A Covid-19 pode arruinar o sono das pessoas?

Os cientistas estão aprendendo mais sobre o que vírus e bactérias causam no sono. Aqui está o que você precisa saber sobre como procurar atendimento para insônia.

Por Emily Sohn
Publicado 18 de nov. de 2022 10:06 BRT
GettyImages-1236741342

Um passageiro dorme a bordo de um "ônibus silencioso" em 14 de novembro de 2021. Esses ônibus com uma "rota para lugar nenhum" são comercializados em Hong Kong como uma possível cura para a insônia.

Foto de BERTHA WANG AFP, Getty Images

Seis semanas após um caso leve de Covid-19 no início da pandemia, Erika Thornes começou a acordar todas as noites entre 2 e 3 da manhã. Ou 4h, 5h.  Isso foi há mais de dois anos, e Thornes, mãe de três adolescentes em San Diego, Califórnia (EUA), ainda luta de vez em quando para dormir à noite.

Algo semelhante aconteceu com seu marido durante uma recente infecção por Covid. De repente, ele acordava às 3 da manhã todas as noites. Seu sono melhorou quando ele parou de testar positivo, mas o sintoma foi extremo enquanto durou. “Ele ficou bastante chocado”, lembra Thornes. “Ele sabia que eu estava acordando, mas acho que não entendeu bem a gravidade de 'acordar'.”

Pesadelos e dias sem dormir. Acordar em pânico no meio da noite. Dormir 18 horas por dia. Como a Covid-19 se espalhou pela população global, também houve relatos de interrupções do sono durante uma infecção e nas semanas e meses seguintes.

As ligações entre Covid e sono ainda estão sob investigação, mas estudos mostram que infecções bacterianas e virais, em geral, interferem no sono por meio de mecanismos físicos e psicológicos. Reconhecer o potencial do vírus para perturbar o sono, dizem os especialistas, pode ajudar as pessoas a obter os cuidados de que precisam.

Como o sono e o sistema imunológico afetam um ao outro

O sono está intimamente ligado ao sistema imunológico, um elo bem conhecido e ainda misterioso. Descansar o suficiente pode ajudar a prevenir infecções, de acordo com evidências e observações que remontam a milhares de anos. Mas as infecções também podem atrapalhar o sono de maneiras complicadas.

Estudos em animais mostram que vírus e bactérias alteram tanto a quantidade de tempo gasto dormindo quanto o tipo de sono, diz John Axelsson, diretor do Laboratório do Sono do Stress Research Institute, da Universidade de Estocolmo, na Suécia. Quando os pesquisadores injetam doses moderadas de bactérias ou vírus em coelhos ou roedores, os animais dormem mais. Eles obtêm mais sono sem movimento rápido dos olhos, um estado de repouso profundo considerado importante para a recuperação; e passam menos tempo em sono REM.

As citocinas, uma categoria de moléculas que podem estimular ou retardar a inflamação, parecem desempenhar um papel importante nesses padrões, explica Axelsson. Quando animais saudáveis ​​são privados de sono, os níveis de algumas citocinas pró-inflamatórias no cérebro aumentam, fazendo com que os animais durmam mais do que o normal. Quando os cientistas bloqueiam essas citocinas, os animais não dormem mais – mesmo quando estão privados de sono.

É mais difícil fazer o mesmo tipo de pesquisa em pessoas, e os resultados são mistos sobre como o sono muda durante as doenças. Mas estudos sugerem que, pelo menos até certo ponto, as moléculas inflamatórias afetam o sono de maneira comparável a outros animais. 

Em estudos da década de 1990 e início dos anos 2000, o pesquisador Thomas Pollmächer e seus colegas injetaram em pessoas pedaços de paredes celulares bacterianas, chamadas endotoxinas, e descobriram que uma leve ativação do sistema imunológico aumentava o impulso para o sono e melhorava o sono não REM.

Mas uma vez que o sistema imunológico se acelerou com o aumento dos níveis de citocinas e sintomas de doenças, as pessoas experimentaram um sono mais interrompido, algo que normalmente não é visto em animais. "O sistema inflamatório aumenta o desejo de dormir", diz Axelsson. "Mas, ao mesmo tempo, atrapalha seu sono se você tiver febre."

Para ver como as infecções respiratórias afetam o sono humano, Axelsson e seus colegas recrutaram 100 adultos saudáveis ​​para manter um diário de sono detalhado depois de experimentar os primeiros sintomas de uma infecção respiratória enquanto usavam um dispositivo de rastreamento do sono em seus pulsos. Dos 100 voluntários, 28 pessoas adoeceram. No geral, essas pessoas passaram mais tempo na cama e dormiram mais após o início dos sintomas, relataram os pesquisadores em 2019.

Mas este não foi um sono reparador. As pessoas infectadas tinham dificuldade em adormecer, acordavam mais e tinham um sono mais agitado, especialmente quando eram mais sintomáticas. À medida que os sintomas diminuíram, o sono melhorou. 

Curiosamente, esse é o mesmo padrão relatado por muitas pessoas com Covid – muito sono inicialmente seguido de insônia ou outras interrupções durante a doença. O impulso fisiológico para dormir mais enquanto fica doente pode ser adaptativo – ajudando o corpo a lutar contra o invasor, diz Axelsson.

Por que os problemas do sono continuam após a infecção por Covid

Para muitas pessoas, os problemas de sono não terminam após serem infectados pela Covid-19. Para avaliar a frequência com que os problemas do sono persistem, os pesquisadores entrevistaram mais de 650 pacientes com Covid longa que visitaram a clínica reCOVer, da Cleveland Clinic, entre fevereiro de 2021 e abril de 2022. 

Até seis meses após uma infecção, 41% relataram distúrbios do sono; outros 7% relataram distúrbios graves. Pacientes negros, 12% dos participantes do estudo, tinham três vezes mais chances de relatar problemas de sono em comparação com outros grupos – ecoando as disparidades observadas durante a pandemia, diz Cinthia Peña Orbea, especialista em sono e principal autora do estudo, publicado em junho. 

Em outros lugares, houve relatos de narcolepsia pós-Covid, sono excessivo e sonhos fisicamente atuantes com movimentos como chutar e falar, em vez de ficar parado com a típica paralisia induzida pelo sono, diz Monika Haack, psiconeuroimunologista da Harvard Medical School em Boston, que foi coautora de uma revisão de 2019 sobre as ligações entre sono e doença.

O estudo de Peña Orbea sugere que a Covid longa se alinha com outras doenças crônicas por causar problemas de sono. Cerca de 60% das pessoas com HIV e mais de 50% das pessoas com hepatite C experimentam sono ruim, assim como as pessoas com ME/CFS, também chamada de síndrome da fadiga crônica. Pessoas com doença inflamatória intestinal, artrite reumatóide e outras doenças relacionadas à inflamação – todos distúrbios imunológicos – geralmente sofrem de falta de sono.

Haack está investigando os detalhes de como a interrupção do sono interage com o sistema imunológico. Em um estudo a ser publicado em breve, ela e seus colegas descobriram que perturbar o sono em 24 pessoas saudáveis ​​levou à produção de mais moléculas que prolongaram a inflamação e, principalmente, à supressão de moléculas que normalmente interrompem essa inflamação. Mesmo após três noites inteiras de sono de recuperação, a inflamação persiste, enfatizando a necessidade de preservar um bom sono em primeiro lugar.

Juntas, as evidências ilustram que a insônia pode causar ou exacerbar muitos sintomas associados à Covid grave e à longa, incluindo depressão, fadiga e confusão mental. Esses sintomas, por sua vez, podem dificultar o sono. “É sempre bidirecional”, destaca Haack. Insônia, apneia do sono e outras perturbações, diz ela, “todos podem diminuir a qualidade, profundidade, continuidade ou regularidade do sono e amortecer as funções de suporte imunológico que acompanham o sono normal”.

Haverá medicamentos para distúrbios do sono relacionados à Covid? 

Em última análise, os cientistas podem ser capazes de desenvolver medicamentos que afetam os níveis de citocinas para melhorar o sono, diz James Krueger, especialista em bioquímica do sono na Washington State University em Spokane, EUA. Mas é uma tarefa desafiadora, porque as relações entre citocinas e sono são extraordinariamente complexas.

 Algumas citocinas pró-inflamatórias aumentam o sono em baixas concentrações, mas em concentrações mais altas, levam à vigília e ao sono fragmentado. Existem também citocinas anti-inflamatórias que inibem, principalmente, o sono em baixas concentrações.

Centenas de proteínas interagem para regular o sistema imunológico e outros processos, diz Krueger. Covid e outras infecções ajustam essas interações. A segmentação dessas moléculas continua sendo um trabalho em andamento. "Para comportamentos complexos e processos cerebrais, como o sono, alguns novos medicamentos foram desenvolvidos nos últimos anos", cita. "O tempo dirá se eles são melhores do que os medicamentos anteriores".

Como melhorar o sono após a Covid

Ajudar as pessoas a descansar melhor durante e após as infecções por Covid começa com o reconhecimento da importância do sono, diz Haack. Isso pode incluir evitar medicamentos que perturbem o sono, como opioides, e reduzir a luz, o ruído e os despertares repetidos para pessoas hospitalizadas.

Estabelecer rotinas regulares de sono com horários consistentes para dormir e acordar costuma fazer parte do tratamento da insônia, cita Axelsson. Também pode ajudar as pessoas a restringir o tempo na cama para aumentar a eficiência do sono e evitar o tempo excessivo gasto acordado.

Haack recomenda aplicativos de atenção plena para reduzir o estresse e a ansiedade. Para seus pacientes com Covid longa, Peña Orbea viu a terapia cognitivo-comportamental levar a melhorias. “Na insônia, o cérebro fica em um estado de hiperexcitação”, diz ela. “Tentamos redefinir esse estado mental de excitação.”

Atividade física e ar fresco podem ajudar um subconjunto de pessoas que podem ter parado de sair por causa de sua doença, diz Axelsson. Mas para muitos com Covid longa, o exercício pode causar sérios contratempos, ressaltando na necessidade de atendimento médico individualizado se os problemas de sono persistirem após a Covid.

“A interrupção do sono pode ser bastante normal durante a infecção aguda por Covid, devido a sintomas que perturbam o sono, como dor, tosse e nariz entupido”, diz Haack. “Se os distúrbios do sono continuarem além da fase sintomática aguda ou começarem a se desenvolver como um novo sintoma, é hora de procurar ajuda.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Covid-19: Quem deve tomar novo reforço contra a variante Ômicron?
Ciência
Covid-19: Qual o papel do mercado úmido de Wuhan, na China, no início da pandemia?
Ciência
Covid longa: como as crianças são afetadas e quais os riscos?
Ciência
A Covid-19 pode desencadear depressão?
Ciência
O que virá depois da Ômicron? Novas variantes estão surgindo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados