Porque o furacão Florence é tão perigoso

Espera-se que o furacão de categoria 4 chegue com ventos fortes e cause grandes enchentes.

Publicado 14 de set. de 2018 12:26 BRT, Atualizado 5 de nov. de 2020 03:22 BRT
Nesta imagem cedida pela NASA tirada pelo astronauta Ricky Arnold, o Furacão Florence ganha força no ...
Nesta imagem cedida pela NASA tirada pelo astronauta Ricky Arnold, o Furacão Florence ganha força no Oceano Atlântico ao se mover para o oeste, visto da Estação Espacial Internacional em 10 de setembro de 2018. Previsões meteorológicas preveem que a tempestade deva atingir a Costa Leste dos Estados Unidos tão cedo quanto quinta-feira, 13 de setembro, trazendo ventos fortes e muita chuva.
Foto de NASA

Neste fim desta semana, espera-se que o Furacão Florence atinja a região sul da Costa Leste dos Estados Unidos. Ele tem potencial para condições fatais e já impôs evacuações obrigatórias.

Enquanto o furacão Florence rodopia em direção às Carolinas do Norte e do Sul com ventos de 210 quilômetros por hora, o Oceano Atlântico produz outros dois furacões, o Isaac e o Helene. No Pacífico, a tempestade tropical Olivia segue em direção ao Havaí, jorrando grandes quantidades de chuva nas ilhas.

Não é nenhuma coincidência os oceanos terem começado a produzir tempestades intensas de uma só vez. De acordo com a NOAA, do fim de agosto até o mês de outubro são o pico da temporada de furacões, quando as condições são ideias para uma tempestade perfeita, ainda que furacões letais possam se formar durante toda a temporada (de junho a novembro).

Tempestades que atingem a Costa Leste dos Estados Unidos tendem a ser mais fortes quando originadas na costa da África, diz o meteorologista de suporte a furacões da NOAA Joel Cline.

“Sempre que eles vêm da costa da África, eles têm duas semanas de águas quentes para ganharem força” diz Cline. A temperatura da superfície, ele observa, “faz com que as coisas acelerem”, mas condições de vento precisam ficar fora do caminho do furacão para que ele chegue a categoria 4 ou 5.

Como os furacões se formam

As superfícies das típicas tempestades de baixa pressão inclinam-se na direção do ar frio, mas Cline observa que furacões se formam de forma diferente.

“Em um furacão, não há ar frio. Ele se forma como uma chaminé” ele diz.

O fluxo de ar que entra pela base sai pelo topo. Caso a cortante do vento esteja alta, ela inclina o furacão, tornando mais difícil para o ar quente entrar como um funil e enfraquecendo a tempestade. Quando a cortante do vento é baixa, o furacão mantém-se centrado e circula o ar quente com mais eficiência.

Cline diz que o Furacão Florence foi atingido por um alto cortante do vento, mas que conseguiu manter seu centro de circulação.

Em seu caminho, Florence também se manteve forte devido à pouca quantidade de massas de terra em sua trajetória, o que diminuiria o progresso da tempestade. Isso significa que, quando o Florence finalmente chegar em terra, o que é esperado para quinta-feira, ele poderá chegar com força total.

“Um pequeno enfraquecimento pode ocorrer, mas não se pode esquecer que o Florence ainda é uma tempestade perigosa. Se você for instruído para evacuar, é crucial que você obedeça. Planeje ficar longe das áreas afetadas por um período prolongado, já que o Florence terá um impacto significativo” disse o administrador da FEMA Brock Long em um tweet.

Fortes chuvas

Quando o Florence se dispersar no continente, é esperado que ele despeje grandes quantidades de chuvas.

Uma vez que o Florence é movido por ar quente, ele é capaz de carregar mais água, já que o ar quente geralmente retém mais água que o ar frio. Cline observa que correntes de ar vindas dos Montes Apalaches podem fazer com que mais chuva caia ao se misturarem com as condições da tempestade.

“Florence tem o potencial de trazer chuvas muito além da costa” diz Cline, observando que no interior do continente, deslizamentos podem ser um risco.

A temporada de furacões no Atlântico durará até o dia 30 de novembro, e a NOAA previu que 2018 apresentará atividade média ou um pouco acima da média. Embora esta época do ano seja comumente a mais ativa, diversas condições climáticas, como El Niños e La Niñas, podem influenciar as consequências de uma tempestade.

São esperados desde um a quatro grandes furacões, mas, até o momento, o Florence é o primeiro.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
6 formas como o ‘muro de Trump’ pode prejudicar o meio ambiente
Meio Ambiente
Rios do mundo inteiro estão contaminados por antibióticos, revela estudo global inédito
Meio Ambiente
Flor considerada extinta redescoberta no Havaí por meio de drones
Meio Ambiente
Bloco gigante de gelo está prestes a se desprender da Antártida
Meio Ambiente
Por que o ciclone Idai, que atingiu países da África, foi tão destrutivo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados