Viver até os 150 anos: quais as consequências da superlongevidade?

Projetar um futuro de sociedades com vida mais longa envolve inevitavelmente grandes transformações na maneira como nos relacionamos uns com os outros ou nos conceitos em que nossa sociedade se baseia, como o amor, a família ou a projeção de uma vida útil

Por Cristina Crespo Garay
Publicado 14 de ago. de 2023, 10:09 BRT
Nossa expectativa de vida cada vez maior apresenta mudanças profundas que podem transformar a sociedade como ...

Nossa expectativa de vida cada vez maior apresenta mudanças profundas que podem transformar a sociedade como a conhecemos.

Foto de Cristina Gottardi Unsplash

Prolongar o tempo de vida, desacelerar ou até mesmo interromper o envelhecimento humano são uns dos desafios científicos mais perseguidos da história. Há apenas dois séculos, nossa expectativa de vida mal ultrapassava 40 anos. Porém, as descobertas tecnológicas e médicas fizeram do século 21 um caminho de avanços vertiginosos que dobraram nossa expectativa de vida e nos aproximaram da chamada superlongevidade.

Na Espanha, por exemplo, a expectativa de vida dobrou no último século: passou de 40 anos em 1900 para mais de 83 anos em 2019, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) espanhol. Nos últimos 50 anos, o número de pessoas com mais de 80 anos triplicou, enquanto o número de pessoas com 90 anos aumentou cinco vezes. Essa tendência global indica que, até 2050, o número de centenários aumentará de 533 000 para mais de três milhões, de acordo com as Nações Unidas.

"Estamos muito próximos de viver 150 anos", diz o bioquímico Juan Carlos Izpisúa, no documentário da National Geographic Life Science: Longevity. "Começamos a estudar o envelhecimento em macacos porque achamos que eles têm maior relevância para os seres humanos.  Os avanços científicos estão aumentando e nos aproximam de um futuro que, de acordo com esse especialista, está muito mais próximo do que parece.

No entanto, essa nova realidade apresenta mudanças profundas em muitos níveis que podem transformar a sociedade como a conhecemos. A vida mais longa é necessariamente uma coisa boa? Quais são as consequências sociais, psicológicas e econômicas de uma sociedade superlonga?

A superlongevidade mudará nosso conceito de idade

"É provável que a transição para uma vida útil de até 150 anos ocorra lentamente, de modo que teremos tempo para assimilar a possibilidade de chegar a essa idade e assumir as possíveis consequências psicológicas", explica à National Geographic Juan Manuel García González, sociólogo especializado em superlongevidade e primeiro autor do recente estudo “Pesquisa em pessoas com 100 anos ou mais: protocolo dos estudos centenários em Sevilha e Castela e Leão”.

Viver em sociedades mais longevas pode afetar a maneira como nos relacionamos uns com os outros ou coisas básicas como nosso conceito de amor ou família, como explica o filósofo Juan Antonio Valor Yébenes no documentário Longevity. Nosso conceito de idade não será o mesmo, nem o de ser jovem ou velho, nem as atividades que associamos a esses períodos. Tudo pode variar porque tudo é induzido por nosso conceito atual de senescência.

Até agora, "esse aumento na expectativa de vida e, portanto, na longevidade, ou seja, cada vez mais pessoas atingindo idades mais avançadas, já mudou nossa sociedade e foi acompanhado por uma mudança no modelo familiar devido a uma taxa de natalidade cada vez menor: os lares são menores e as famílias são menos extensas", analisa Yébenes.

A mudança nos núcleos familiares é acompanhada por uma população cada vez mais envelhecida. Isso "também significa que os modelos de relações intergeracionais e o sistema de pensões estão mudando", explica García González. "Não podemos falar de mudança social sem levar em conta essas relações intergeracionais nas quais todo o sistema se baseia”, acrescenta.

Nesse sentido, os especialistas já estão falando sobre o fato de que a atual precariedade dos jovens pode ser um fardo para a evolução do aumento da longevidade e da expectativa de vida.

Envelhecimento com saúde mental e emocional

Além do aumento da expectativa de vida, ao longo dos anos também foi observado um aumento qualitativo na saúde das pessoas muito idosas, que estão envelhecendo em condições cada vez melhores, de acordo com o estudo “Um perfil dos idosos na Espanha”, do Conselho Superior de Pesquisas Científicas (CSIC) da Espanha.

"Se essa longevidade for acompanhada da mesma saúde que existe hoje quando se chega aos 110 ou 120 anos, nossos estudos indicam que os centenários ou supercentenários que têm boa saúde física e não apresentam deterioração cognitiva tendem a ter uma saúde emocional muito boa", explica García González.

A maioria dos estudos científicos realizados até agora sobre superlongevidade e centenários concentrou-se na análise demográfica, médica ou genética. Entretanto, "são poucos os que perguntaram diretamente aos centenários como estão se sentindo", pondera García González.

Para se aprofundar na saúde emocional desses idosos, García González e sua equipe realizaram mais de trinta entrevistas com centenários que estavam em bom estado cognitivo. "Em geral, eles estavam com uma saúde emocional muito boa, felizes por terem chegado a essa idade em boas condições e por estarem acompanhados de suas famílias, apesar de terem perdido muitos entes queridos ao longo do caminho", explica ele.  

Várias entrevistas foram gravadas em vídeo para um documentário científico Viver até os 100 anos de idade, organizado pela Fundação Geral do Conselho Superior de Pesquisas Científicas com o objetivo de apresentar uma visão científica da longevidade e do envelhecimento saudável.

Sociedades do futuro

As projeções que buscam investigar como serão as sociedades que serão moldadas pela nova longevidade têm se concentrado principalmente em como viver com boa saúde e como sustentar uma sociedade com uma porcentagem maior de pessoas com idade avançada. De acordo com o estudo de García González, "a projeção é que as cidades serão mais amigáveis, abertas, acessíveis e solidárias".

A redistribuição do trabalho será uma das grandes transformações de nossas cidades durante o século 21. A jornada de trabalho poderá ser reduzida graças aos avanços da tecnologia e da inteligência artificial, ou a idade de aposentadoria poderá ser aumentada para manter as pensões de um número cada vez maior de idosos.

Embora ainda não saibamos ao certo para onde iremos em termos de emprego, estamos começando a ver mudanças em nível social à medida que nossa expectativa de vida aumenta quando olhamos para as estatísticas. Por exemplo, os casamentos de pessoas com mais de 60 anos na Espanha quintuplicaram em quatro décadas, de acordo com dados do INE.

Apesar de não haver conhecimento consolidado sobre o assunto, a sociedade está avançando cada vez mais rápido em nível tecnológico e científico, o que acelera as descobertas a cada dia. Por exemplo, um estudo recente publicado na revista científica Nature descobriu um novo biomarcador de longevidade, já que as concentrações sanguíneas de uma proteína produzida nos neurônios oferecem pistas sobre as perspectivas de sobrevivência de pessoas com mais de 90 anos. 

Também nessa linha, uma equipe de pesquisa internacional liderada pelo Instituto de Biologia Evolutiva do CSIC identificou mais de 2000 genes ligados à longevidade humana usando uma perspectiva evolutiva em mamíferos.

Enquanto o mundo acadêmico continua sua corrida contra o relógio para estudar essas questões e tentar descobrir como será nossa velhice no futuro, a nova longevidade está avançando aos trancos e barrancos. O objetivo atual é que a ciência do presente sirva como "ponto de partida para o crescente número de estudos de ciências sociais sobre centenários que serão publicados na Espanha a curto e médio prazo, e que incluirão uma ampla gama de pesquisas muito diversas".

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados