Animais

Filhote de preguiça volta a se encontrar com a mãe em vídeo emocionante

Encontrado sozinho em uma praia da Costa Rica, o bebê foi devolvido à mãe graças a uma técnica criativa de salvadores da vida selvagem. Sexta-feira, 1 Junho

Em uma praia da Costa Rica onde a selva encontra a praia, a gravação do choro de um filhote de preguiça ecoou de um alto-falante.

Voluntários do centro sem fins lucrativos Centro de Resgate de Onças-pintadas percorreram por horas a Playa Cocles transmitindo os sons na esperança de atrair a mãe para que ela recuperasse seu filhote.

Turistas encontraram o bebê deitado na praia no dia anterior, coberto de areia e formigas e levaram-no para o centro. Um veterinário o examinou e determinou que a preguiça-comum, de pescoço marrom e peso de uma lata de sopa tinha algumas semanas de vida e estava com boa saúde. Mas o filhote não teria sobrevivido a uma noite sozinho na praia.

Uma busca visual pela mãe não deu resultados. Sabendo que as mamães preguiças reconhecem o choro de seus filhotes, a fundadora do centro e bióloga Encar Garcia gravou as vocalizações do órfão em seu smartphone, transferiu os arquivos para um alto-falante portátil e enviou uma equipe de volta à selva no dia seguinte.

Por volta das 5 horas da tarde, os voluntários notaram uma curiosa preguiça adulta descendo de uma árvore.

“Os voluntários ficaram muito empolgados e disseram: ‘Achamos uma que está descendo e procurando ao redor como uma louca,’” diz Garcia, que envolveu o filhote em uma toalha e correu para a cena com o veterinário Fernando Alegre.

Ele levantou o animal até a preguiça que imediatamente aceitou o bebê. Os dois então compartilharam um abraço carinhoso que levou os voluntários às lágrimas, disse Garcia.

Ameaças às Preguiças

Mamães preguiças-de-três-dedos de pescoço marrom geralmente têm um filhote por vez, de quem cuidam até os seis meses de vida.

Essa fêmea, que não teria se sentido confortável no chão, provavelmente usou seu aguçado olfato para confirmar a identidade do bebê e depois escondeu seu rosto para minimizar o contato com humanos, diz a especialista em bichos-preguiça Monique Pool, diretora do Green Heritage Fund Suriname.

 “Eu aplaudo o que o Centro de Resgate Jaguar fez, porque os filhotes têm uma chance muito maior de sobreviver se estiverem com a mãe,” disse Pool por e-mail. (Por que é um mito que as preguiças que se movem lentamente, são burras .)

O episódio mostra os perigos das preguiças crescerem nos limites da selva, acrescenta Sam Trull, diretor do Instituto Preguiça, um centro de resgate da vida selvagem na costa do Pacífico da Costa Rica.

Muitas preguiças são eletrocutadas por cabos de energia, são mortas por carros e cães, e são deslocadas pela mínima destruição de seu habitat, tão inofensiva quanto aparar árvores. E, mesmo sob as melhores circunstâncias, um bebê desajeitado sempre pode cair de uma árvore.

Apesar das preguiças-de-três-dedos de pescoço marrom não estarem ameaçadas de extinção, “não significa que elas não corram perigo,” diz Trull.

Um Plano Sonoro

Garcia diz que transmitir o choro de filhotes de preguiça é uma técnica testada e comprovada e que já funcionou antes.

“Uma vez eu fiquei com o bebê por oito dias,” ela conta. “Por fim nós conseguimos encontrar a mãe.” 

Em 2017, seu centro de resgate recolheu 150 preguiças órfãs ou feridas; até agora em 2018 foram pelo menos cem. Criar um filhote de preguiça-de-três-dedos é um desafio peculiar, em parte porque as folhas que eles gostam de comer são difíceis de conseguir, ela explica.

Mas os benefícios valem a pena. Mesmo depois de 17 anos nesse trabalho, Garcia ainda se emociona com a cena de carinho que testemunhou na praia naquele dia.

“Para mim,” ela diz, “foi como o primeiro resgate de novo.”

Continuar a Ler