História

Naufrágio ártico encontrado após 170 anos ajuda a resolver um grande mistério

Teriam os arqueólogos descoberto intrigante perda da expedição de navios de Franklin?

Por Brian Clark Howard

Um dos navios mais famosos perdidos no século 19 foi localizado no Ártico, anunciou o governo canadense em setembro de 2014, levando o primeiro-ministro Stephen Harper a declarar que "um dos maiores mistérios do Canadá" tinha sido resolvido.

O naufrágio marca o local de descanso final de um dos dois navios que desapareceram misteriosamente há quase 170 anos, quando uma expedição naval britânica liderada por Sir John Franklin estava tentando navegar e mapear a Passagem Noroeste.

Os navios, o H.M.S. Erebus e o H.M.S. Terror, foram perdidos em 1846 e ambas as tripulações pereceram. Embora os túmulos de alguns dos homens tenham sido descobertos mais tarde em terra e os Inuítes locais relatarem ter visto um dos navios afundar, o que aconteceu exatamente com a viagem malfadada tem sido uma fonte de intenso debate e especulação ao longo dos anos. 

Mas agora as autoridades canadenses lançaram imagens de sonar do que parece ser um navio praticamente intacto perto da Ilha do Rei Guilherme, em Nunavut, graças a um veículo operado remotamente, de propriedade da Parks Canada.

"Não há dúvida" de que o navio é o Erebus ou o Terror, diz James Delgado, um historiador marítimo e de naufrágios da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica. Delgado já havia procurado os navios no Ártico, mas não estava envolvido com os esforços do Canadá, que ele disse foram "anos em construção".

"Acho que isto provará ser uma das grandes descobertas arqueológicas marítimas do nosso tempo", diz Delgado, que escreveu o livro Across the Top of the World: The Quest for the Northwest Passage (em inglês).

Expedição Condenada

De acordo com Delgado, a expedição deFranklin era uma das viagens mais equipadas e mais experientes para abordar a passagem noroeste em meados do século 19. Encontrar uma rota através do topo da América do Norte era visto como o Santo Graal na navegação, que proporcionaria uma rota mais rápida do Atlântico para o Pacífico.

"Não estava montando uma missão para a Lua, mas estava muito perto", disse ele.

A expedição partiu da Inglaterra em 1845. Os navios encontraram baleeiros quando entraram nas águas geladas ao redor do norte do Canadá. Então, um mundo exterior expectante foi recebido com silêncio.

"Passou a ser uma das mais atraentes histórias do que aconteceu", diz Delgado. Numerosas tentativas de resgate e depois arqueológicas foram feitas nos anos seguintes, por equipes de vários países.

Alguns túmulos da tripulação foram eventualmente encontrados na Ilha Beechey. As marcas de corte deixadas nos ossos humanos encontrados na Ilha do Rei Guilherme foram interpretadas como sugerindo que os sobreviventes praticaram o canibalismo.

Uma nota deixada por um membro da tripulação disse que Franklin tinha morrido e os navios tinham sido abandonados, mas não deu quaisquer detalhes. Inuítes disseram que viram um dos navios afundar rapidamente na água, mas, mais tarde, os historiadores argumentaram que os navios eram mais prováveis estarem despedaçados pelo gelo. 

Esperanças nas Águas Frias

Delgado diz que o fato de o naufrágio parecer estar em grande parte intacto é uma ótima notícia para aprender mais sobre o que aconteceu com a expedição.

Há uma boa chance de que livros e cartas de bordo possam ter sido preservados na água fria, disse ele. E a tripulação era conhecida por ter equipamento de daguerreótipo. "Sabemos que essas placas fotográficas sobreviveram em outros naufrágios em condições frias. Então, quem sabe o que poderia haver sobre eles?" pergunta Delgado.

Ele acrescenta que o navio provavelmente será uma "cápsula do tempo" que lança luz não apenas sobre o que aconteceu com sua tripulação, mas também na era. Descobrir esse tesouro tem sido um grande desafio ao longo dos anos, graças a temperaturas frias, gelo compacto e a vastidão da área remota.

"Se os canadenses decidirem fazer mais pesquisas, eu acho que este navio vai começar a falar por esses homens, ou se pudermos encontrar seus escritos, eles vão falar por si mesmos", diz Delgado.

Ao anunciar a descoberta, o primeiro-ministro disse que os navios de Franklin "são uma parte importante da história do Canadá, já que suas expedições [...] lançaram as bases da soberania do Ártico no Canadá".

Publicado originalmente em 11 de Setembro de 2014.

Continuar a Ler