Halloween: fantasias, história e mitos

Passamos pela história da noite de Halloween e as razões de sua popularidade atual.

Um coven de "bruxas" fantasiadas em um retrato de Halloween em 1910.

Foto de TRANSCENDENTAL GRAPHICS GETTY IMAGES
Por Redacción National Geographic
Publicado 31 de out. de 2022 11:41 BRT

Até hoje, a mistura de festas, sustos, brincadeiras e doces está longe das origens antigas do Halloween. Durante séculos, esta noite misteriosa sofreu muitas mudanças derivadas da mistura de tradições e culturas dos países ocidentais, que fazem da Noite das Bruxas uma celebração muito especial e repleta de tradições que se transformaram em resultado de sua história. Fazemos uma viagem ao longo dos anos para encontrar as origens deste feriado assustador.

Origem pagã e trajes celtas

As origens do Halloween se remontam a mais de 3000 anos, de acordo com a Universidade de Oxford, quando os povos celtas da Europa comemoraram seu ano novo, chamado Samhain, no que hoje é o dia 1º de novembro. Na véspera deste festival da colheita gaélica, acreditava-se que os espíritos do Samhain – o que conhecemos como Halloween – andavam pela Terra enquanto viajavam para a vida após a morte, junto com outras criaturas, como fadas e demônios. Este ritual servia para despedir-se de Lugh, o deus do Sol, e dar as boas-vindas às noites curtas e frias que o outono trazia.

De acordo com o American Folklife Center, da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, além de sacrificar animais aos deuses e se reunir em torno de fogueiras, os celtas usavam fantasias – provavelmente peles de animais – para confundir os espíritos, ou talvez para evitar que eles possuíssem

Fotogaleria, Halloween há cem anos:

Acredita-se também que com as máscaras ou rostos enegrecidos que usavam durante esta celebração, as pessoas personificavam os mortos, e muitas culturas permitiam que os jovens se vestissem de mulheres e vice-versa, quebrando assim o estabelecimento social.

Em uma forma primitiva de doces ou travessuras, acredita-se que os celtas disfarçados de espíritos iam de casa em casa fazendo coisas bobas em troca de comida e bebida. Essa prática pode vir do costume de deixar comida e bebida nas portas das casas como oferendas a seres sobrenaturais.

A influência cristã na festa de Halloween

Samhain foi transformado quando as autoridades cristãs se apropriaram das festividades pagãs. Com a conquista do território celta pelo Império Romano, esta festa misturou-se com outras de origem romana, como a Festa da Colheita. No século 7, o Papa Bonifácio 4º decretou o Dia de Todos os Santos em 1º de novembro para homenagear em um único dia todos os mártires que deram a vida por sua fé.

Assim, na noite anterior, véspera do Samhain, continuou a ser comemorado com fogueiras, fantasias e desfiles, mas passou a ser chamado de "Véspera de Todos os Santos", em inglês All Hallow's Eve, o que acabou levando ao "Halloween". As tradições de Halloween diferem em diferentes pontos do mapa, mas geralmente há o famoso “doces ou travessuras”, fantasias assustadoras, esculpir abóboras, acender fogueiras, pregar peças, visitar atrações assombradas, contar histórias assustadoras ou assistir a filmes de terror.

Desde que a Igreja surgiu, importantes celebrações cristãs, como Natal, Páscoa e Pentecostes, têm vigílias que começam na noite anterior. Por isso, em muitas partes do mundo, nas celebrações cristãs da véspera de Todos os Santos, ainda é tradição acender velas nas sepulturas. Na história, alguns cristãos se abstiveram de comer carne neste dia de vigília, e daí o costume de comer maçãs, panquecas e bolos pode ter chegado aos nossos dias.

Halloween chega à América

Em 1840, imigrantes europeus transmitiram suas versões da tradição para a América durante a Grande Fome Irlandesa. Foram eles que espalharam o costume de esculpir  jack-o'-lanterns, gigantescas abóboras ocas com uma vela dentro, inspiradas na lenda de "Jack, o Mesquinho". Mesmo assim, esse feriado estava enraizado nos Estados Unidos e no Canadá, mas não começou a ser celebrado massivamente até 1921, quando o primeiro desfile de Halloween foi realizado em Minnesota. 

Em 1920, a cidade começou a realizar um desfile e acender uma enorme fogueira para comemorar este dia. Alguns historiadores afirmam que a celebração poderia ter sido uma tentativa de acabar com as brincadeiras de Halloween.

Por fim, a internacionalização do Halloween ocorreu no final dos anos 1970 e início dos anos 1980 graças aos filmes e séries de televisão, quando em 1979  foi lançado John Carpenter 's Halloween, filme ambientado na véspera de Todos os Santos que era referência para filmes de terror.

A pressão também veio do fato de que mais de um terço dos americanos dizem acreditar em fantasmas, de acordo com uma pesquisa da AP-Ipsos realizada pouco antes do Halloween de 2007. 23% disseram ter visto um fantasma ou sentido um fantasma. De acordo com a pesquisa, cerca de uma em cada cinco pessoas acredita que feitiços ou feitiçarias são reais.

As lendas urbanas de Halloween

Algumas histórias de terror nunca morrem, embora haja pouca base por trás desse terror. Por exemplo, se diz que cultos satânicos – muito mais comuns na ficção do que na realidade – sacrificam gatos pretos no Halloween.

Mas, de acordo com especialistas, não há muita evidência para esses medos, e os poucos incidentes isolados em que gatos pretos foram abusados ​​foram obra de adolescentes.

Outra farsa de Halloween é o doce envenenado ou que contém agulhas e lâminas. No entanto, o sociólogo Joel Best explicou, em 2010, que esses rumores de doces perigosos podem ser manifestações de medos e preocupações com o futuro, em um mundo de tantas ameaças – terrorismo, guerras, crises econômicas, dentre outros.

Best conduziu um estudo de supostos incidentes de doces envenenados. “Não consegui encontrar nenhum relato substanciado de uma criança sendo morta ou gravemente ferida devido a um deleite adulterado obtido durante o truque ou travessura”, escreveu ele.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

História
Noite de Halloween, Dia de Todos os Santos e Dia dos Mortos: o que eles têm em comum?
Ciência
Explorador da National Geographic Keolu Fox: Diversificando a pesquisa genética
Ciência
A história da árvore mais solitária do mundo
Ciência
Quer pegar no sono? Então leia esta reportagem
Cultura
Por que as pessoas se fantasiam no Dia dos Mortos

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados