História

Fóssil incrivelmente completo de pássaro está entre os maiores da América do Norte

Descoberto em Utah, a ave da era dos dinossauros tinha cerca de 60 centímetros de altura e possuía capacidade de voo relativamente avançada.Tuesday, November 27, 2018

Por John Pickrell
Um par de pássaros abutres Mirarce eatoni senta-se empoleirado no dinossauro Utahceratops gettyi ceratopsiano em uma ilustração.

Do tamanho de um abutre, um fóssil encontrado no Monumento Nacional Grand Staircase-Escalante em Utah não é apenas uma das maiores aves da era dos dinossauros já encontradas na América do Norte, mas também é o esqueleto mais completo do continente representante de um grupo de pássaros extintos há muito tempo, chamados enantiornitinos.

Os enantiornitinos, ou "opostos de aves", eram uma linhagem primitiva relacionada às aves modernas que prosperaram globalmente durante o período Cretáceo, mas foram mortos pelo mesmo evento de extinção em massa que varreu os dinossauros não aviários há 66 milhões de anos.

Enquanto numerosos e belos espécimes de enantiornitinos foram encontrados nas primeiras rochas do Cretáceo na China e em fragmentos de âmbar de Mianmar, a maioria não é maior do que pássaros canoros de tamanho pequeno a médio, como chapins ou tentilhões. E, enquanto outros enantiornitinos foram descobertos na América do Norte a partir do final do Cretáceo – incluindo um que pode ser ligeiramente maior que as novas espécies –, a maioria desses fósseis tem apenas um osso. novo espécime, descrito na revista PeerJ, é datado de 75 milhões de anos atrás. Ele inclui partes das pernas, asas, ombros, fúrcula e cauda da ave, somando cerca de 30% do total do esqueleto, e revela novos detalhes sobre a capacidade de voo dessa linhagem primitiva de aves.

ver galeria

"É de longe o esqueleto mais completo de um pássaro enantiornitino da América do Norte", diz a principal autora Jessie Atterholt, da Universidade de Ciências da Saúde do Oeste, em Pomona, Califórnia. “Temos fragmentos representando todo o esqueleto, exceto o crânio. Isso mostra que houve adaptações avançadas para o voo que não vimos em nenhum outro enantiornitino. ”

Construído para voar

A equipe de Atterholt nomeou a espécie Mirarce eatoni. Mirarce (pronuncia-meer-ark-ee) é derivado do latim mirus, maravilhoso e do grego Arce, em homenagem ao mitológico mensageiro alado dos Titãs. O epíteto da espécie, eatoni, homenageia o paleontólogo Jeffrey Eaton, que trabalhou por muitos anos na Formação Kaiparowits, onde o fóssil foi originalmente encontrado.

O coautor do estudo, J. Howard Hutchinson, desenterrou o fóssil em 1992. Mas, nas décadas seguintes, o esqueleto do pássaro esteve definhando em uma prateleira no Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia, até que Atterholt o retirou dos arquivos para sua pesquisa, ainda como uma estudante de pós-graduação.

"É uma grande lembrança do incrível valor das coleções de museus, que contêm espécimes incontáveis esperando que seus segredos sejam revelados por futuros pesquisadores entusiastas", comenta Daniel Field, paleontólogo e especialista em aves fósseis da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

"Este é realmente um ótimo trabalho, que lança nova luz sobre a evolução das formas de pássaros durante a era dos dinossauros", diz ele. A pesquisa revela a surpreendente extensão com que essas aves ancestrais acompanham a evolução das aves modernas desenvolvendo características físicas semelhantes há mais de 70 milhões de anos, diz Field.

ver galeria

Embora os enantiornitinos parecessem similares aos pássaros modernos, a maior parte das espécies do tamanho do corvo ou menores descobertas até agora não teriam sido tão habilidosas para voar. Mas a Mirarce é uma exceção à regra, mostrando características de voo similares a das aves modernas, exceto pelo fato de que elas devem ter evoluído de forma independente – características como uma fúrcula estreita adequada a um poderoso voo de asas e um esterno com uma quilha profunda para a fixação de grandes músculos de voo.

Os mais excitantes são os “botões de pena” acentuados nos ossos do antebraço, onde as penas de voo dos pássaros vivos são fixadas com ligamentos.

“Nos pássaros modernos, isso é uma adaptação para fortalecer as penas de voo e reforçá-las”, diz Atterholt. “[Mirarce] teria sido um voador muito forte, completamente adaptado ao voo ativo de bater asas, possivelmente até por longas distâncias. ”

Escavação sob ameaça

Todos os outros enantiornitinos do Cretáceo tardio "são nomeados após fragmentos de osso, ou um único osso, então encontrar um espécime tão completo na América do Norte é uma grande descoberta", diz Alida Bailleul, especialista em aves fósseis do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia em Pequim na China, que não esteve envolvida com a pesquisa.

A integridade relativa torna "um espécime muito importante que preenche uma lacuna em nosso conhecimento sobre a evolução das aves na América, logo antes da extinção dos dinossauros", diz ela. Também está entre os achados fósseis primitivos que levaram à proteção do Monumento Nacional Grand Staircase-Escalante em 1996.

Infelizmente, observa Atterholt, achados fósseis como esse estão sob ameaça quando a administração do presidente Trump, no ano passado, reduziu a extensão do monumento nacional de 1,9 milhões de acres para um milhão.

"O parque é cheio de belos e importantes elementos geológicos, muitos dos quais contêm fósseis inestimáveis", diz ela. “Se a terra não estiver protegida, esses fósseis estarão muito mais vulneráveis a caçadores de combustíveis fósseis, destruição do desenvolvimento e danos causados pelo tráfego off-road de lazer.”

Field concorda: “O trabalho de Atterholt e colegas ilustra a imensa importância dessa localidade para reconstruir como o mundo moderno se tornou”, diz ele. “Reduzir as proteções em uma região científica tão importante para ganhos econômicos e políticos de curto prazo é muito preocupante”.

Continuar a Ler