises de saúde, coleta de material biológico e biometria completa. Também são realizadas observações e análises comportamentais do animal para entender melhor a sua interação com o habitat, sua área de vida e o uso do espaço.

Estudar a população nordestina do tamanduaí é de suma importância porque há uma lacuna entre essa e a população amazônica. Hoje, os tamanduaís amazônicos são classificados como Não Ameaçado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), enquanto os que habitam o nordeste brasileiro são categorizados como Dados Deficientes, devido ao baixo conhecimento sobre a espécie. A IUCN e o governo brasileiro planejam realizar uma nova avaliação do seu status de conservação.

Ecossistema ameaçado

O manguezal é considerado um dos ecossistemas mais ameaçados do país. Expansão imobiliária, instalação de grandes empreendimentos – como rede hoteleira e portos –, agricultura, criação de animais domésticos e tráfico de madeira são alguns dos problemas que afetam diretamente esses ambientes. Cada dado obtido durante a pesquisa também ajuda na preservação dos mangues brasileiros, habitat de milhares outras espécies de fauna e flora.

Apesar do desafio constante em levantar informações acerca da biologia e ecologia do tamanduaí, os pesquisadores do IPCTB seguem trabalhando. O objetivo é reunir a maior quantidade de informação sobre a misteriosa espécie e assim obter mais ferramentas para distanciar o tamanduaí do risco de extinção.

*contribuiu Júlio Viana sob supervisão de Miguel Vilela

Depois de capturar e sedar o animal, pesquisadores analisam a saúde do indivíduo, coletam material biológico e fazem uma biometria completa. As informações servirão para definir melhores estratégias de conservação da espécie.
Foto de Gustavo Fonseca, Rastro
Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Expedição resgata subfósseis de tamanduás em caverna de Bonito
Animais
Bióloga luta há uma década para salvar arara símbolo do sertão nordestino
Animais
Arara-azul-de-lear
Animais
Anta
Meio Ambiente
Uma naturalista do século 21 em busca do menor tamanduá do mundo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados