Charles 3º: novo rei da Inglaterra manterá ativismo ambiental?

Enquanto príncipe da Grã-Bretanha, ele foi um defensor declarado do meio ambiente por mais de 50 anos. O planeta poderia se beneficiar do reinado dele?

O príncipe Charles – agora rei Charles 3º – vê o impacto do corte ilegal de madeira na floresta tropical de Harapan, Indonésia, 2008.

Foto de PA Images Alamy
Por Jonathan Manning
Publicado 30 de set. de 2022 10:21 BRT

Não é tanto o tom robusto e a linguagem pouco principesca que chamam a atenção – “Estamos diante dos horríveis efeitos da poluição em todas as suas formas cancerígenas” – mas sim a data: 19 de fevereiro de 1970. 

Muito antes de Greta Thunberg – antes mesmo de a mãe de Greta nascer – o príncipe de Gales (seu título oficial na época) discursou em 1970, e não fez rodeios. “Há a crescente ameaça de poluição por óleo no mar, que destrói praias e, certamente, dezenas de milhares de aves marinhas”, afirmou.

“Há poluição química lançada nos rios por fábricas, que entopem os rios com substâncias tóxicas e aumenta a sujeira nos mares. Há poluição do ar por fumaça e gases liberados por fábricas, e gases emitidos por carros e aviões”.

 

O príncipe Charles, de 22 anos, discursa no Comitê do País de Gales, na Universidade de Bangor, em 1970. Seu discurso naquele dia sublinhou o interesse dele pela defesa do meio ambiente e expôs pontos de vista que desde então se tornaram proféticos na mudança climática.

Foto de PA Images Alamy

Para contextualizar, naquele mesmo mês, meio século atrás, o Jackson Five fez sua estreia na TV, um júri do tribunal distrital federal absolveu o Chicago Seven, e o Black Sabbath lançou o primeiro álbum de heavy metal do mundo. 

O príncipe Charles, enquanto isso, argumentava que “a conservação ou problemas sobre poluição não devem ser considerados conceitos separados de habitação ou outros esquemas sociais. 'Conservação' significa estar ciente do ambiente total em que vivemos... A palavra ecologia implica a relação de um organismo com seu ambiente, e nós somos um organismo tanto quanto qualquer outro animal que muitas vezes não tem a sorte de compartilhar esta terra conosco”.

Charles entrou no ativismo verde muito cedo. Ele fez seu primeiro discurso sobre o meio ambiente em 1968 – sete anos antes da expressão “aquecimento global” ser cunhada pelo geocientista Wallace Broecker. Ao longo das décadas de 1970 e 1980, frequentemente se via como uma voz perdida ao clamar por uma abordagem equilibrada da vida.

1957: O jovem príncipe Charles persegue um bezerro em uma fazenda, em Balmoral, propriedade real escocesa comprada pela rainha Victoria – sua tataravó.

Foto de Keystone Press Alamy

Lentamente, o mundo alcançou as ideias dele – mais na teoria do que na prática. Foi anfitrião de uma conferência no Royal Yacht Britannia, no delta do rio Amazonas, que preparou o terreno para a Rio 1992, berço das “conferências das partes”, mais conhecida como COPs

Vinte anos depois, Charles dirigiu-se à COP Rio+20, alertando: “Como um sonâmbulo, parecemos incapazes de acordar para o fato de que muitas das consequências catastróficas de continuar com os negócios de sempre estão caindo sobre nós mais rápido do que pensamos, já arrastando muitos milhões de pessoas para a pobreza e enfraquecendo perigosamente a segurança global de alimentos, água e energia para o futuro.”

Pensamento visionário

Pode ser tentador pensar no novo rei, com seus ternos Savile Row sob medida, maneiras eduardianas e comitiva real, como um ícone de uma era anterior. Mas seus discursos, livros e projetos sugerem um homem à frente de seu tempo. 

Ele estava defendendo conceitos como economia circular e capital natural anos antes de capturarem a imaginação do público, e ele seguiu claramente seus próprios princípios, aplicando práticas orgânicas em sua fazenda há mais de 30 anos. 

“Algumas dessas ideias eram radicais e literalmente décadas à frente de seu tempo. Algumas você poderia reimprimir hoje e elas seriam muito importantes no momento”, diz Tony Juniper, presidente da Natural England, membro do Instituto de Liderança em Sustentabilidade da Universidade de Cambridge e presidente da organização Fundos de Vida Selvagem.

1970: O príncipe Charles fica abaixo do pico de Yr Wydffa – também conhecido como Snowdon – o ponto mais alto do Principado de Gales, cujo título ele deteve até a morte de sua mãe, a rainha Elizabeth 2ª, em setembro de 2022.

Foto de PA Images Alamy

Juniper trabalhou anteriormente para o projeto Florestas Tropicais e Unidade de Sustentabilidade Internacional, de Charles,  e colaborou com o então príncipe no livro inovador Harmony – que identificou uma crise de percepção na forma como a humanidade agora vê o mundo, tendo sistematicamente separado ele da natureza.

“Contamos com a tecnologia para resolver nossos problemas e nossa engenhosidade para enfrentar qualquer desafio quando, na verdade, a resposta é nos vermos como realmente somos – profundamente inseridos em uma biosfera composta por inúmeras interconexões entre elementos do mundo vivo”, destaca Junípero.

Tentar reconectar as populações à natureza nesta 'era da desconexão' tem sido um tema constante da campanha de Charles, uma filosofia que foi inicialmente ridicularizada por uma mídia que estava mais interessada no que era retratado como suas excentricidades, como falar com plantas.

'Sonhador anti-ciência'

“Naqueles dias, eu era descrito como antiquado, fora de sintonia e anti-ciência; um sonhador em um mundo moderno”, escreve Charles em Harmony.

Fotografias dele usando saias de grama, guirlandas de flores sobre sua gravata e ternos Anderson & Sheppard perfeitamente passados ​​enquanto encontrava tribos indígenas pouco ajudaram em sua imagem. Porém, o filho mais velho da rainha Elizabeth 2ª nunca pretendeu levar a humanidade à Idade da Pedra ou negar o progresso e a ciência. Ele afirma que simplesmente queria corrigir nossa abordagem mecanicista.

O Aston Martin DB6 de Charles foi notoriamente convertido para funcionar com vinho branco vencido e soro de queijo. Em uma entrevista à BBC, em 2021, Charles se descreveu como um entusiasta de carros 'antes de sabermos quais eram os problemas'. Ele defende o hidrogênio como um combustível chave no futuro.

Foto de Reuters Alamy

O príncipe Charles discursa na Conferência do Clima COP26 em Glasgow, em 2021, na cerimônia de abertura. “Só posso pedir a vocês, como tomadores de decisão do mundo, que encontrem maneiras práticas de superar as diferenças”, disse ele, “para que todos possamos trabalhar juntos para resgatar este precioso planeta e salvar o futuro ameaçado de nossos jovens."

Foto de Will Crowne UK Government

“Nenhum scanner cerebral conseguiu fotografar um pensamento, nem um pedaço de amor, e nunca conseguirá”, diz ele, mas isso não significa que pensamentos e amor não existam. “Viemos a funcionar com uma abordagem unilateral e materialista que é definida não por inclusão, mas por rejeição ou por aquelas coisas que não podem ser medidas em termos materiais”.

Devolver um elemento filosófico à nossa relação com a natureza e aceitar que só podemos viver de forma sustentável, encontrando “o delicado equilíbrio e a sagrada harmonia do Universo” é vital para unir os laços entre ciência e política, defende.

Para alguém que agora é o chefe da Igreja da Inglaterra, Charles também é bastante ecumênico em sua visão, feliz em citar o Alcorão para identificar explicitamente um mundo natural que não encontra separação entre a humanidade e a natureza “precisamente porque não há separação entre o mundo natural e Deus” e celebrando as crenças das culturas indígenas e primárias que consideram o mundo natural uma expressão da presença sagrada.

Proteger o meio ambiente é um dever moral, acredita ele, escrevendo na Newsweek que: “Se mantivermos nossos direitos agora sem reconhecer nossas responsabilidades para com aqueles que vierem depois de nós, teríamos falhado em agir moralmente”.

Uma visão de futuro

Talvez a própria natureza de poder traçar sua árvore genealógica desde a Casa de Hanover até 1630, bem como séculos de propriedade real, dê a Charles uma preciosa perspectiva de longo prazo.

“Adotei uma visão compartilhada por muitos povos indígenas de que devemos pensar sete gerações à frente para ter alguma chance de ter certeza de que deixaremos um mundo melhor para trás”, disse ele no início deste ano. E ele frequentemente se refere ao senso de dever que sente para com as próximas gerações.

“Uma das coisas que me motivou mais do que qualquer outra coisa é que eu não queria ser acusado por meus netos ou filhos de não fazer as coisas que precisavam ser feitas na época”, disse ele na recepção aos negociadores-chefes na COP26 .

Depois, há sua influência como figura. Não é incomum para Charles realizar mesas redondas com chefes de estado, CEOs dos maiores bancos do mundo, ONGs, agências internacionais e governos – polinizando audiências altamente influentes com suas ideias.

“Uma das coisas que me motivou mais do que qualquer outra coisa é que eu não queria ser acusado por meus netos ou filhos de não fazer as coisas que precisavam ser feitas na época.”

por PRÍNCIPE CHARLES EM 2021

“Seu trabalho na convocação de grupos de pessoas e entre setores tem sido menos visível, mas extremamente importante”, diz Juniper. “Acho que não há mais ninguém no mundo que possa convocar esses grupos de pessoas.”

Charles desempenhou um papel significativo, por exemplo, na intermediação do acordo de 2009 que prevê a Noruega recompensando a Guiana por manter sua floresta intacta.

“A ideia do projeto Florestas Tropicais era fazer com que a floresta valesse mais viva do que morta, o que parece muito simples, mas é muito poderoso para ressignificar a discussão”, diz Juniper. “Florestas estão sendo derrubadas para gerar retorno econômico, então tivemos que reformular isso para mostrar que o valor econômico dessas florestas intactas é muito maior do que quando elas são liquidadas em pastagens ou uma pilha de toras. Em termos de água, funções de carbono, biodiversidade, funções culturais para as sociedades indígenas que ainda vivem lá – todas essas coisas têm um valor enorme. Mas não há equilíbrio, então poder colocar isso na equação para mostrar que estamos destruindo valor para receber pouco em troca é muito poderoso.”

Casa do rei Charles em Gloucestershire, Highgrove faz parte do Ducado da Cornualha. Charles usou partes da propriedade para desenvolver seus interesses em agricultura orgânica e vida sustentável. 

Foto de WENN Rights Ltd Alamy

Príncipe Charles no lançamento do Project Ocean, uma iniciativa da loja de departamentos Selfridge's para aumentar a conscientização sobre a pesca excessiva.

Foto de Reuters Alamy

Andando a pé

Visto sob essa luz, o rei Charles é um influenciador original. Já em 1990, as empresas que desejavam uma autorização real para bens ou serviços fornecidos a Charles tiveram que demonstrar uma abordagem responsável às questões ambientais e sociais.

O próprio Charles cultiva organicamente, desde 1990, plantando mais de 20 km de sebes e hospedando mais de 1000 pessoas, por ano, em sua Duchy Home Farm para ensiná-las sobre princípios e práticas agrícolas que promovem solo, gado e produtos saudáveis.

Ele instalou painéis solares nos telhados de sua residência oficial em Clarence House e nas casas particulares em Highgrove e Raymill, além de outros 424 painéis em Duchy Home Farm, gerando mais de 80 000 kWh de eletricidade anualmente – o suficiente para abastecer 20 casas médias. Ele também comprou créditos de projetos sustentáveis ​​para compensar as emissões de carbono de suas viagens domésticas e não oficiais.

O novo rei parece feliz em controlar seu consumo pessoal, contratando a consultoria de sustentabilidade Anthesis Group para auditar independentemente sua pegada de carbono. O relatório de carbono doméstico mais recente de Charles detalhou que: “Este ano, 89% da energia (incluindo gás verde e eletricidade) veio de fontes renováveis ​​e pouco menos da metade foi gerada no local por painéis solares, caldeiras de biomassa e bombas de calor”. O próprio Charles dirige um Aston Martin, embora seja um modelo de 1960 alimentado por, ele diz, vinho branco inglês vencido e soro de leite restante da fabricação de queijo – tecnicamente, uma mistura de bioetanol derivado de resíduos e 15% de gasolina sem chumbo. 

Fora de suas atividades pessoais, são as viagens oficiais de Charles que atraem a maioria de seus céticos. Em combinação com o resto da família real, isso tem um custo de carbono inescapavelmente grande – bem como uma conta de cerca de 2,5 milhões de libras por ano. Embora a 'compensação' seja frequentemente mencionada, as medidas exatas tomadas para reduzir isso são menos públicas. 

Como parte de suas funções oficiais em 2019, pré-Covid, Charles e sua esposa Camilla fizeram 17 voos em jatos particulares, três voos regulares e mais dois em helicópteros da RAF. Diz-se que os jatos particulares emitem até 20 vezes mais CO2 por passageiro por quilômetro do que um avião comercial. 

Charles seguirá defendendo o meio ambiente?  

Com sua ascensão ao trono após a morte da rainha, há um ponto de interrogação sobre como o rei Charles 3º manterá seu ativismo ambiental. “Não acredito que ele vá mudar de opinião sobre a importância de tudo isso, mas provavelmente terá que mudar a forma como faz isso”, acredita Juniper.

“Charles nunca teve a liberdade de acenar cartazes ou deitar-se nas pistas [como forma de protesto], mas deixou os ministros do governo sem dúvidas sobre sua posição em questões que são importantes para ele.”

Robert Jobson, autor da biografia Charles, Our Future King, destaca os chamados 'memorandos da aranha negra' – cartas escritas à mão para ministros em letras pretas e em forma de aranha. 

“O que ele escreve está dentro de quaisquer limites da constituição não escrita. Com isso em mente, na opinião de Charles, é seu 'dever constitucional'... agir dessa maneira”, escreveu Jobson. “Chamar a atenção para tópicos-chave sobre os quais sua posição única lhe permitiu coletar informações, como mudanças climáticas, agricultura orgânica ou empoderamento de jovens, está demonstrando 'liderança'.” 

O lobby político de Charles – cuja extensão foi revelada após uma batalha legal de 10 anos – contrasta com sua mãe, a falecida rainha. Em entrevista ao The Guardian, o ex-primeiro-ministro David Cameron disse que era “totalmente certo” que Charles o fizesse, acrescentando: “Acho que o herdeiro do trono tem o direito de ter interesse em questões como meio ambiente e preservação da vida selvagem”.

 O próprio Charles, em entrevista à BBC às vésperas da COP26, em 2021, falou de sua frustração com tais encontros políticos – “eles só falam, o problema é entrar em ação” – e sua compreensão dos motivos por trás de grupos como o Extinction Rebellion.  

Mudança de papel, de ponto de vista? 

A 'intromissão' na política levou a críticas a Charles, mais recentemente por sua oposição à deportação de requerentes de asilo do Reino Unido para Ruanda. Afinal, ele não é eleito para sua posição de influência e, embora insista que não é político partidário, como rei, provavelmente terá ainda menos oportunidades de expressar suas opiniões.

“Se você se tornar o soberano, você desempenha o papel da maneira que é esperado”, disse ele no documentário Prince, Son and Heir, da  BBC.

Charles e seu filho, o príncipe William, caminham pela Home Farm em Gloucestershire – parte das propriedades do Ducado da Cornualha – em 2004. William, agora Príncipe de Gales, fez avanços significativos para herdar a posição de seu pai sobre o meio ambiente, emprestando sua voz a iniciativas como o Prêmio Earthshot.  

Foto de Reuters Alamy

“Claramente não poderei fazer as mesmas coisas que fiz como herdeiro. Então, é claro, você opera dentro dos parâmetros constitucionais. Mas é uma função diferente. Acho que as pessoas esqueceram que os dois são muito diferentes.”

Mas isso não significa que sua causa ambiental morrerá com ele; como em sua agricultura orgânica, Charles parece ter preparado bem o terreno. No mesmo documentário Prince, Son and Heir, o príncipe William – agora príncipe de Gales – revelou como ele e seu irmão Harry adquiriram o hábito de seu pai de desligar as luzes. “Tenho TOC sério em interruptores de luz”, disse ele, acrescentando que seu pai fez os dois catarem lixo.

Além disso, nas comemorações do Jubileu de Platina, enquanto o príncipe Charles usou seu discurso para homenagear sua mãe, o príncipe William, campeão do Prêmio Earthshot, elogiou 'ambientalistas visionários' e disse a dezenas de milhares de pessoas no The Mall e milhões de outras pessoas assistindo em casa que “a necessidade de proteger e restaurar nosso planeta nunca foi tão urgente.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Meio Ambiente
Por que a camada de ozônio está sendo destruída?
Meio Ambiente
Na foz do Amazonas, açaí gera renda e protege a floresta
Meio Ambiente
Devemos comprar créditos de carbono para compensar viagens aéreas?
Meio Ambiente
Cinco vitórias que trouxeram esperança para a causa ambiental em 2021
Meio Ambiente
Aquecimento do mar pode dizimar biodiversidade de ilhas oceânicas brasileiras

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados