Perpetual Planet

8 dicas fáceis que seu guia do Kilimanjaro esqueceu de contar

A falta de experiência em acampar e escalar não devem impedir você de enfrentar esta montanha. Um pouco de preparação vai levar você longe. Quarta-feira, 13 Junho

Por Marie McGrory

Com 5.895 metros, o Monte Kilimanjaro é a montanha mais alta da África e a quarta mais alta das sete cúpulas. Leva entre cinco e oito dias em altitudes extenuantes para chegar ao seu cume e voltar.

Aos 25 anos, eu nunca havia acampado em barracas nem feito trilhas. Então, quando meu namorado mencionou que o Monte Kilimanjaro estava em sua lista, eu concordei prontamente sem entender o que viria pela frente.

Eu subi com a Materuni Tours, empresa administrada pela Ambrose, da Tanzânia, que é incrível e oferece preços bons e serviços melhores ainda. Nós optamos pela rota de sete dias do Machame. Você estará preparado pela a equipe com o essencial, mas aqui estão algumas coisas que eles podem não mencionar:

Conversa de banheiro

Traga seu próprio papel higiênico. Guarde um ou dois rolos em um saco plástico para mantê-los secos e deixe-os em sua mochila – ele não servirá de nada dentro da sua barraca durante uma caminhada de nove horas! A próxima dica me fez rir quando nos foi recomendada, mas provou ser os melhores $160 que gastamos: a tenda-banheiro. Essa pequena tenda fica a poucos metros da sua tenda de dormir em cada acampamento. O banheiro é básico, mas vai salvá-lo de longas filas ou de andar centenas de metros no meio da noite para usar os banheiros buraco-no-chão.

Ajuda na hidratação

Você vai precisar se hidratar. Muito. Depois do primeiro dia, sua água virá de riachos próximos e pode ser purificada com pílulas de iodo. Eu não sou fã do sabor de iodo e agradeci por ter comprimidos Numm. Experimente algumas marcas e sabores antes de ir e veja o que você mais gosta (meu favorito era limonada rosa). Embora eu não possa confirmar se isso me deu energia extra, o sabor com certeza me ajudou a ficar hidratada.

Coisas divertidas

Isso é pessoal para cada um, mas depois de revisar nosso itinerário de uma semana, eu coloquei na mochila um pequeno diário, um baralho, um mini kit de aquarela e minha DSLR com uma lente de 50mm. Acontece que não tivemos muito tempo livre. Nós caminhamos lentamente, normalmente chegávamos ao acampamento às 5 da tarde. Chá e lanchinhos nos aguardavam, logo depois tínhamos o jantar e uma conversa com nossos guias. Nós comíamos e dormíamos às 8 da noite na maioria das vezes, graças à altitude. Eu nunca tirei o baralho ou a aquarela da mochila.

Aquecimento

Nós acabamos usando aquecedores de mãos, mas não da maneira tradicional. Como eu usei principalmente meu telefone para tirar fotos, um aquecedor de mãos salvou minha bateria. Mantenha um aquecedor de mãos no bolso do casaco para manter a bateria quente entre as fotos.

Treine seus pulmões

Não é preciso ser um maratonista para escalar uma montanha. Embora existam alguns poucos que correm maratonas pelas montanhas, não é disso que se trata essa jornada. Nós estávamos cercados por pessoas de todas as idades e níveis de aptidão. Altitude se trata de andar e ouvir seu corpo. Eu treinei fazendo sessões de HIIT algumas vezes por semana nos meses que antecederam a viagem para preparar meus pulmões para o baixo oxigênio sem realmente viver em altitude.

Ouça

Por mais que você se prepare e escute histórias, o mais importante é ouvir. A aclimatação afeta a todos de diferentes maneiras, então ouça seus guias, seu corpo, preste atenção na montanha. Se você está cansado, pare. Se você se sentir tonto, beba água. Se uma mulher de 70 anos passar por você, deixe-a ir. Não é uma corrida para o topo, mas uma jornada para si mesmo, então terá que ser no seu tempo. No segundo dia eu perdi o apetite e me senti enjoada e exausta. Ainda estávamos a quarto dias do cume e eu tive medo do meu corpo não se adaptar. Depois de muito sono e água, na tarde do terceiro dia eu me senti muito bem. De lá foi só montanha acima…

Noite do cume

Respire, hidrate-se e, literalmente, dê um passo de cada vez. No dia da caminhada para o topo nós chegamos ao acampamento no final da tarde, comemos, preparamos nossas camadas de mantas e fomos dormir o mais cedo possível. Às 11h da noite nós acordamos, tomamos chá e acrescentamos mais camadas de mantas (eu dormia com 6 camadas em cima e 5 embaixo de mim). Com lanternas de cabeça para iluminar o caminho, começamos uma longa caminhada escura para um cume que não conseguíamos ver. Pequenos pontos de luz à frente pareciam a quilômetros de distância, mas mantenha a cabeça baixa e dê um passo de cada vez. Olhar muito para cima machucará seu pescoço e fará a jornada de sete horas parecer interminável. Nós estávamos no cume – o pico mais alto da África – enquanto o sol aparecia e mudava a paisagem, iluminando o país abaixo.

Agradeça seus guias

Os regulamentos do parque impedem que qualquer pessoa suba sem um guia certificado. E os regulamentos para equipamentos apropriados para acampar e cozinhar significam que a maioria dos alpinistas não sobe sem um grupo de apoio de tamanho razoável que inclua guias, carregadores e um chef. Uma equipe de apoio incrível com 11 pessoas locais foi a razão pela qual fomos capazes de chegar ao topo e, apesar de tê-los ser mais uma necessidade do que uma dica, certifique-se de que você os recompense (financeiramente) apropriadamente. Eles também agradecem muito em aceitar roupas, garrafas de água, sapatos e outros equipamentos que você quiser deixar para trás.

Agrade-se

Aproveite seu banho, lave o cabelo duas vezes, tire uma soneca bem merecida. Você realizou algo incrível, então recompense seu corpo dolorido com um safári incrível ou um fim de semana de praia em Zanzibar.

Continuar a Ler