Manguezais: o que são e por que é importante conservá-los

No Dia Mundial de Proteção aos Manguezais, a National Geographic traz especialistas que explicam porque eles são tão importantes para os humanos e para o meio ambiente.

Por Redação National Geographic
Publicado 26 de jul. de 2022 10:19 BRT, Atualizado 26 de jul. de 2022 15:24 BRT
Um pôr do sol nos manguezais da Reserva da Biosfera La Encrucijada, Chiapas, México.

Um pôr do sol nos manguezais da Reserva da Biosfera La Encrucijada, Chiapas, México.

Foto de Octavio Aburto

Extensas florestas, com árvores altas cujas raízes emaranhadas alcançam as copas e cobrem as costas tropicais, os manguezais estão entre os ecossistemas mais produtivos do mundo. Com espécies da flora, fauna e até um solo exclusivos: esse ambiente, quando gerenciado de forma sustentável, tem um papel importante na mitigação das mudanças climáticas, na proteção de zonas costeiras e na subsistência de milhões de pessoas. É o que afirma um relatório da Conferência Internacional sobre Ecossistemas Sustentáveis ​​de Mangue, e que serve de referência para chamar a atenção neste Dia Mundial de Proteção aos Manguezais, comemorado em 26 de julho.

A data, criada em 2015 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), busca aumentar a conscientização sobre o papel integral dos ecossistemas de mangue – que muitas vezes passa despercebido nas estratégias de preservação ambiental –, mas que são únicos, raros e extremamente ricos em biodiversidade. 

Segundo a Unesco, os mangues estão desaparecendo de três a cinco vezes mais rápido do que as outras florestas no mundo, trazendo sérios impactos ecológicos e socioeconômicos. O órgão estima que a cobertura de mangue global foi reduzida à metade da área original nos últimos 40 anos.

O que são os manguezais

No livro Os Manguezais e Nós, a bióloga Marta Vannucci, uma das pioneiras em estudos oceanográficos no Brasil e responsável por mais de 100 publicações científicas sobre os mangues, descreve as florestas desse ecossistema como “grandiosas, únicas e maravilhosas”. “Não há, como nas outras florestas, chão sobre o qual andar. Durante a maré cheia, a floresta está inundada e, quando a maré recua, deixa atrás de si um emaranhado caótico de raízes de todo tipo, recobertos por mucilagem, liquens e algas que crescem também sobre os galhos e emergem do lodo, onde é possível afundar-se até os joelhos, se houver espaço suficiente para apoiar os pés”, escreve ela.

Trata-se de um lugar que funciona como uma transição do meio marinho para o terrestre, comumente encontrado em regiões tropicais e subtropicais onde a vida é controlada pelo ritmo das marés.

Tipicamente costeiros, os ambientes de mangue prosperam em estuários, ou seja, “lagoas ou áreas alagadas que se formam quando as águas doces provenientes de rios e córregos fluem até o oceano e se misturam com a água salgada do mar”, diz Octavio Aburto, fotógrafo, oceanógrafo e explorador da National Geographic em entrevista à reportagem.

Por serem donos de características tão específicas, os manguezais abrigam espécies únicas, como algumas adaptadas para ambientes com água salobra (onde a salinidade é maior que nos rios e menor que no mar). 

Árvores típicas do ecossistema, os mangues propriamente ditos, chamam atenção por suas raízes, que ficam expostas acima do solo lodoso e formam redes complexas capazes de sustentar os altos troncos e as copas cheias.  

À esquerda: No alto:

As florestas de mangue protegem as costas contra furacões e capturam carbono como nenhum outro ecossistema.

À direita: Acima:

Os manguezais da Reserva da Biosfera La Encrucijada, no México, atingem 40 metros de altura, uma das mais altas do mundo.

fotografias de Octavio Aburto

Folha de mangue na lama. A produtividade primária dos manguezais está entre as mais altas de todos os ecossistemas.

Onde encontramos ecossistemas de mangue

Os manguezais colonizam os litorais de 123 nações e territórios pelo mundo, segundo a Unesco. Entretanto, eles ainda são considerados ecossistemas raros, já que representam menos de 1% das florestas tropicais e menos de 0,4% das superfícies florestais do planeta. 

Ainda que espalhados por todo o mundo, apenas um punhado de países abriga mais de 70% dos manguezais do planeta. “Países como Indonésia, Austrália, Brasil, México, Malásia, Índia, Papua Nova Guiné e Bangladesh concentram dois terços dos ecossistemas de mangue no mundo", explica Aburto. "São países localizados no meio dos trópicos, com extensos litorais e clima quente, essenciais para o desenvolvimento de mangues.”

Só no Brasil, de acordo com o levantamento do Atlas dos Manguezais do Brasil, lançado pelo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), em 2018, existem aproximadamente 14 mil km² de florestas de mangue ao longo do litoral. Isso coloca o país como o segundo com a maior extensão de manguezais no mundo, com 12% do total, atrás apenas da Indonésia. 

Espécies encontradas nos manguezais

Descrever com precisão a fauna e flora típica dos manguezais é quase impossível. Isso porque a variedade é imensa e depende da estrutura e da composição das florestas de mangues. “Variam em função de fatores geofísicos, geográficos, geológicos, hidrográficos, climáticos e edáficos, da história do passado recente do local e das atividades humanas”, explica o historiador Alex Gonçalves Varela em artigo sobre o trabalho de Martha Vanucci

Segundo Monica Tognella, oceanógrafa professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), as espécies que habitam os manguezais dependem “dos ambientes marinho e terrestre que delimitam as florestas de mangues”, ou seja, os manguezais também abrigam a biodiversidade dos ecossistemas com os quais fazem fronteira. Na prática, Tognella relata que é possível encontrar primatas, aves como a águia, répteis marinhos e terrestres e até felinos, como é o caso das onças-pintadas na América do Sul, e dos tigres-de-bengala nos manguezais de Bangladesh. 

Mas existem animais e plantas comuns entre todos os manguezais: “Sempre será possível encontrar uma variedade grande de moluscos, crustáceos, caranguejos e camarões. Além de, claro, mangues, que são únicos dessas regiões”, diz a professora. 

À esquerda: No alto:

O morcego-pescador é outra das maravilhas dos manguezais, onde encontra muitos peixes para se alimentar.

À direita: Acima:

A águia-canela é uma das espécies mais emblemáticas das florestas de mangue nos trópicos mexicanos.

fotografias de Octavio Aburto

Um coiote visita uma floresta de mangue na Bahía Magdalena, México.

Por que os manguezais são importantes

Com toda essa biodiversidade, os manguezais também são responsáveis por inúmeros serviços ecossistêmicos, que beneficiam tanto os seres humanos quanto às demais espécies que os habitam. A importância dos manguezais vai desde a proteção de costas e controle climático até a reprodução de espécies. 

“O emaranhado de raízes e o solo rico em nutrientes formam um excelente berçário para muitos animais, principalmente marinhos, que vivem nas raízes submersas quando jovens e seguem para o mar aberto depois de adultos”, explica Aburto.

“Por exemplo, entre as espécies de interesse comercial, a tainha, o linguado, a sardinha e o mero são altamente dependentes do manguezal para a manutenção de suas populações", diz Monica Tognella, da Ufes.

Outro serviço prestado é a redução da vulnerabilidade de zonas costeiras a perigos naturais. “[O manguezal] impede a erosão das costas e protege qualquer infraestrutura, sejam casas, hotéis, ou outros empreendimentos, porque consegue barrar a força das ondas e de tempestades”, diz Aburto.

Segundo a Unesco, uma faixa de 500 metros de mangues consegue diminuir a altura das ondas que chegam ao litoral em 50 a 99%. 

Em relação ao controle climático, os manguezais também são importantes sequestradores de carbono. “Eles sequestram CO2 da atmosfera 50 vezes mais rápido do que qualquer outra árvore, e o armazenam no solo em uma quantidade que pode ser até cinco vezes maior do que qualquer outra floresta”, diz Aburto. Dados da Unesco mostram que um hectare de bosque de mangues é capaz de armazenar 3.754 toneladas de carbono, o equivalente ao emitido por 2.650 carros em um ano. “É por isso que os manguezais têm sido considerados os grandes super-heróis que podem nos ajudar a combater as mudanças climáticas”, afirma o explorador. 

À esquerda: No alto:

Um tronco flutuando em uma lagoa de mangue fornece abrigo para pargos amarelos.

À direita: Acima:

Um pargo usa as raízes do mangue como viveiro em seu estado juvenil.

fotografias de Octavio Aburto

O Atlas dos Manguezais do Brasil reforça que elas também impactam na sobrevivência humana no dia a dia. O documento informa que, aproximadamente 120 milhões de pessoas em todo o mundo vivem a pelo menos 10 quilômetros de distância de áreas significativas de mangue, se beneficiando deles de diversas formas, como com a pesca e extração de produtos florestais, a obtenção de água potável e a proteção contra erosão e eventos climáticos extremos. O Atlas também menciona que os manguezais são importantes para a recreação e o turismo, além de serem importantes para religiões populares. 

[Saiba mais: Rico é o país que protege seus manguezais]

Ameaças aos maguezais

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês) alerta para os danos aos manguezais causados por extração predatória de lenha e alimentos (caranguejos, lagostas, peixes, camarões, etc.); retirada da vegetação nativa para culturas agrícolas – como arroz, cana-de-açúcar, palmeiras (extração de óleo de palma); e construção de estradas, imóveis e grandes empreendimentos turísticos. “A agricultura e a criação de animais, principalmente a cultura de camarão, são os principais problemas, porque entram em conflito com as áreas de manguezais, causando o desmatamento”, explica Aburto. 

Segundo o IUCN, nos últimos 20 anos, o mundo perdeu 36% dos seus manguezais. Só no Brasil, de acordo com o Atlas, 25% das florestas de mangue foram destruídas desde o começo do século 20. A situação é particularmente grave nas regiões Nordeste e Sudeste do Brasil, que apresentam um alto nível de fragmentação – estimativas recentes sugerem que cerca de 40% do que um dia foi uma extensão contínua de manguezais já não existe mais.

Descubra mais sobre os ecossistemas de mangue:

Como ajudar na conservação de manguezais 

“O primeiro passo é saber mais sobre eles”, diz Aburto. Segundo ele, por ser um ambiente que ocorre em poucas áreas do planeta, há quem não saiba da sua existência, o que dificulta ações coletivas de conservação. “Muitas pessoas consomem produtos que vêm ou dependem dos manguezais, mas nunca ouviram falar desse ecossistema. Como se protege algo que não se conhece?”

Para a professora Monica Tognella, “devemos construir um diálogo entre os estudos científicos que mostram como os ambientes intactos são mais benéficos do que a retirada dos bosques de mangue, influenciando esforços coletivos para a conservação."

Outras ações possíveis para proteger os manguezais, segundo os especialistas, estão ligadas ao consumo consciente. “Saber da onde vem e como são produzidos os alimentos que consumimos, por exemplo, é um meio de proteger esses ecossistemas, considerando que a produção de camarão e óleo de palma para alimentação é uma das principais causas do desmatamento dos mangues”, diz Aburto. “Exigir produções mais sustentáveis e que empreendimentos, como grandes hotéis, não destruam áreas de mangue também são ações que cidadãos comuns podem se comprometer.”

“Compartilhar e se informar sobre o valor dos manguezais para os humanos e o meio ambiente", diz Aburto, "é uma forma de promover, cada vez mais, sua proteção e o uso sustentável."

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Pau-brasil: no dia da árvore, 6 curiosidades sobre a espécie que batizou um país
Meio Ambiente
Amazônia: saiba como funciona a operação de uma agrofloresta
Meio Ambiente
Quais são os principais poluentes do ar e como contribuir para reduzi-los?
Meio Ambiente
Dia da Amazônia: conheça os ecossistemas que compõem a maior floresta tropical do mundo
Meio Ambiente
Qual o impacto dos protetores solares nos ecossistemas?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados