Por que o Cerrado é o bioma mais ameaçado do Brasil

Pressionada pelo avanço da fronteira agrícola, savana mais biodiversa do mundo conserva apenas 54,4% de sua vegetação original. 
Por Adele Santelli
Publicado 28 de nov. de 2021 15:55 BRT, Atualizado 13 de dez. de 2021 11:39 BRT

A savana mais rica e úmida do planeta, com mais espécies de angiospermas – as plantas com flores – do que a própria Amazônia, em um território com metade do tamanho, é responsável pela água de quase 70% das bacias hidrográficas do Brasil e abriga 5% da biodiversidade de todo o mundo. Pode não parecer, mas essas são algumas das características do Cerrado.

O bioma mais ameaçado do país, sobretudo pela agricultura de larga escala, não habita o imaginário de boa parte dos brasileiros, apesar de ocupar 23% do território do país, com mais de 200 milhões de Km2, estendendo-se pelos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal. Considerado por muitos um sertão monótono, ‘quase um deserto’, com arbustos pouco chamativos e árvores tortas, ele abriga 12.599 espécies de plantas e ao menos 2.653 de animais vertebrados, muitas delas endêmicas. O Cerrado também é o bioma das flores: são 12.274 espécies – a Amazônia tem 12.103.

Entre os tipos de vegetação, há grandes porções de savanas e campos, mas também trechos de florestas. A biodiversidade do bioma é em parte explicada pela umidade, que é maior do que nas savanas da África, Austrália e Índia. Por outro lado, o Cerrado é flanqueado por duas florestas exuberantes, a Amazônia e a Mata Atlântica, que teriam o beneficiado, fazendo com que, sobretudo sua flora, se enriquecesse significativamente.

“Eu definitivamente considero o Cerrado o bioma mais ameaçado do Brasil. Ele não tem a proteção que outros têm, nem o apelo emocional visual dos biomas florestais brasileiros”, lamenta o engenheiro florestal e agrônomo Bruno Machado Walter, pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia e colaborador do projeto Flora do Brasil 2020, plataforma que identifica as espécies vegetais brasileiras. “A preocupação com o Cerrado basicamente se restringe às pessoas da academia. Ele é visto apenas como um celeiro, que precisa produzir alimento para o Brasil e o mundo, mas sua flora e biodiversidade são absolutamente ricas.”

A vegetação tortuosa, em solo considerado infértil, era de pouco interesse para a agricultura. Isso mudou nos anos 1970, quando a Embrapa revolucionou o uso da terra no bioma. A ‘correção’ do solo com uso de calcário o tornou produtivo e deu início a plantações de soja, milho e algodão, principalmente nas regiões de platô.

O Cerrado então passou a ser cobiçado para cultivos e negligenciado na legislação. Na Constituição de 1988, o parágrafo 4º do artigo 225 já ignorava sua existência como patrimônio natural do Brasil. Em 2012, o Novo Código Florestal estabeleceu que as propriedades precisavam preservar apenas 20% de área como reserva legal – 35% em terras na Amazônia Legal – e praticamente decretou sua morte, não fosse alguma proteção posteriormente determinada por leis estaduais, mas que ainda não conferem ao Cerrado o seu real valor.

“É cômodo para a população, para os políticos brasileiros, deixar o Cerrado e a Caatinga, que são os patinhos feios do país, para plantar soja, para fazer agricultura em larga escala. As leis de proteção desses biomas são muito mais lenientes do que as leis de florestas”, diz Walter.

De acordo com a Coleção 6 do MapBiomas, que analisa de forma detalhada a ocupação e uso da terra no país, entre os anos de 1985 e 2020, a agricultura do Cerrado passou de 4 para 23 milhões de hectares. Já a pecuária foi de 38 para 47 milhões de hectares no mesmo período. Juntas, ocupam atualmente 44,2% do território e são responsáveis por 98,8% do desmatamento do bioma. Ainda segundo o relatório, restam hoje 54,4% de vegetação nativa de Cerrado. Mas o estrago pode ser ainda maior. Há quatro décadas, Walter vai a campo para coletar amostras de plantas para estudos da flora do bioma. Para ele, a qualidade de vegetação que tem visto ao longo dos anos, andando pelo Cerrado, dá indícios de um cenário mais grave.

“Eu não acho que tenha mais de 30% de Cerrado original, de áreas efetivamente boas, sendo que temos poucas unidades de conservação, proporcionalmente a outros biomas, e a maioria delas tem problemas”, diz Walter. “Por mais tecnologia que tenhamos, o satélite tem dificuldade de diferenciar áreas abertas de campo.”

Plantação de soja próxima ao Parque Nacional Chapada dos Veadeiros. O avanço da fronteira agrícola é a principal ameaça do Cerrado – de 1985 e 2020, a área de agricultura no bioma passou de 4 para 23 milhões de hectares.

Foto de Marcelo Camargo, Agência Brasil

Berço das águas

Pensar em Cerrado é pensar em água – o bioma é berço de nascentes que alimentam oito das 12 grandes bacias hidrográficas brasileiras e ainda abriga importantes áreas de recarga hídrica. Também é lá onde ficam as cabeceiras dos rios que formam a maior planície alagada do planeta, o Pantanal.

“Quanto mais diversidade de espécies de plantas, raízes e ocupações diferentes, maior será a quantidade de água armazenada debaixo da terra. Quanto mais rico um trecho, mais água será absorvida pelos lençóis freáticos”, explica Walter. “As chuvas podem continuar as mesmas se preservarmos a Amazônia, mas, sem o Cerrado, não há o armazenamento dessa água.”

O biólogo e professor associado da Universidade de Brasília (UnB) Reuber Brandão fez um monitoramento de longo prazo de populações de anfíbios e lagartos, acompanhando processos de extinção associados a alterações profundas do ambiente em diversos pontos do Cerrado. Na região da represa de Serra da Mesa, por exemplo, houve uma perda de biodiversidade muito acelerada de anfíbios. Cerca de 50% em apenas três anos. “Lagartos são um pouco mais resistentes. Ainda assim, das 14 espécies que existiam em ilhas na época da formação do lago da hidrelétrica, restaram somente três. A mudança na paisagem tem um efeito fortíssimo sobre esses animais”, explica o pesquisador.

Ovos de anfíbios não têm casca e ficam diretamente em contato com a água, absorvendo tudo o que está nela. A pele do girino é sensível a qualquer troca com o ambiente. Quando adulto, ele deixa o meio exclusivamente aquático, mas continua com a pele permeável. Por consumir insetos, tornam-se esponjas de toxinas, sejam elas do ar, da água ou do alimento. Por isso os anfíbios são excelentes indicadores de qualidade ambiental. “Onde esse bicho está, ali tem boa qualidade. Por isso usamos a presença do sapo para chamar a atenção para a conservação da água, das primeiras cabeceiras – conservar córregos, riachos que vão ser utilizados pelos proprietários rurais”, diz Brandão. “Com isso, tentamos convencê-los a criar reservas particulares de proteção das nascentes.”

Em sua dinâmica natural, o Cerrado não entra em dormência na estação seca. “Quando trocamos isso por uma agricultura intensiva, muda-se o funcionamento do sistema, os ciclos geoquímicos do Cerrado”, explica o ecólogo Daniel Luis Mascia Vieira, pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. “Assim, temos mais enchente, menos infiltração do solo; falta água na época seca e podemos ter insegurança hídrica.”

Segundo ele, a pressão da fronteira agrícola também tem impactos profundos na fauna e flora. “Quando o Cerrado é trocado pela agricultura, acabou, não tem mais biodiversidade”, diz. “O ideal é manter corredores ecológicos, áreas de reserva legal para ter conexão, fluxos de animais, de plantas.”

Mas o bioma conhecido por ser um mosaico de tipos de vegetação é hoje um grande quebra-cabeças de fragmentos de mata entrecortados por lavouras. Com pouca conectividade entre os trechos, que são pequenos e isolados, as reservas ficam mais suscetíveis a qualquer impacto – alterações climáticas, caça ilegal e fogo descontrolado.

Além disso, com a morte do bioma, também morrem culturas. “O agronegócio tem o seu valor, mas existem povos e comunidades tradicionais no Cerrado – é um hotspot de cultura”, diz Vieira. “Tem dezenas de comunidades que vivem desse ecossistema, e eles criam gado solto, cultivam nas beiras dos rios, têm sistemas agroflorestais, coletam frutos nativos. Há toda uma relação de uso do Cerrado com pouco impacto, pouca transformação ambiental.”

Para os pesquisadores entrevistados pela reportagem, o bioma pode sim ser usado para produção agropecuária, mas ela tem que andar junto dos esforços de conservação. “Não sou radical, temos que produzir, mas esse equilíbrio entre produção e conservação tem sido muito fragilizado pelas técnicas de agricultura de grande extensão, que passa o correntão e elimina absolutamente tudo que vê pela frente, principalmente em áreas planas”, diz Walter, colaborador do projeto Flora Brasil. “As áreas de conservação do Cerrado começam a se restringir a morros de pedra, onde não dá para fazer agricultura, e faixas de mata de galeria, que não é onde está a riqueza do Cerrado. Ela está nas suas áreas de savana, e justamente essa parte do bioma não tem proteção alguma, é ela que está indo embora.”

Para Reuber Brandão, biólogo da UnB, “a gente tem que entender que o território é coletivo e pertence à sociedade brasileira, portanto não pode ser dado à um único setor nacional”, diz ele. “Se tem que aumentar a produção e a infraestrutura, não tem problema, desde que isso seja acompanhado de ações para a conservação da biodiversidade.”

“Quando o Cerrado é trocado pela agricultura, acabou, não tem mais biodiversidade. O ideal é manter corredores ecológicos, áreas de reserva legal para ter conexão, fluxos de animais, de plantas.”

por Daniel Luis Mascia Vieira
Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia

Recuperação do Cerrado

Está comprovado: o Cerrado está ficando mais seco e mais quente. Um estudo publicado na revista científica Global Change Biology mostrou que a elevada supressão de vegetação nativa, somada a incêndios de grandes proporções, tem provocado elevação das temperaturas, o que prejudica ciclos de fotossíntese, absorção de luz e formação de orvalho, muitas vezes a única fonte de água para insetos polinizadores, cruciais para a manutenção da biodiversidade durante a estação seca. O resultado poderá ser uma reação em cadeia, que levará o Cerrado ao colapso em apenas 30 anos, caso as tendências de aumento médio de temperatura observadas continuem. Recuperar o bioma é preciso, e urgente.

“Tem muita área no Cerrado que pode ser mais bem utilizada se for mais bem manejada, com técnicas de agricultura mais eficientes, menos monoculturas extensas que precisam de muito agrotóxico e adubos químicos”, avalia Walter. “O custo ambiental disso não vem na hora, mas ele chega. É toda uma cadeia de problemas que enriquece apenas um grupo pequeno de pessoas.”

Daniel Luis Mascia Vieira, pesquisador da Embrapa, trabalha com técnicas de restauração de pastagens e ressalta que há uma grande oportunidade de colocar elementos de conservação dentro das áreas de produção. “Uma pastagem pode ser só capim exótico ou pode ser uma pastagem com centenas de árvores nativas, que podem auxiliar na produção, mantendo a água, melhorando a qualidade do solo. Dá para conciliar e ter uma intensificação de produção mais sustentável”, diz ele, reforçando que isso não se aplica às grandes plantações. “A agricultura não. É todo um sistema construído para ser monocultura.”

Para planejar a restauração é preciso mapear as áreas destinadas para recuperação, prioritariamente pastagens degradadas, em áreas de pouca chuva e sem valor para a agricultura, como declives. A recuperação da produtividade salva áreas para a conservação. “Quando falamos de restauração, estamos falando em recuperar a produtividade do solo”, continua Vieira. “Temos, por exemplo, um pasto que não produz quase nada ou tem uma pecuária extensiva, com um boi por hectare; podemos intensificar esse hectare com mais bois, com melhor manejo desse gado e, assim, manter uma parte de Cerrado. Pode-se ainda fazer agricultura intensiva, ou um revezamento do cultivo com pasto, que é superprodutivo.”

A fim de estimular as boas práticas, a Embrapa criou selos de certificação dos produtos provenientes de pastagens mais sustentáveis. O Carne Carbono Neutro identifica a produção que sequestra e não libera carbono e o Carne Carbono Nativo, pastagens que, além de não emitirem CO2, são compostas por árvores nativas. “Vamos avançando, tanto do ponto de vista de pesquisa, quanto de marketing e de atingir o mercado consumidor. Eu acho que as sociedades, brasileira e internacional, cada vez mais, vão querer que façamos uma agricultura conservacionista”, ressalta Vieira. Implementar práticas agrícolas mais amigáveis requer trabalhar em todas as esferas. “Tem que haver incentivos econômicos e fiscais para que produtores rurais possam se adaptar, adotar novas tecnologias, restaurar. Prover assistência técnica e capacitação, encontrar canais de escoamento da produção para onde se agregue valor à biodiversidade, à sustentabilidade. E, claro, precisamos destinar recursos para pesquisas, aprender a fazer melhor continuamente.”

“Um país tão grande deve se unir, compreender que precisa haver espaço para todo mundo, entender o valor intrínseco da vida.”

por Reuber Brandão
Biólogo, Universidade de Brasília

Unidades de conservação

A porcentagem de unidades de conservação (UC) no Cerrado é 8,3%. Tratam-se de porções territoriais com limites definidos instituídas pelo poder público ou iniciativa privada de forma voluntária, com o objetivo de conservar um espaço natural, sua biodiversidade e seus recursos.

Para Brandão, não dá para falar em conservação de biodiversidade sem uma política que reserve áreas específicas, com transformação mínima da ocupação de território, com o objetivo de manter as condições necessárias para que processos ecológicos e evolutivos continuem acontecendo, mesmo que em escala reduzida.

“Não tem uma solução única para um contexto tão complexo quanto o Cerrado. Tem vastas regiões do bioma – no Maranhão, Piauí, Bahia e Tocantins – onde ainda se pode criar UCs de proteção integral – são elas que vão segurar o Cerrado”, explica Brandão. “Nas áreas mais degradadas, devemos pensar em recomposição de mata de galerias, regeneração dos ecossistemas e conectividade dos fragmentos; proprietários rurais que mantém áreas protegidas em suas propriedades também precisam ser bem remunerados por isso.”

Embora sejam reconhecidas internacionalmente como as ferramentas mais eficientes para garantir a conservação da biodiversidade, as unidades de conservação vêm sofrendo constantes ataques no país. Em agosto, foi protocolado na Câmara dos Deputados um projeto de decreto legislativo que reduziria em até 73% a área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, ao revogar decreto de 2017 que ampliou a área de 65 mil para 245 mil hectares. O local é um dos últimos refúgios para diversas espécies e tem formações vegetais singulares.

“Esse lobby forte que existe no agronegócio tenta criar uma narrativa de que a única maneira de desenvolver o Brasil é produzir commodities em grandes proporções, quando, na verdade, existe um potencial gigantesco no Brasil de usar a biodiversidade para se tornar uma potência biotecnológica, produtos que com pouco investimento entram no mercado internacional”, argumenta Brandão. “Quando a gente não valoriza e não conserva a biodiversidade, perdemos oportunidades de criar produtos alimentícios, cosméticos, medicamentos e muitos outros.”

De fato, o investimento em alternativas que conciliem potencial biológico, diversidade de cadeias produtivas, respeito às comunidades, estratégias de recuperação e proteção da natureza e práticas agrícolas sustentáveis parece ser o único caminho para evitarmos o colapso do Cerrado.

“É uma questão civilizatória, de futuro da sociedade e do país. Se nós perdermos o Cerrado, se perdermos a capacidade produtiva agrícola, a biodiversidade do bioma, vamos caminhar para o empobrecimento cada vez maior do país”, defende Brandão. “A gente tem que valorizar os nossos ambientes naturais não só sob o ponto de vista ecológico, mas como nossa essência, nossa história, o nosso reconhecimento como sociedade e nossa identidade como povo. Um país tão grande deve se unir, compreender que precisa haver espaço para todo mundo, entender o valor intrínseco da vida.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Ilhas Cagarras, no Rio: o mais novo ponto de esperança na costa do Brasil
Meio Ambiente
Bacia do Madeira é a mais biodiversa da Amazônia – e uma das mais ameaçadas
Meio Ambiente
Conheça três iniciativas lideradas por mulheres para salvar o Cerrado
Meio Ambiente
Antas contaminadas revelam um Cerrado doente
Animais
Contar mortos e alimentar sobreviventes: o trabalho no Pantanal após o fogo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados