Bio, eco e orgânico: qual a diferença entre rótulos ecológicos e o que eles indicam?

Contrariamente ao que associamos, os rótulos bio, eco e orgânico nem sempre defendem os processos mais sustentáveis ​​ou saudáveis.

Por Cristina Crespo Garay
Um agricultor da Califórnia, nos Estados Unidos, dirige seu quadriciclo por seu vinhedo para inspecionar as ...

Um agricultor da Califórnia, nos Estados Unidos, dirige seu quadriciclo por seu vinhedo para inspecionar as vinhas. Aveia e alfarroba crescem entre as videiras para evitar ervas daninhas, que também abrigam insetos benéficos e enriquecem o solo. Esta imagem apareceu na edição de dezembro de 1995 em um artigo sobre o movimento da agricultura sustentável.

Foto de Jim Richardson Nat Geo Image Collection

Os produtos biológicos, orgânicos ou ecológicos estão na moda há anos. Todos os dias eles enchem mais prateleiras de supermercados e cestas de compras. O imaginário social geralmente opta por associar um produto ecológico a alimentos mais sustentáveis, mais saudáveis, mais saborosos, melhor preparados e monitorados com base em padrões de qualidade superior. Os consumidores procuram cada vez mais que a origem dos alimentos seja natural, ecológica e sustentável.

No entanto, frequentemente, a rotulagem desses produtos gera confusão. Quais são as diferenças entre ecológico, orgânico e biológico? Realmente esses rótulos indicam o que associamos a eles? Qual é o perfil do consumidor que procura este rótulo e por quê?

As etiquetas ecológicas são regidas pelo regulamento europeu de produção ecológica. No entanto, este código ainda está longe das ideias que associamos através da publicidade ou dos conceitos que os termos evocam em nós.

“Embora a produção ecológica seja uma ótima ideia, está mal executada”, aponta o nutricionista, dietista e tecnólogo de alimentos Aitor Sánchez, que explica que a regulamentação não responde às necessidades que a população busca cobrir com esses alimentos. "Se você reparar na lei europeia, não há nenhum ponto que garanta as razões pelas quais compramos alimentos agroecológicos."

Segundo o especialista, as regulamentações europeias são baseadas em uma série de princípios que orientam os padrões de produção, mas "infelizmente não levam à realidade, nem fundamentam necessariamente esses princípios, nem as preocupações e motivações das pessoas que consomem este tipo de produtos".

De acordo com um estudo sobre o perfil do consumidor de alimentos agroecológicos, publicado em 2011 pelo antigo Ministério do Meio Ambiente da Espanha, atual Ministério da Transição Ecológica, 87% das pessoas quem compra esse tipo de alimento são comprometidas com o meio ambiente, 74% são pessoas que reciclam, e que assim como utilizam menos o carro, leem a rotulagem e se preocupam com a saúde, entre outros fatores.

Biológico, eco ou orgânico?

Um estudo realizado em 2016 revelou que 64% dos espanhóis acreditam que os termos ecológico, biológico e sustentável tem o mesmo significado. Passando por diferentes artigos, muitas fontes atribuem o termo biológico a produtos que não são geneticamente modificados, enquanto o orgânico é frequentemente associado a alimentos livres de produtos químicos. No entanto, qual é a verdade nesta ideia?

"Na Europa, biológico, ecológico e orgânico são mais ou menos sinônimos", explica Sánchez. O Regulamento 2018/84 define a produção ecológica como “um sistema geral de gestão agrícola e produção alimentar que combina as melhores práticas em matéria de ambiente e clima, um elevado nível de biodiversidade, a conservação dos recursos naturais e a aplicação de normas exigentes sobre bem-estar animal e sobre produção de produtos obtidos a partir de substâncias e processos naturais".

Por sua vez, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês) oferece uma definição muito semelhante à agricultura orgânica. O código europeu agrupa sob o termo ecológico os conceitos biológico e orgânico e suas abreviações, “bio” e “eco”, “que, usados ​​isoladamente ou em combinação, podem ser usados ​​em toda a UE [···] para a etiquetas e publicidade de um produto ecológico”.

(Você pode se interessar por: Como viver com menos plástico: dicas de especialistas para diminuir o consumo)

A razão pela qual existem três designações diferentes talvez venha das diferentes maneiras de denominá-lo ao longo da história e nas diferentes línguas europeias. Por exemplo, a agricultura ecológica é o resultado de uma série de métodos de produção alternativos à produção industrial que surgiram na Europa ao longo do século 20.

 Em lugares como o Reino Unido era chamado de organic agriculture (agricultura orgânica), enquanto na Suíça era chamado de agriculture biologique (agricultura biológica). Na verdade, a ideia subjacente era a mesma, pois essas correntes buscavam renunciar ao uso de produtos químicos para proteger o meio ambiente, enquanto a produção industrial priorizava a rentabilidade e a produtividade.

O código atual nasceu do crescente interesse de produtores e consumidores pela agricultura orgânica na década de 1990 e, quando o Conselho Europeu elaborou essa legislação, definiu os termos mais adequados: em espanhol, ecológico; em inglês, “organic”; em francês, " biologique". No plano comercial, porém, o marketing muitas vezes globaliza conceitos, que são usados ​​indistintamente como afirmações, mas não são garantia dos conceitos que são associados a eles.

Mais sustentáveis ​​ou mais saudáveis?

Contrariamente à crença popular, as regulamentações para a produção ecológica não garantem de forma alguma a sustentabilidade do processo. Sánchez explica com um exemplo simples: "Se você vai comprar este tipo de alimentos porque é mais sustentável, pense que pode estar comprando kiwis rotulados como ecológicos, mas que provêm da Nova Zelândia". Isso porque "a legislação ecológica se refere apenas à forma de produção daquele alimento".

Para que algo seja ecológico na Espanha, a legislação é muito rígida e os alimentos etiquetados como tal devem cumprir os regulamentos. No entanto, "teria que mudar muito para que no futuro, se comprarmos uma fruta ou legume, tenhamos a garantia de que é mais sustentável para o meio ambiente, procedente do comércio justo, etc.", destaca Sánchez, embora declare que “principalmente em produtos de origem animal, aqueles com etiqueta ecológica costumam ser melhor tratados e mais saborosos, mas não é uma garantia da legislação, e sim algo que geralmente acontece”.

Este regulamento também não garante um produto mais saudável. “Não há evidências que associem o consumo de produtos ecológicos a uma saúde melhor, além disso, a própria legislação proíbe expressamente a publicidade destes produtos como mais saudáveis, e não há referência na legislação”, diz Sánchez em seu livro Mi dieta cojea (Minha dieta capenga, em tradução livre).

Segundo o especialista, a crítica à legislação de produção ecológica está longe de querer revogá-la ou não querer reduzir o impacto da nossa alimentação. "Pelo contrário, entendemos que esta legislação não responde corretamente ao que deve, exige e percebe o cidadão."

Na procura do selo ecológico... e de algo mais

Além dos termos eco, bio ou orgânico, cada produto etiquetado como tal deve vir com o selo de produção ecológica da União Europeia, acompanhado do nome da entidade certificadora do país de origem, para garantir que sua produção seguiu as normas.

No caso da Espanha, as certificações são concedidas pelos Comitês de Agricultura Ecológica de cada Comunidade Autônoma, juntamente com a Comissão Reguladora de Agricultura Ecológica (Crae), do Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentação. No entanto, em algumas Comunidades, como Andaluzia e Castilla-La Mancha, também foram autorizados organismos de certificação particulares.

No entanto, como resume Sánchez, um alimento ecológico ultraprocessado pode ser ruim para a saúde se abusarmos dele, assim como pode ser muito impactante para o meio ambiente se for transportado do outro extremo do mundo. Da mesma forma, pode não envolver o uso de produtos químicos mas não ser sustentável ao mesmo tempo, se as florestas foram destruídas ou os aquíferos superexplorados para produzi-los.

Assim, mesmo com todas as etiquetas, a responsabilidade final pela escolha do tipo de produto que queremos incluir na cesta de compras recai sobre o consumidor final, revisando a rotulagem para além dos termos ou slogans.

“Se eu pudesse mudar a legislação ecológica, estabeleceria padrões que atendessem a todas as preocupações do consumidor”, conclui Sánchez. “Basicamente, eu diria às pessoas que, se sua preocupação é a sustentabilidade, compre local e da época, e se você se preocupa com o bem-estar animal, tente reduzir o consumo de animais, além da carne ecológica.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Agricultura sustentável: saiba como a Covid-19 reviveu fazendas da era asteca no México
Meio Ambiente
Mudanças climáticas afetam produção de um querido alimento: o tomate
Meio Ambiente
Falta de fertilizantes pode levar à crise alimentar global. Haveria uma solução?
Meio Ambiente
Economia circular: o que é e por que ela beneficia o meio ambiente?
Meio Ambiente
Consumo de carne traz consequências ‘desastrosas’ para o planeta, indica relatório

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados