O que é moda sustentável?

A moda sustentável aparece como alternativa para a indústria têxtil, que produz cerca de 8% dos gases de efeito estufa. Entenda do que ela trata e como fazer parte desse movimento.

O tratamento, reutilização, reconversão e uso criativo dos materiais faz parte da abordagem circular que a moda sustentável implica.

Foto de DANI MALVA
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 30 de dez. de 2022 10:52 BRT

A indústria da moda é responsável por 20% do total global de desperdício de água e produz em torno de 8% dos gases de efeito estufa, como já adianta a Organização das Nações Unidas (ONU) em seu informe sobre o tema. Para enfrentar esse impacto, a moda sustentável surge como uma tendência ecologicamente correta.

O que é moda sustentável?

Como adianta a reportagem “Como estar na moda e ser um consumidor consciente?”, publicado por National Geographic, existem diferentes definições para o termo. 

Uma delas é a dada por Brenda Chávez, jornalista e pesquisadora especializada em consumo, sustentabilidade e cultura, que define moda sustentável como sendo o oposto do fast fashion. 

Em seu livro – “Seu Consumo Pode Mudar o Mundo: O Poder de Suas Escolhas Responsáveis, Conscientes e Críticas” (Ed. Planeta, 2015) –, a autora define a moda sustentável como um sinal de humanidade e até mesmo como uma forma de pensar sobre o futuro. 

Enquanto isso, na reportagem “Moda sustentável: uma alternativa verde ao 'fast fashion'”, Brenda diz à National Geographic que a moda sustentável se refere ao surgimento de um tipo de oferta na qual diferentes realidades coexistem: entre elas, marcas com critérios sociais, ambientais e econômicos; um mais comércio justo; além de criadores locais e do artesanato tradicional.

Ao mesmo tempo, o conceito também se refere ao surgimento de alternativas que permitam prolongar a vida útil das peças de vestuário e reutilizá-las (através do uso de segunda mão, de empréstimos, aluguéis ou bibliotecas de moda); ou que facilitem a desmercantilização dos armários (através de permuta, troca ou auto-costura).

À esquerda: No alto:

Uma modelo brasileira veste uma peça da coleção "Sopro" de Flávia Aranha.

À direita: Acima:

A moda sustentável se baseia nos 3Rs: reduzir, reutilizar e reciclar. A imagem mostra uma peça da designer Flávia Aranha.

fotografias de CAI RAMALHO

Segundo Brenda Chávez, esta alternativa emergente configurada pela moda sustentável ajuda a repensar o processo de fabricação, distribuição, comercialização; chegando até o uso e consumo da roupa, priorizando lógicas que colocam o cuidado com a biodiversidade, as pessoas e a vida no centro da produção de roupas.

(Veja também: Como viver com menos plástico: dicas de especialistas para diminuir o consumo)

Para a comunicadora espanhola, especialista em moda e publicitária Laura Opazo, a moda sustentável é "uma forma de encontrar o equilíbrio". Jean Verdier, fundador da plataforma mexicana Fashion Green – dedicada ao tema – e outro especialista no assunto consultado por National Geographic, explica que a moda sustentável "leva em conta três pilares fundamentais na construção do design: social, ambiental e econômico". 

Para Verdier, o pilar econômico é fundamental porque diz respeito diretamente ao modelo atual de produção, distribuição e consumo. Neste último elo da cadeia (o consumo), estão incluídas as mudanças que cada cidadão pode fazer em relação a seus hábitos e práticas.

O uso de produtos naturais e técnicas para produzir e reconverter peças de vestuário é um dos pilares da moda sustentável.

Foto de DANI MALVA

Como contribuir para a moda sustentável

Em uma entrevista com a National Geographic, os especialistas oferecem algumas recomendações sobre como dar os primeiros passos para o consumo sustentável da moda.

Entre as recomendações, eles sugerem analisar criticamente o guarda-roupa para analisar quais roupas são usadas, quais não são, quais são semelhantes e quais definem a personalidade da pessoa. "Quando você souber o que tem, poderá dar os próximos passos, tais como reciclar, doar ou mesmo vender o vestuário em lojas de segunda mão", diz Alejandra Gougy, uma estilista argentina de moda sustentável.

Além de observar as roupas disponíveis, os especialistas recomendam reorganizar seu guarda-roupa periodicamente para ter uma visão ampla das peças que possui.

Por outro lado, também é possível colocar os chamados 3Rs em prática: reduzir, reutilizar e reciclar. Neste sentido, tanto a reutilização quanto a reciclagem são a arte de dar uma segunda chance à roupa, dizem os especialistas.

Além do acima mencionado, há outras sugestões como a leitura das etiquetas das peças para conhecer melhor a sua composição e determinar seu impacto ambiental, origem e instruções de cuidado; dar prioridade às marcas locais para evitar os custos ambientais de transporte; e envolver-se com mudanças de comportamento de consumo.

"O mais importante é começar por si mesmo, porque antes dos grandes desafios que as empresas e os governos devem assumir com urgência, há um compromisso individual", reflete Máximo Mazzocco, ativista argentino e fundador da EcoHouse, uma organizacao nao-governamental sem fins lucrativos justamente dedicada à sustentabilidade.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Como estar na moda e ser um consumidor consciente?
Meio Ambiente
Moda sustentável: uma alternativa verde ao 'fast fashion'
Meio Ambiente
Pau-Brasil: qual é sua história e importância
Meio Ambiente
Festas de fim de ano: dicas para aproveitar as celebrações de forma mais sustentável
Meio Ambiente
Península Mitre, na Argentina, é declarada área natural protegida: conheça este intrigante ecossistema sul-americano

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados