Devemos comprar créditos de carbono para compensar viagens aéreas?

Mais de um terço dos americanos pagariam mais para compensar as emissões de CO2 de seus voos, segundo uma nova pesquisa da National Geographic.

Publicado 31 de jan. de 2022 07:00 BRT
foto de um avião próximo ao solo

Os viajantes estão procurando maneiras de reduzir sua pegada de carbono. Uma nova pesquisa mostra que muitos americanos estariam dispostos a desembolsar dinheiro extra ao voar para ajudar a proteger o meio ambiente.

Foto de Travelpix LTD, Getty Images

Os seres humanos lançam mais de 44 bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera todos os anos. O turismo contribui com até  11% dessas emissões, com os voos representando a maior parte, de acordo com um  estudo de 2018 publicado na Nature Climate Change. Isso levou a um acerto de contas para muitos viajantes, que estão repensando como e por que viajam de avião – e buscando maneiras de reduzir sua pegada de carbono quando voam.

Uma solução? A compra de créditos de carbono – um investimento em um projeto ou ação, como plantar árvores ou construir painéis solares, para eliminar as emissões de gases de efeito estufa. Companhias aéreas como Delta, United e British Airways têm opções de pagar uma pequena sobretaxa (em um caso a taxa era de R$ 70) para compensar as emissões de carbono da passagem. No entanto, essa abordagem baseada no mercado para reduzir as emissões não é isenta de críticas.

Perguntamos aos leitores em uma pesquisa da National Geographic e da Morning Consult em janeiro de 2022 se eles já pagaram ou pagariam uma sobretaxa opcional que algumas companhias aéreas oferecem para compensar as emissões de carbono da viagem. Trinta e oito por cento dos americanos consultados acham que seria uma boa ideia, com a porcentagem subindo para 48% entre os millennials. Mas alguns querem mais informações sobre os benefícios reais disso – e para onde vai o dinheiro. Alguns especialistas dizem ações individuais tira o foco das melhorias mais impactantes que acontecem quando o setor é regulamentado.

A boa notícia é que, em muitas partes do mundo, a questão da compensação está finalmente sendo abordada pelos  maiores poluidores do planeta. Em 2021, as companhias aéreas que voam internacionalmente foram obrigadas a compensar suas emissões de CO2 com base no carbono que produziram sob o acordo Esquema de Redução de Emissões da Aviação Civil Internacional, da ONU. No mesmo ano, mais de 200 companhias e 100 países se comprometeram a se tornar neutros em carbono até 2050, ou antes.

Se você quer comprar créditos para se sentir um pouco menos culpado por voar, aqui está o que você deve saber.

O que são créditos de carbono?

Com as emissões de dióxido de carbono aumentando em 400% desde 1950 e a eletricidade gerada pelo carvão produzindo quase um bilhão de toneladas de emissões de carbono somente em 2020, o impacto de um voo individual em escala global é marginal.

Mas no dia-a-dia de uma pessoa, voar é de longe uma das atividades que mais emitem carbono. Um voo pode produzir tanto carbono quanto dirigir por mais de 3,2 mil km. Para combater o flygskam, ou vergonha de voar, empresas terceirizadas vendem créditos voluntários – diferentes dos créditos de conformidade, que são usados para cumprir limites obrigatórios por lei. Marisa de Belloy, CEO da fornecedora de créditos de carbono Cool Effect, diz que uma compra “é igual a uma tonelada de emissões de carbono que não foram emitidas. O termo crédito significa apenas que você está usando essa tonelada para compensar uma tonelada que colocou na atmosfera.”

Por exemplo, um consumidor pode pagar R$ 45 para um programa em Honduras que substitui fogões de fogo aberto por fogões de tijolo e argamassa feitos sob medida que exigem menos lenha para cozinhar refeições e afunilam a fumaça para o ar livre através de uma chaminé. A Cool Effect estima que um novo fogão pode reduzir três toneladas de emissões de carbono por ano.

De Belloy, da Cool Effect, relaciona um descontentamento crescente com o fracasso do governo e da indústria privada em lidar com as mudanças climáticas que acabaria por motivar indivíduos a tomar medidas pessoais. Muitos viajantes e empresas estão investindo. O mercado de créditos voluntários superou R$ 5 bi em 2021, de acordo com o Ecosystem Marketplace.

Créditos fazem diferença? 

Ainda assim, muitos viajantes se perguntam: comprar créditos de carbono é uma solução de longo prazo? Talvez. 

“Os créditos não devem ser vistos como uma alternativa aos requisitos regulatórios”, diz Peter Miller, especialista em compensações de carbono do Conselho Nacional de Recursos de Defesa, dos EUA. Nos Estados Unidos, não há regulamentação federal sobre os créditos de carbono comprados por indivíduos.

“Consumidores e empresas devem procurar primeiro reduzir suas emissões, antes de procurar créditos que não são possíveis ou não são economicamente viáveis no curto prazo”, diz Kelley Kizzier, especialista em mercados de carbono do Environmental Defense Fund. “Há muitos créditos questionáveis por aí, e às vezes pode ser difícil navegar no mundo obscuro dos créditos.” Um leitor notou que a sobretaxa que pagou foi para uma ONG de conservação que mais tarde o assediou com correspondências indesejadas pedindo dinheiro.

Para fazer uma diferença real nas emissões de carbono, Marisa de Belloy diz que os programas de crédito devem fornecer um benefício adicional que não teria ocorrido sem o dinheiro do grupo de compensação de carbono, um conceito chamado “adicionalidade”.

Por exemplo, pagar alguém para preservar uma floresta contaria como crédito se essa floresta estivesse fadada ao desmatamento. Em vez de ser pago para cortar as árvores, um proprietário de terras seria pago para mantê-las em pé. Se não houvesse uma ameaça à floresta, o pagamento ao proprietário da terra não contaria como uma compensação porque seu dinheiro não forneceria nenhum benefício adicional – a floresta sobreviveria independentemente da doação.

Também não há garantia de quanto tempo um projeto comprado com crédito de carbono durará. Reportagem de 2019 da ProPublica descobriu vários exemplos de programas de crédito de carbono que falharam em proteger as florestas tropicais.

Para proteger uma floresta da destruição, a receita das compensações de carbono precisa ser mais competitiva do que as indústrias lucrativas que levam ao desmatamento, como a pecuária e a produção de soja. Os créditos por reflorestamento também são complicados porque incêndios florestais que surgem em todo o mundo podem liberar todo o carbono sequestrado de volta à atmosfera. Terras manejadas de forma sustentável em um ano podem desaparecer com uma nova vontade política ou gestão no próximo.

Captura de carbono vs. créditos

A compra tradicional de créditos de carbono pode ser útil, mas seu impacto é difícil de quantificar. Ao remover o carbono da atmosfera e armazená-lo na terra, a captura direta de ar (DAC) pode oferecer uma solução mais concreta.

Um tipo específico de captura de carbono, o DAC é o foco de empresas como a suíça Climeworks, a Carbon Engineering, do Canadá, e a Global Thermostat, dos EUA. Suas máquinas modulares usam um ventilador para puxar o ar para um coletor, que capta o carbono com um filtro feito de compostos orgânicos. Uma vez que o filtro está cheio, o coletor é fechado e aquecido a 100°C (212°F), liberando dióxido de carbono puro. O carbono é então misturado com água e canalizado para o subsolo. As formações naturais de basalto na terra reagem com o carbono, transformando-o em pedra ao longo de vários anos.

Em projetos de DAC onde o carbono capturado não é armazenado no solo, ele pode ser reciclado e utilizado como matéria-prima. Na fábrica de Hinwil da Climeworks, por exemplo, o carbono é usado para fertilizar estufas e adicionar gás à Valser, água mineral suíça. A Norsk e-Fuel combina carbono com hidrogênio para criar um combustível de aviação sustentável.

Uma maneira de pensar uma fábrica de captura direta de ar é como uma superfloresta. Embora as florestas reais removam o carbono naturalmente, a maioria dos especialistas reconhece que o processo é muito lento para causar o impacto dramático que nosso planeta precisa.

“A biosfera terrestre e o oceano absorvem coletivamente apenas metade do que despejamos na atmosfera todos os anos”, diz Jennifer Wilcox, especialista em política energética da Universidade da Pensilvânia, que acaba de ser nomeada para um cargo de liderança no Departamento de Energia dos EUA.

Não apenas precisamos acelerar a remoção de carbono, mas também precisamos considerar a saúde dos oceanos (a absorção de dióxido de carbono pelo oceano causa acidificação) e o uso da terra ao analisar os diferentes métodos de remoção.

“Uma fábrica de captura direta de ar pode ser até cem vezes mais eficiente do que uma floresta com a mesma área de terra”, diz Wilcox. “A terra é um recurso limitado… o benefício da captura direta de ar é que você não precisa de terra arável, então é por isso que penso [nas fábricas de captura direta de ar] como uma floresta sintética.”

Na Climeworks, cada coletor captura o equivalente a 2 mil árvores e, como a concentração de carbono é a mesma em todo o mundo, essas instalações são independentes da localização.

Embora essa aplicação não remova permanentemente o carbono do ar, ela está criando uma economia circular e um mercado para remoção de carbono que pode permitir que a tecnologia alcance um nível de impacto real.

Como os viajantes podem ajudar

Incentivar os viajantes a ver o valor da remoção de carbono pode ajudar a criar viagens mais significativas.

“A diferença real é que, quando você compra uma crédito, você está reduzindo de forma verificável as emissões de carbono”, diz de Belloy. “Quando você doa para uma grande organização ambiental sem fins lucrativos, não sabe exatamente qual foi o impacto.”

A procura de créditos de carbono por consumidores e corporações também pode ajudar a reduzir o custo da tecnologia – que ainda é incrivelmente alto. A Microsoft, por exemplo, recentemente prometeu ser negativa em carbono até 2030 por meio do uso de várias tecnologias de captura e armazenamento. Em dezembro de 2020, o Congresso dos EUA reservou R$ 2,5 bi para pesquisar e desenvolver a remoção de carbono em larga escala. A meta do presidente Joe Biden de zerar as emissões líquidas de carbono na economia até 2050 inclui aumentar os investimentos federais e incentivos fiscais para a tecnologia de captura de carbono.

Christina Beckmann, fundadora do Tomorrow’s Air, uma cooperativa de viajantes que fez parceria com a Climeworks, acrescenta: “Há muito potencial para viajantes individuais serem capazes de tomar a ação climática em suas próprias mãos.”

Se voar é a única opção, reservar grandes aviões comerciais que acomodam mais pessoas e, portanto, têm menos emissões de carbono por pessoa, em vez de aviões menores como jatos particulares, é uma ideia muito mencionada para combater as emissões de gases de efeito estufa. Viajar em um avião cheio também ajuda a reduzir as emissões gerais.

Os passageiros das companhias aéreas podem compensar suas emissões doando mensalmente para a captura de carbono, enquanto recebem benefícios de empresas de turismo afiliadas, como  Tierra Del Volcan e Natural Habitat Adventures.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
A captura de carbono poderá tornar os voos mais sustentáveis?
Meio Ambiente
Cinco vitórias que trouxeram esperança para a causa ambiental em 2021
Meio Ambiente
Gostar de ostras frescas pode ajudar o planeta
Viagem
É verão na Antártida. Saiba como explorar com responsabilidade
Meio Ambiente
Fotos retratam os danos das mudanças climáticas – e como evitá-los

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados