Perpetual Planet

Aprenda a praticar heli-ski nessas magníficas montanhas

Este emocionante esporte invernal não é só para os experts. Quarta-feira, 13 Junho

Por Brian Handwerk

Você já quis estar no topo de um campo coberto de neve ou em uma rampa de montanha sabendo que é só para você e seus amigos? É o sonho dos esquiadores, mas também é a realidade do heli-skiing. A liberdade de voar promete uma fuga das multidões e a chance de esquiar em montanhas épicas onde ninguém foi desde a última vez que nevou – ou talvez nunca.

Você pode sentir que está em um filme de esqui, mas não precisa esquiar como um profissional para fazer uma viagem de helicóptero. Intermediários têm muitas opções e poucas razões para temer por suas vidas. Heli-skiing não é tão perigoso quanto parece, e os fornecedores oferecem instruções de segurança. Mas verifique se suas pernas estão em forma, porque uma operação de heli-ski pode chegar a 20 mil pés verticais em um dia.

Há verdadeiros perigos das montanhas a serem levados em consideração. No entanto, muitos deles giram em torno do clima e quantidade de neve. Helicópteros não podem voar quando o clima não coopera, e os guias não esquiam em montanhas onde possa ocorrer deslizamento. Os dias sem voo são uma realidade desagradável. Então, quando for planejar uma viagem para esses paraísos nevados, contrate um seguro-viagem.

Bugaboos da Colúmbia Britânica

O heli-ski começou nos Bugaboos da Colúmbia Britânica. Foi lá que o alpinista e pioneiro do heli-ski, Hans Gmoser, levou o esporte à frente, e a empresa que ele fundou, Canadian Mountain Holidays (CMH), talvez ainda seja o melhor lugar para iniciantes começarem suas aventuras com o heli-ski. CMH possui uma dúzia de luxuosos chalés all inclusive espalhados por três milhões de acres de montanhas, uma área que tem um terço do tamanho da Suíça. Seis desses chalés oferecem cursos de uma semana de Powder Intro para esquiadores intermediários e avançados que não conhecem o terreno. Para experts, há infinitas descidas, montanhas, árvores e outras belezas do terreno de dezembro até abril – e instruções mais avançadas disponíveis para te ajudar e explorar.

As florestas abertas da Colúmbia Britânica oferecem mais do que o melhor esqui que você já viu. Elas também oferecem seguros contra mudanças climáticas, muitas vezes permitindo que os esquiadores vão embora mesmo quando a visibilidade esteja baixa.

Alpes do sul da Nova Zelândia

O heli-ski na Nova Zelândia tende a ser um pouco diferente, não apenas porque ocorre quando os esquiadores do hemisfério norte estão em suas mountain bikes entre junho e setembro. Ao invés dos chalés all inclusive que são populares na América do Norte, a Nova Zelândia normalmente oferece aventuras acessíveis de centros como Queenstown, Methven, Wanaka e Mount Cook.

Os esquiadores podem se hospedar onde quiserem, de cabanas simples a hotéis de luxo, e escolhem aventuras diárias baseadas no clima. Os numerosos fornecedores de heli-skiing da região levam os clientes do hotel até o heliporto para um numero designado de descidas personalizadas de acordo com seu nível de habilidade e, normalmente, oferecem um inesquecível piquenique de almoço no topo de uma montanha.

Os Alpes do Sul não chegam às maiores alturas do mundo, mas eles não ficam para trás quanto à vista. E o sistema de um dia de cada vez torna o processo de aprendizado muito mais acessível. A não ser, é claro, que você queira subir mais vezes, o que não é improvável.

Península Troll na Islândia

As montanhas da Península Troll na Islândia podem ou não ser o lar de criaturas do folclore islandês. O que elas definitivamente têm é um enorme playground de ravinas, descidas e geleiras raramente (ou nunca) exploradas. Esses picos podem chegar a 1,5 quilômetro acima do nível do mar, mas eles têm grandes descidas, já que esquiadores chegam até a orla do Oceano Ártico. Os guias originais da região, Arctic Heli-Skiing, podem te dar instruções sobre a região e te ensinar um pouco sobre a cultura fascinante do local.

As montanhas costeiras são abençoadas com dias de neve em fevereiro e a vida noturna de lá no inverno inclui banhos nas águas termais vulcânicas e observar as luzes do Norte, normalmente mais belas de fevereiro até meados de abril.

De abril a junho, a Islândia tem dias mais longos. Na verdade, perto do fim da estação, você pode se pegar esquiando até a meia-noite e então assistindo ao sol do Ártico se pôr no oceano. Ele não se põe totalmente, mas apenas pausa brevemente antes de nascer novamente para mais um dia de esqui – se suas pernas aguentarem o desafio.

Valdez e Haines, Alasca

Mesmo na sua primeira viagem ao Alasca, você pode reconhecer as grandes e intimidadoras montanhas próximas de Haines. Isso porque você está seguindo os passos dos profissionais – esses picos são os locais onde os melhores do mundo se mostram para as câmeras das lendas da indústria, como Teton Gravity Research ou Matchstick Productions. O terreno de cair o queixo é abençoado com neve permanente nas Montanhas de Santo Elias, que absorvem a unidade do oceano próximo. Haines não é um local para novatos, mas quando estiver pronto para encarar essas descidas, os guias de elite da área podem te ensinar a descê-las – e a fazer isso da forma mais segura possível. Quando for um expert, pode até treinar para se tornar um guia.

Outro local popular para helicópteros no Alasca é próximo de Valdez, onde apesar do número de fornecedores de voo, está sempre vazio. Apenas uma companhia venerável, Dean Cummings’ H20 Guides, serve uma faixa das Montanhas Chugach quase do tamanho de Connecticut. As descidas do Alasca também são enormes, com uma média de 3 mil a 5 mil pés verticais de rampas, geleiras e árvores – tudo isso coberto por 17 metros ou mais de neve por ano. Quando se aprende a esquiar nesse tipo de terreno, a sua montanha local não conseguirá se equiparar.

Porque os invernos do Norte são frios e escuros, as operações de heli-ski normalmente começam entre março e abril. E como é no Alasca, dias ruins acontecem com maior frequência – mas onde mais poderia passar esses dias aprendendo a pilotar um trenó?