Animais se acasalam de várias formas – conheça as mais raras e surpreendentes

De ferozes rainhas roedoras a leais pais dragões do mar, os animais assumem uma maravilhosa diversidade de papéis sexuais na promoção de suas espécies.

Por Jude Coleman
Publicado 30 de jun. de 2022 14:53 BRT
Leafy_seadragon_eggs

Um dragão-marinho folhado macho carregando ovos sob a cauda perto de Wool Bay Jetty, sul da Austrália. O macho recebe esses ovos não fertilizados de uma fêmea e, se quiser, os fertiliza e os carrega até que estejam prontos para o nascimento.

Foto de Alex Mustard Minden Pictures (272052)

Os relacionamentos podem ser complicados, especialmente na natureza. Existem várias maneiras de as criaturas se acasalarem, sejam elas bactérias microscópicas ou mamíferos da selva. Mas, como é verdade para os humanos, não existe uma regra única no reino animal – e não há escassez de variedade nos hábitos reprodutivos e parentais. 

No ato de promover suas respectivas espécies, os animais machos e fêmeas assumem papéis sexuais distintos. E isso não se refere apenas à parte na cópula, mas às tarefas específicas que eles cumprem no acasalamento e na paternidade. Um tema comum no mundo do namoro da natureza é uma fêmea escolhendo um companheiro entre pretendentes masculinos concorrentes, depois criando seus filhotes, predominantemente sozinha.

As baleias jubarte machos, por exemplo, competem pelas fêmeas e deixam os cuidados com os filhotes para a mãe. Outros animais, como elefantes-marinhos, formarão um harém: um grupo de fêmeas liderado por um macho que detém o monopólio do acasalamento e interage pouco com sua prole. Ambos os cenários caem sob o guarda-chuva da poliginia, onde um macho acasala com várias fêmeas.

Alternativamente, em animais monogâmicos, como o albatroz, um par reprodutor acasala-se por toda a vida. Estes são considerados papéis sexuais convencionais.

Um pai de ema macho que fica perto para proteger seu novo filhote de predadores em Nova Gales do Sul, Austrália. Os machos dessas espécies são responsáveis ​​pelo cuidado de suas crias.

Foto de Jami Tarris Getty Images (271953)

No entanto, relações de reprodução como matriarcados ou haréns liderados por mulheres que estão fora da poliginia tradicional ou da monogamia são considerados inversões de papéis.

As inversões de papéis no mar, no céu e no subsolo destacam a diversidade de namoro no reino animal, e a maravilhosa variedade de vida na Terra.

Rainhas de mamíferos 

Em colônias subterrâneas de ratos-toupeira-peladas, uma poderosa rainha reina sobre centenas de súditos cegos e sem pelos. Como nas colônias de abelhas ou formigas, as rainhas-rato-toupeira-peladas são as únicas fêmeas que acasalam e dão à luz. Ela é acompanhada por um – ou ocasionalmente alguns – machos reprodutores, a quem ela concedeu o direito de gerar a próxima geração. O resto da colônia tem a tarefa de cuidar do bebê, além de expandir as tocas com seus dentes robustos e alimentar a rainha. Os biólogos chamam isso de “criação cooperativa extrema”.

“Os ratos-toupeira-pelados são o exemplo mais extremo disso entre os mamíferos”, diz Melissa Holmes, neurocientista comportamental da Universidade de Toronto. “É extremamente raro.”

A rainha governa de forma suprema, suprimindo os comportamentos reprodutivos na colônia. Os pesquisadores suspeitam que ela faça isso com comportamento dominante, pressionando e dominando os membros da colônia. Quando a rainha morre, outra fêmea pode pacificamente tomar seu lugar, começando a acasalar e gerando descendentes. Mas, às vezes, antes de sua morte, as fêmeas subordinadas encenam um golpe, atacando a rainha e lutando até a morte por uma chance no trono. Por causa de sua vida útil extraordinariamente longa — mais de 30 anos — as rainhas podem governar por décadas se não forem derrubadas.

Acima do solo, nas planícies aluviais e savanas da África, as fêmeas de antílopes topi também assumem o controle das situações de reprodução. Em vez de machos brigando entre si por parceiras, são as topis fêmeas que atacam agressivamente suas competidoras — algumas até emboscando casais no meio da cópula. A competição é garantida: os topis femininos são férteis apenas um dia por ano. Ao acasalar com cerca de quatro outros machos em um dia, elas aumentam suas chances de concepção. Enquanto isso, os topis machos jogam seus próprios jogos de amor, rejeitando as fêmeas com as quais já acasalaram e permitindo mais avanços de novos parceiros em potencial.

No fundo do mar 

Semelhante aos ratos-toupeira-pelados, os grupos de peixes-palhaço também são liderados por uma fêmea que está “muito no comando”, diz a aquarista sênior Savannah Dodds, do Aquário da Costa do Oregon, nos EUA. Nadando ao lado dela está um companheiro macho, o único peixe com permissão para fertilizar seus ovos. Juntos, eles cuidam de seus ovos em desenvolvimento até o nascimento. Mas se a fêmea morre, ocorre uma reversão de um tipo diferente: seu companheiro se transforma em fêmea e toma seu lugar.

Um peixe-palhaço ocidental posa com uma fêmea grande e dominante atrás em Bitung, Sulawesi do Norte, Indonésia.

Foto de Alex Mustard Minden Pictures (272052)

Todos os peixes-palhaço são hermafroditas, o que significa que estão equipados com os dois conjuntos de equipamentos reprodutivos – mas todos nascem machos. A agora fêmea peixe-palhaço começa a botar ovos e o maior macho do cardume assume o papel de pai dos peixes. 

Os dragões-marinhos escondidos nas algas da costa da Austrália levam as inversões de papéis a um passo adiante: os machos são os que carregam e dão à luz os bebês. Como seus parentes cavalos-marinhos, os machos dragões-marinhos recebem ovos não fertilizados das fêmeas, que deixam seus filhotes em um bolso especial sob as caudas dos machos. Se um macho não se impressiona com uma fêmea – que tenta seduzi-lo com uma dança intrincada – ele rejeita os ovos.

Mas se for bem cortejado, ele guarda os ovos e os fertiliza. Os ovos se desenvolvem dentro da dobra de seu pai pelas próximas seis semanas antes de emergirem. Uma vez nascidos, os bebês devem enfrentar os perigos do oceano e as mudanças das correntes por conta própria. Apenas cerca de 5% desses bebês dragões-marinhos únicos sobrevivem, diz Dodds, e a União Internacional para a Conservação da Natureza considera algumas espécies quase ameaçadas.

Pais emplumados

Na Austrália continental, os emus machos também assumem o dever de pai. Quando a época de reprodução começa, as aves machos conquistam as fêmeas com uma exibição lenta, balançando o pescoço. Mas após o acasalamento, em vez de incubar os ovos que ela põe, a mãe emu os deixa com seu companheiro e sai para repetir o processo com outra pessoa – um padrão de acasalamento chamado poliandria. O pai da ema fica com uma ninhada de ovos enormes e deve permanecer sentado em seu ninho pelos próximos dois meses. Nesse período, ele deixará de comer e perderá até um terço de seu peso corporal. Após a eclosão dos ovos, o papai dedicado cria seus filhotes por cerca de um ano, ensinando-os a sobreviver no sertão acidentado.

Enquanto isso, nas árvores tropicais da Nova Guiné, Austrália e ilhas vizinhas, papagaios coloridos estão desafiando a noção de que as fêmeas devem ser as monótonas em um par. Em uma exibição impressionante de dicromatismo sexual reverso, onde as fêmeas são mais vibrantes do que os machos, os papagaios-eclectus fêmeas se destacam como pedras preciosas contra suas cavidades de nidificação, com plumagem vermelha e azul brilhante. Suas contrapartes masculinas ostentam principalmente penas verdes, nas quais confiam para se misturar ao dossel das árvores.

Em uma impressionante exibição de dicromatismo sexual reverso, os papagaios-eclectus fêmeas são mais vibrantes que os machos, destacando-se como pedras preciosas contra suas cavidades de nidificação com plumagem vermelha e azul brilhante. Os machos, por sua vez, são verdes.

Foto de Tim Lamán Nat Geo Image Collection (269113)

Embora o apelo sexual desempenhe um papel na ousada troca de paleta, a coloração das fêmeas provavelmente surgiu para anunciar sua reivindicação de território, diz Rob Heinsohn, biólogo evolucionário da Universidade Nacional Australiana.

“É um sinal muito alto de propriedade. 'Não venha aqui, eu vou lutar com você'”, conta.

As cavidades que os papagaios-eclectus habitam estão em alta demanda, e os pássaros os defendem a todo custo de outras mães saqueadoras. Sua coloração deslumbrante anuncia que uma árvore está ocupada, mas algumas fêmeas ainda se matam por causa de um local de ninho valioso. Porque eles guardam suas moradas o tempo todo, as fêmeas confiam em seus companheiros para lhes trazer comida. E quanto mais companheiros elas têm, mais comida elas recebem.

Apesar de colocarem apenas dois ovos por ninhada, as fêmeas acasalam com muitos machos, levando todos a acreditar que podem ser o pai. Os machos, perseguindo a chance de promover sua linhagem, também acasalam com várias fêmeas. 

Os machos ajudarão a cuidar de todos os filhotes trazendo frutas de árvore em árvore, que as fêmeas comem e regurgitam para seus filhotes. Este é um tipo de criação chamada poliandria cooperativa, um comportamento que combina os métodos parentais dos ratos-toupeira-pelados e o hábito de ter multi-parceiros das emas. 

Um punhado de outros pássaros exibem esquemas de cores reversos, mas “nada é tão ousado ou óbvio quanto o papagaio-eclectus”, acredita Heinsohn. Brilhando à luz do sol no dossel de uma árvore, “provavelmente não há nada mais bonito no mundo inteiro”, acrescenta.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Salamandras 'paraquedistas' sobrevivem a saltos das árvores mais altas do mundo
Animais
Como os predadores superam as defesas mais complicadas
Animais
Vídeo raro: tubarões-baleia se unem para caçar com outros predadores
Animais
Orcas são flagradas matando baleias azuis pela primeira vez
Animais
As 12 descobertas mais intrigantes do reino animal em 2021

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados