Como os predadores superam as defesas mais complicadas

Muitas espécies inteligentes não se intimidam com espinhos de porco-espinho, presas de cobra venenosa, polvos com braços pegajosos e muito mais.

Por Jason Bittel
Publicado 19 de mai. de 2022 12:00 BRT
Western_banded_gecko

As lagartixas ocidentais têm uma estratégia muito específica para matar escorpiões venenosos.

Foto de Joël Sartore National Geographic Photo Ark

Quando uma lagartixa ocidental quer comer um grilo ou uma minhoca indefesa, ela simplesmente os engole.

“Muito chato”, diz Malachi Whitford , ecologista da Faculdade Comunitária Clovis, na Califórnia.

Mas se a mesma lagartixa for atrás de presas mais perigosas, como um escorpião das dunas, ela usa uma estratégia diferente: contorce seu corpo como se estivesse acumulando tensão, semelhante a uma mola, antes de atacar o aracnídeo, diz Whitford. Então, assim que ele morde, o lagarto começa a se debater como um alguém num roda punk de um concerto de rock.

“Assistindo a olho nu, quase parece que a lagartixa tem algum tipo de problema médico”, diz Whitford, que liderou um estudo descrevendo o novo comportamento no Biological Journal of the Linnean Society. “É muito rápido e violento”, acrescenta.

Para investigar mais de perto, Whitford e seus colegas capturaram várias lagartixas e escorpiões selvagens, e filmaram os ataques dos répteis no laboratório com uma câmera de alta velocidade. A filmagem sugere que a surra pode ser uma tentativa de quebrar os delicados ferrões dos escorpiões ou impedi-los de liberar muito veneno. Ou as lagartixas podem simplesmente estar tentando matar os escorpiões. 

Seja qual for o caso, as lagartixas adotaram um comportamento que lhes permite se alimentar de uma fonte de alimento muito perigosa, diz Whitford. Esse é apenas um exemplo de como os predadores superam até mesmo as defesas mais formidáveis ​​de possíveis presas.

Aves de rapina contra vespas: batalha pelas copas das árvores

Enfrentar um único aracnídeo pungente não é para os fracos de coração. Duelar contra uma colônia de centenas ou milhares de insetos venenosos no ar já é outro patamar.

Caracaras-de-garganta-vermelha, ou cancão, são aves de rapina de porte médio que trabalham juntas em florestas de várzea na América Central e do Sul para atacar vespas de várias espécies. Elas geralmente perseguem a espécie Epiponini, que inclui as chamadas vespas guerreiras.

[Saiba porque esta aranha macho destrói a genitália da fêmea depois do sexo]

Primeiro, os pássaros se revezam para bombardear os ninhos de vespas, que variam do tamanho de uma toranja a maiores que uma melancia. Cada ataque significa o risco de picadas dolorosas, mas, eventualmente, os cancões derrubam o ninho. As aves, então, devoram larvas de vespas ricas em proteínas enquanto as moscas adultas fogem.

“Os caracaras-de-garganta-vermelha estão explorando o que é conhecido como resposta de fuga”, diz Sean McCann, historiador natural independente de Vancouver, Colúmbia Britânica, que estuda o comportamento animal. “Basicamente, é quando as vespas abandonam seu ninho diante de um inimigo imbatível.”

Os esquadrões de ataque dos cancões são tão eficazes em mutilar e devorar ninhos de vespas que se acreditava que os pássaros estavam equipados com um produto químico repelente. Mas a pesquisa de McCann refutou essa teoria; embora os pássaros sofram picadas, sua técnica de bater e correr parece limitar os danos.

Inimigos formidáveis

Quando um parente de doninha conhecido como “pescador” quer comer um porco-espinho-norte-americano, ele dança em círculos ao redor da criatura espinhosa, correndo de vez em quando para morder seus olhos e nariz. Depois de um tempo, o porco-espinho fica desorientado e o pescador pode virá-lo e morder a parte inferior macia e sem espinhos.

Virar criaturas bem fortificadas é uma estratégia comum entre muitos animais. Por exemplo, o peixe-porco-titã dos oceanos Índico e Pacífico realiza uma manobra semelhante para chegar ao ventre carnudo dos ouriços-do-mar. As lontras marinhas também adoram comer ouriços, mas resolvem o problema batendo nos equinodermos com pedras até que suas conchas rachem

Os golfinhos-nariz-de-garrafa também usam uma combinação de cérebro e músculos para atacar polvos maoris de membros pegajosos, adversários astutos que podem matar golfinhos por asfixia. 

[Leia como os golfinhos usam ferramentas, trabalho em equipe e truques para conseguir o jantar]

A chave é imobilizar o polvo antes de tentar comê-lo. Os golfinhos fazem isso batendo os cefalópodes contra a superfície da água e jogando-os no ar. Isso causa um trauma maciço – e até pode arrancar seus membros vitais.

Esôfago blindado da tartaruga-de-couro 

A tartaruga-de-couro não precisa de movimentos extravagantes. Quando elas querem engolir uma medusa venenosa, elas têm a vantagem de um esôfago de 1,8 m de comprimento, diz Kara Dodge, especialista em tartarugas marinhas do New England Aquarium, em Massachusetts, EUA.

Cada centímetro da superfície do esôfago é coberto por protuberâncias longas e pontiagudas, ou papilas, cada uma com uma ponta dura que permite que a tartaruga arraste a presa gelatinosa até o estômago, esmagando a refeição ao longo do caminho. 

[Novo aplicativo busca salvar tartarugas-marinhas ameaçadas de extinção]

“É basicamente uma esteira espinhosa para águas-vivas”, diz Dodge. “E permite que elas (tartarugas) se alimentem continuamente. Nós as filmamos comendo mais de 120 águas-vivas em duas horas."

Não se sabe se as tartarugas têm alguma imunidade ao veneno de água-viva, assim como cobras que comem tritões venenosos, gambás que se alimentam de cascavéis e rato-gafanhotos que atacam escorpiões Centruroides sculpturatus

“As pessoas levantaram a hipótese de que pode haver algum mecanismo para as tartarugas neutralizarem o veneno enquanto comem águas-vivas, mas ninguém descobriu realmente qual seria esse mecanismo”, diz Dodge.

Seja qual for, ele funciona: as tartarugas-de-couro são as únicas com uma dieta composta apenas por essa presa gelatinosa.

A cobra que come outras cobras

Você pode pensar que cobras venenosas como a boca de algodão e as cascavéis que habitam florestas de pinheiros no sudeste dos EUA têm pouco a temer. Mas há outra serpente nestes bosques que as ameaçam.

É a cobra índigo Drymarchon couperi, que pode crescer até cerca de 2,5 m, e tem grandes escamas pretas com um brilho iridescente. Sua dieta inclui uma variedade de animais, de roedores e pássaros a sapos e tartarugas. Mas o que as cobras desse gênero mais gostam é de comer outras cobras. Eles fazem isso sem veneno ou constrição. 

[Leia sobre cobras que comem outras cobras]

“Eles normalmente atacam a cabeça ou o pescoço de outras cobras, mastigando a presa até que seja subjugada o suficiente para engolir”, diz Houston Chandler, diretor de ciências da Orianne Society – nome em homenagem à filha do cofundador Thomas Kaplan – com sede na Geórgia. “Como as cobras índigo são tão grandes, elas podem facilmente dominar cobras menores, arrastando-as e empurrando-as à vontade.”

Pesquisas recentes sugerem que as cobras índigo também podem ter alguma imunidade contra o veneno de outras espécies, caso sejam mordidas na briga.

Tudo isso mostra que defesas como espinhos, ventosas, armaduras e até veneno não podem tornar um animal invencível. Assim como o Superman é vulnerável à kryptonita, a evolução tem uma maneira de nivelar o jogo. 

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Animais
Muitos animais simulam a própria morte — e não apenas para evitar serem devorados
Animais
Golfinhos trabalham em equipe e utilizam ferramentas e truques para conseguir alimento
Animais
Aranhas podem comer cobras? Sim – e em todo o planeta
Animais
Como as orcas passaram de odiadas a amadas, e agora estão ameaçadas de extinção
Animais
Salamandras 'paraquedistas' sobrevivem a saltos das árvores mais altas do mundo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados