Como a bandeira do arco-íris se tornou um símbolo da comunidade LGBTQIA+

A bandeira do Orgulho está em constante evolução, com o mais recente design intersexual inclusivo destacando as diversas identidades da comunidade.

Por Lola Méndez
Publicado 28 de jun. de 2024, 07:00 BRT
A bandeira do Orgulho está em constante evolução, com o mais recente design intersexual inclusivo destacando ...

A bandeira do Orgulho está em constante evolução, com o mais recente design intersexual inclusivo destacando as diversas identidades da comunidade.

Foto de Alex Zea Europa Press via Getty Images

icônica bandeira do Orgulho do arco-íris, frequentemente vista adornando casas, empresas e para-choques de carros em todo o mundo, é muito mais do que uma exibição colorida. Ela é um testemunho vibrante do orgulho LGBTQIA+, um símbolo de espaços seguros e um emblema de apoio inabalável.

"A comunidade LGBTQIA+ existe em toda parte – exemplificada pelo arco-íris", afirma Robert Kesten, diretor executivo do Stonewall Museum, nos Estados Unidos.
(Veja também: Orgulho LGBTQIA+: 10 fotos mostram a vida de pessoas queer ao redor do mundo)

Quando a bandeira do arco-íris foi hasteada pela primeira vez?

Em preparação para a Parada do Dia da Liberdade de Gays e Lésbicas de São Francisco, em 25 de junho de 1978Harvey Milk, a primeira autoridade eleita abertamente gay da Califórnia, encomendou a Gilbert Baker, um veterano, drag queen, ativista e artista abertamente gay, a criação de um símbolo que representasse a comunidade LGBTQIA+.

Gilbert Baker, o artista por trás da Rainbow Flag, confecciona uma das 500 bandeiras do Orgulho apresentadas em uma instalação de 1998 para o Gay Rights Project.

Foto de Photograph Jerry Telfer San Francisco Chronicle via Getty Images

bandeira de oito cores com listras de arco-íris de Baker, que ele achava que expressava a alegria, a beleza e o poder da comunidade LGBTQIA+, foi inspirada na bandeira americana. "No final da década de 1970, o orgulho nacional estava no auge por causa do bicentenário, e a homofobia era comum na sociedade dos Estados Unidos. O uso de símbolos nacionais para o orgulho queer repercutiu em muitas pessoas queer", diz Christopher Ewing, professor assistente de história da Universidade Purdue.

mais populares

    veja mais
    À esquerda: No alto:

    Dezenas de participantes da parada exibem suas bandeiras do Orgulho durante a Nantes for Pride em Nantes, França.

    Foto de Jeremie Lusseau Hans Lucas, Redux
    À direita: Acima:

    Na foto, Harvey Milk fazendo o juramento de posse em frente a juiz Ollie Marie-Victoire e se torna, na época, a primeira autoridade eleita abertamente gay na história da Califórnia, nos Estados Unidos.

    Foto de The New York Times Redux

    configuração original incluía rosa para significar sexo; vermelho, vida; laranja, cura; amarelo, luz do sol; verde, natureza; turquesa, magia; azul, harmonia; e roxo, espírito. Após o assassinato de Harvey Milk em novembro de 1978, a demanda pela bandeira aumentou, o que levou à remoção das listras rosa e turquesa devido a restrições de fabricação. As seis cores do arco-íris restantes se tornaram o símbolo duradouro do orgulho gay.

    Como a bandeira do arco-íris se tornou mais inclusiva

    bandeira do arco-íris de Baker foi atualizada várias vezes para ser mais inclusiva. "A evolução da bandeira do arco-íris reflete como a comunidade queer continua a lidar com questões de raça e gênero. As iterações recentes da bandeira centralizam as pessoas queer Bipoc e de gênero não-conforme que enfrentam discriminação em espaços queer", explica Cookie Woolner, professora associada de história da Universidade de Memphis, nos Estados Unidos.

    Uma multidão exibe uma faixa vibrante do arco-íris durante a Parada do Orgulho na Cidade do México.

    Foto de Alfredo Estrella AFP via Getty Images

    Em 2017, a bandeira do Philly Pride foi apresentada na Prefeitura da Filadélfia, criada pelo Escritório de Assuntos LGBTQIA+ da Filadélfia sob a liderança de Amber Hikes. Essa versão apresenta listras pretas e marrons na parte superior para incluir a comunidade QTBIPOC (Queer, Trans*, Black, Indigenous People of Color), que historicamente foi excluída dos movimentos queer apesar de enfrentar preconceito e violência como minorias duplas.

    A bandeira do Orgulho da Filadélfia, uma versão modificada da tradicional bandeira do arco-íris, apresenta duas listras adicionais - preta e marrom - na parte superior. Seu objetivo é representar e homenagear as pessoas LGBTQIA+ de cor dentro da comunidade

    Foto de Matt Slocum AP

    "O envolvimento da QTBIPOC foi fundamental para rebelião de Stonewall. Esses acréscimos prestam homenagem a eles e os centralizam", diz Rebekkah Mulholland, professora assistente de história da CSU Sacramento.

    Em 2018, o emblema do arco-íris foi atualizado pelo artista não binário Daniel Quasar para incluir as listras brancas, rosa claro e azuis da bandeira do orgulho trans*, simbolizando um compromisso com uma maior inclusão. "A bandeira do Orgulho do Progresso tem a ver com a resistência ao apagamento do QTBIPOC dentro do movimento", afirma Ewing. "Ela reincorpora o rosa, uma das cores originais que foi descartada em um novo contexto."

    (Você também pode se interessar: Das batidas policiais à cultura pop: como foi o início da história da drag queen moderna)

    As listras pretas e marrons formam uma forma de chevron preenchida com as cores azul claro, rosa e branco da bandeira trans*. "É importante centralizar as pessoas trans* porque muitas vezes elas estão na linha de frente do ativismo e enfrentam as maiores repercussões devido à sua transgressão de gênero, muitas vezes visível", explica Woolner.

    Em 2020, surgiu uma nova bandeira do orgulho arco-íris LGBTQIA+: a bandeira Queer People of Color. Embora o designer permaneça desconhecido, a bandeira destaca a igualdade queer e racial ao incorporar o motivo Black Lives Matter de um punho levantado em um gradiente de tons de pele. Ewing diz que o "movimento político que levou à criação da bandeira do arco-íris no final da década de 1970 é inimaginável sem as contribuições dos QTBIPOC" e que centralizar os QTBIPOC "afirma o lugar inamovível das pessoas de cor no movimento LGBTQIA+".

    A bandeira do Orgulho Intersexual-Inclusivo, uma variação da tradicional bandeira do Orgulho do arco-íris, apresenta um triângulo amarelo com um círculo roxo no centro. É a iteração mais recente da bandeira do Orgulho.

    Foto de Elliott Franks eyevine, Redux

    A mais recente inovação da bandeira, a bandeira do Orgulho Inclusivo Intersexual, foi criada em 2021 por Valentino Vecchietti, colunista intersexual e personalidade da mídia. "As bandeiras do orgulho existem não para nos conter ou delimitar, mas para refletir nossa existência diversificada e criar visibilidade inclusiva", afirma. "A inclusão não pode ser presumida; é importante que possamos vê-la." 

    A bandeira se baseia no design do Progress Pride incorporando um círculo roxo dentro de um triângulo amarelo, simbolizando o orgulho intersexual. Com 11 cores, é um aceno sutil ao emblema original do orgulho arco-íris.

    A bandeira de Baker passou por várias revisões – e provavelmente continuará a ser reimaginada. "Quanto mais percebermos a amplitude do espectro da identidade humana, maior será o número de iterações da bandeira", diz Kesten. "Em uma comunidade tão vibrante, criativa e [engajada no ativismo] como esta, a bandeira continuará a evoluir."

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados