Teremos vacinas mais poderosas? Imunizantes que ativam células T prometem

Testes iniciais sugerem que as vacinas que acionam essas células imunológicas funcionam melhor e mais rapidamente, podendo proteger pessoas imunocomprometidas.

Por Priyanka Runwal
Publicado 29 de abr. de 2022 12:45 BRT
Micrografia eletrônica de varredura aprimorada em cores de uma célula T humana do sistema imunológico de ...

Micrografia eletrônica de varredura aprimorada em cores de uma célula T humana do sistema imunológico de um doador saudável. As células T pertencem a um grupo de glóbulos brancos que desempenham um papel central na defesa do corpo contra vírus, incluindo o Sars-CoV-2, causador da covid-19.

Foto de Science Source

As vacinas contra a covid-19 fazem um ótimo trabalho na prevenção da forma grave da doença na maioria das pessoas, mas não funcionam tão bem para quem tem o sistema imunológico comprometido.

Em pessoas saudáveis, as vacinas atuais desencadeiam a produção de anticorpos que se ligam ao vírus Sars-CoV-2, causador da Covid-19, impedindo que ele infecte células saudáveis. Mas, para pessoas com menos anticorpos – incluindo pacientes com câncer no sangue ou que tomam medicamentos para controlar o sistema imunológico – a resposta do corpo é menos eficaz.

Jonas Heitmann, hematologista e oncologista do Hospital Universitário de Tübingen, na Alemanha, reconheceu que muitos de seus pacientes com câncer apresentavam alto risco para a covid-19 e sabiam que precisavam de um tipo diferente de vacina. Heitmann e outros pesquisadores mostraram que as células imunes chamadas células T, que aumentam a resposta imune do corpo e matam as células infectadas com Sars-CoV-2, foram capazes de aumentar quando o suprimento de anticorpos era limitado.

Agora, ele e seus colegas desenvolveram uma vacina que ativa especificamente as células T, que está sendo testada em ensaios clínicos na Alemanha.

Sua esperança, diz Heitmann, é “proteger aqueles que não podem se beneficiar das vacinas atualmente aprovadas”.

Eles não são os únicos trabalhando em vacinas de células T. Os cientistas há muito suspeitam que as vacinas direcionadas às células T podem eliminar infecções virais mais rapidamente do que as vacinas aprovadas hoje e fornecer proteção de longo prazo contra doenças graves, uma vez que os anticorpos diminuem alguns meses após a vacinação.

Outra vantagem das vacinas de células T é que, por reconhecerem características do Sars-CoV-2 que são comuns a muitas variantes e vírus irmãos intimamente relacionados, elas podem fornecer ampla proteção contra futuras infecções por coronavírus, diz Ramon Arens, imunologista da Universidade Leiden, na Holanda.

Como as vacinas de células T são diferentes?

O lote atual de vacinas é projetado para ensinar os glóbulos brancos, chamados células B, a produzir anticorpos que reconhecem e se ligam a proteínas encontradas na superfície do vírus, como a proteína spike, a parte do vírus que o ajuda a se ligar às células. Quando os anticorpos se conectam a um vírus, ele não pode infectar a célula. O problema é que a proteína spike sofre mutações com frequência, mudando de aparência e fugindo de quaisquer anticorpos que não a reconheçam mais.

Ao contrário dos anticorpos, as células T enxergam muitas outras partes do vírus: partes que mudam, incluindo a proteína spike, e as que não mudam. Os cientistas estão projetando vacinas de células T contra a covid-19 que as ajudam a reconhecer muitas das proteínas escondidas dentro do Sars-CoV-2, bem como as visíveis na superfície.

Como os cientistas nem sempre sabem quais proteínas virais serão bem-sucedidas na ativação das células T do corpo, eles usaram um algoritmo para vasculhar o projeto genético do Sars-CoV-2 em busca de proteínas adequadas e, em seguida, testaram candidatos em laboratório para encontrar a combinação mais eficaz.

A vacina de Heitmann e sua equipe, chamada CoVac-1, contém um coquetel de seis fragmentos de proteínas virais sintéticas. A mistura inclui um fragmento derivado da proteína spike, assim como outros da cápsula viral, membrana que controla a entrada nas células hospedeiras, e do invólucro proteico que protege o material genético do vírus.

Uma empresa francesa de biotecnologia chamada Osivax está testando uma vacina de células T para influenza e desenvolvendo uma contra o Sars-CoV-2 e outros coronavírus intimamente relacionados. Outras vacinas, como a desenvolvida pela empresa de biotecnologia Vaxxinity, com sede no Texas, Estados Unidos, ativam as células B e T usando uma mistura de fragmentos de proteínas spike sintéticas, invólucro e membrana do Sars-CoV-2.

As vacinas de células T são melhores para todos?

Muitas dessas vacinas de células T estão nos estágios iniciais de testes, portanto, é muito cedo para dizer se elas são melhores para proteger todos contra a covid-19 em comparação com as usadas ​​hoje, que também provocam uma resposta de células T. No entanto, cientistas como Heitmann acham muito provável que elas tenham um desempenho melhor para pessoas gravemente imunocomprometidas do que as opções existentes.

Em um estudo combinado de fase um e dois, a equipe de Heitmann testou o CoVAC-1 em pacientes que não conseguem produzir anticorpos devido a uma doença subjacente. Dados preliminares de 14 participantes – muitos dos quais receberam doses de vacina de mRNA que não se mostraram eficazes – indicaram que 13 tiveram uma resposta mensurável de células T.

Se isso é suficiente para proteger contra a Covid-19, ou pelo menos formas graves da doença, ainda não se sabe. Mas há evidências preliminares do laboratório de Aren na Universidade de Leiden, na Alemanha, ainda a serem revisadas por pares, que mostram que camundongos vacinados com três doses de uma vacina de células T específica para roedores foram protegidos contra uma infecção letal por Sars-CoV-2.

Shane Crotty, imunologista do Instituto La Jolla de Imunologia, na Califórnia, Estados Unidos, argumenta que há uma desvantagem nas vacinas de células T. Muitas das células T ativadas por uma injeção intramuscular no braço tendem a circular na corrente sanguínea em vez de se concentrar no nariz ou na garganta, onde ocorre o primeiro encontro do corpo com o vírus Sars-CoV-2. Leva-se alguns dias até que as células T ativadas pela vacina cheguem a esses locais e controlem o vírus, diz ele.

Crotty sugere que as vacinas de células T poderiam ter um impacto maior se gerassem células T locais que encontrassem o vírus na porta de entrada. Isso significaria administrar a vacina pelo nariz, o que é complicado. 

[Leia mais sobre os esforços para tornar as vacinas covid-19 entregues pelo nariz]

Por enquanto, os cientistas também não sabem qual o nível de células T necessário para proteger contra a covid-19. Mas Crotty suspeita que uma vacina de células T pode ajudar pessoas que abrigam níveis quase indetectáveis ​​de Sars-CoV-2 por semanas a anos, o que alguns pesquisadores acreditam ser uma das causas da série de sintomas persistentes conhecidos coletivamente como covid longa.

Afinal, o trabalho de certas células T é matar as células infectadas. “Então, se você tivesse uma vacina que fizesse isso melhor”, especula Crotty, “pode ​​ter um benefício adicional na redução de alguns aspectos da covid longa."

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Vacina universal contra o coronavírus está chegando?
Ciência
A Ômicron é realmente menos severa? O que diz a ciência
Ciência
9 grandes dúvidas sobre a Ômicron explicadas
Ciência
Variantes da covid-19 surgirão até que o mundo seja vacinado
Ciência
5 coisas para saber sobre testes de covid-19 em tempos de Ômicron

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados