Conheça o Butão, país com zero emissão de carbono e que leva a felicidade a sério

Uma nova trilha de 400 quilômetros atrai turistas para longe dos picos populares através de florestas densas, fortalezas antigas e plantações de arroz em terraços.

Por Henry Wismayer
Publicado 18 de jan. de 2023 10:23 BRT
Um monge observa gralhas-de-bico-vermelho voando acima do Jakar Dzong, no vale de Chamkhar, Butão. A fortaleza, ...

Um monge observa gralhas-de-bico-vermelho voando acima do Jakar Dzong, no vale de Chamkhar, Butão. A fortaleza, construída em 1549, foi uma das principais fortalezas defensivas do Butão oriental e agora é um destaque cultural para os viajantes ao longo da nova Trilha Trans Butão.

Foto de Marcus Westberg

Para o viajante, é o passeio dos sonhos, implacavelmente belo, costurando vales profundos com florestas e aldeias idílicas, em um dos países mais encantadores do mundo. Para muitas pessoas no Butão, entretanto, é um símbolo de renascimento e de acerto de contas.

Em 28 de setembro, o príncipe Jigyel Ugyen Wangchuck inaugurou a Trilha Trans Butão (TBT), uma nova rota de trekking de 400 quilômetros, no que pareceu um momento fatídico para o Butão. Alguns dias antes, o reino do leste do Himalaia, espremido entre os vizinhos gigantes China e Índia, reabriu suas fronteiras após um fechamento de dois anos e meio durante a pandemia da Covid-19 . Mas o retorno de visitantes estrangeiros também trouxe à tona uma questão familiar: quanto o Butão deve deixar o mundo exterior entrar?

À esquerda: No alto:

Uma macaco hanuman fêmea (Semnopithecus entellus) e seu bebê sentam-se nas florestas subtropicais de folhas largas do Himalaia, no Butão central.

À direita: Acima:

O mosteiro Paro Taktsang é um templo budista à beira de um penhasco no vale superior de Paro, no Butão. Acessível apenas a pé, o local é um dos 13 pequenos “covis de tigres” onde o mestre budista do século 8 Padmasambhava, também conhecido como Guru Rinpoche, teria meditado.

fotografias de Marcus Westberg

Uma parte da estratégia chegou na forma de mais barreiras à entrada. A “taxa de desenvolvimento sustentável”, uma tarifa turística diária, triplicou de US$ 65 para US$ 200. A TBT constitui outra parte. Cruzando quase toda a metade o país, de Haa, no oeste, a Trashigang, no leste, a trilha foi concebida para afastar os visitantes dos populares vales ocidentais, áreas que, antes do bloqueio da Covid-19, estavam começando a ficar sobrecarregadas. Em vez disso, a trilha é projetada para atrair turistas para regiões periféricas, onde a escassez de oportunidades fez com que jovens ambiciosos deixassem o interior agrícola para buscar empregos nas cidades ou no exterior.

Nesse contexto, a TBT não é apenas uma nova adição à lista de caminhadas espetaculares do Butão. É uma declaração de intenção. Seus arquitetos esperam que se torne uma pedra angular dos esforços contínuos do Butão para equilibrar a preservação cultural e ambiental com a prosperidade econômica.

“Esta não é apenas uma rota turística”, diz Sam Blyth, fundador da Butan Canada Foundation, uma ONG com sede em Toronto, criada em 2018. “É um dos tesouros perdidos do Butão.”

Florestas e fortalezas do Butão

No mês passado, juntei-me ao guia Kinley Wangmo em uma floresta primordial de cicuta, cedro e rododendro, em uma seção da Trilha Trans Butão a leste da capital do país, Thimpu.

Esta seção da rota, da passagem de Dochu La até a vila de Toeb Chandana, tipifica a paisagem que a TBT foi projetada para mostrar não o Butão das neves altas, mas o sopé das antigas fortalezas, mosteiros budistas e gewogs, propriedades rurais tradicionais e plantações de arroz em terraços. A maior parte das 28 etapas da trilha percorre as densas florestas, tanto de coníferas quanto decíduas, que cobrem 71% do país.

Kinley Wangmo, um guia turístico no Butão, está em uma trilha na floresta de pinheiros acima de Gyetsa, no distrito de Bumthang.

Foto de Marcus Westberg

O caminho descia para um desfiladeiro nitidamente recortado. Cada galho de árvore estava enfeitado com musgo e samambaias translúcidas. Aranhas joro com abdômen listrado de amarelo e preto sentavam-se imóveis em suas teias na beira da trilha.

Naquele dia, o único som era o canto dos pássaros e do críquete. Mas houve um tempo em que esse caminho ressoava com o tráfego de pedestres. A TBT segue a rota do que já foi a artéria central do Butão, uma via para comerciantes, monges e garps, corredores velozes que transportam mensagens entre seus 20 distritos, ou dzongkhangs.

Na década de 1960, quando o avô do atual rei iniciou a primeira fase provisória de modernização do Butão, a construção de uma rodovia leste-oeste tornou a trilha redundante, e o antigo caminho caiu em desuso. Desde 2019, e especialmente durante o fechamento de 30 meses do Butão devido à Covid, 900 trabalhadores licenciados e mil voluntários reconstituíram toda a sua extensão, limpando a vegetação, construindo pontes de madeira e fazendo marcos brancos na casca das árvores.

Para Kinley Dorje, que conheci mais tarde naquele dia no templo de Chimi Lhakhang, o caminho representou uma chance de redescobrir os mitos e memórias do Butão. A primeira vez que o homem de 65 anos veio a este santuário, ele era um bebê de colo, carregado por seus pais da cidade de Paro ao longo da trilha que eu havia acabado de percorrer. Agora ele planeja refazer aquela jornada de infância. “Não pude participar este ano porque estou com uma perna dolorida”, disse ele. “Mas no próximo ano pretendo caminhar com os amigos.”

Originalmente parte da Rota da Seda, a Trilha Trans Butão leva os viajantes por 27 aldeias, quatro dzongs (fortalezas monastérios), 12 passagens nas montanhas e 21 templos, como o retratado aqui em Paro.

Foto de Marcus Westberg

No dia seguinte, acordamos em um acampamento TBT sob a vila de Thinleygang, com uma chuva forte martelando a lona da barraca. O resíduo do ciclone Sitrang, que causou estragos quando atingiu a costa de Bangladesh, agora ocupava os vales centrais do Butão.

Embora pretendêssemos continuar caminhando em direção a Punakha, a configuração logística da trilha permitiu uma fácil mudança de itinerário. Os grupos que reservam através da agência oficial Trans Butão Trail recebem um motorista que transporta a bagagem para os alojamentos da noite seguinte – e que também pode transportar os caminhantes para a próxima etapa. Isso permite que os viajantes escolham quais etapas desejam caminhar e quais dirigir, com base na dificuldade da trilha, pontos turísticos da região ou, como no meu caso, clima inclemente.

Vendedores vendem artesanato ao longo da trilha em Pele La, a porta de entrada para o Butão Central.

Foto de Marcus Westberg

À medida que o motorista Tashi Wangchuk nos conduzia mais para o leste, na província de Bumthang, as florestas íngremes davam para pastagens abertas, como um lençol amarrotado sendo suavemente puxado para baixo. Yaks, um bovinídeo local, ruminavam sobre as moitas. Nos arredores do Parque Nacional Jigme Singye Wangchuck, uma trupe de cem langures cinzentos nos examinava da beira da estrada.

Quando as nuvens finalmente se dissiparam na manhã seguinte, seguimos para o vilarejo de Gyetsa, onde o estágio 16 da TBT nos levou a uma subida constante por pinheiros azuis. O mundo exterior pode associar o Butão às montanhas, mas essas florestas cobrem a maior parte de suas terras protegidas; os parques nacionais ocupam metade da área do país. Essa profusão de árvores sequestradoras de carbono, ao lado de uma indústria hidrelétrica vital – a maior exportação do Butão – sustenta sua afirmação de ser o único país negativo em carbono do mundo.

A reviravolta por trás da felicidade do Butão

Sob o estereótipo sereno de integridade cultural e “Felicidade Nacional Bruta”, o Butão está lutando contra a agitação social, como em qualquer outro lugar. A capital, Thimpu, está passando por um boom de construção. Wangmo me disse que seu marido recentemente conseguiu um emprego em bitcoin, “um projeto para o rei”.

No norte, em direção à fronteira tibetana, pastores transumantes estão abandonando o antigo estilo de vida de conduzir yaks para colher raízes de cordyceps, um fungo parasita cobiçado na China por suas supostas propriedades revigorantes, que vale três vezes seu peso em ouro. “Os pastores costumavam viajar de pônei”, disse Wangmo. “Agora alguns deles viajam de helicóptero.”

O turismo também está em transição. O novo imposto turístico diário de US$ 200 coloca o Butão fora do alcance de muitos viajantes em potencial. O país sempre foi um termômetro do “modelo de alto valor e baixo impacto”, e os resorts internacionais de alto padrão já têm um ponto de apoio aqui. As hospedagens mais caras do país cobram 2 mil dólares por noite.

A vila de Jakar, melhor vista de cima na passagem Kiki La, no Vale Chokhor de Bumthang, é uma das muitas áreas ainda inexploradas pelos turistas. A trilha TBT pode mudar isso.

Foto de Marcus Westberg

No entanto, antes da Covid-19, o crescente fluxo de turistas estava atingindo sua capacidade máxima. Em 2019, quando o número de visitantes chegou a 316 mil, a infraestrutura existente de hotéis rústicos de três estrelas, construída desde a chegada dos primeiros turistas há quase 50 anos, rachou com a demanda. As estradas estavam repletas de procissões de ônibus de turismo, em meio a temores de que o Butão pudesse estar a caminho de repetir o excesso de turismo do Nepal.

“Monumentos foram invadidos. Os moradores locais não conseguiam entrar no Ninho do Tigre”, lembra Carissa Niamh, da Tourism Bhutan, referindo-se ao mosteiro à beira do penhasco no vale de Paro, que é o garoto-propaganda do Butão. “Alguma coisa tinha que mudar.”

O aumento de impostos é uma tentativa de recalibrar o ponto ideal, já que o governo busca equilibrar os benefícios econômicos do turismo com a preservação cultural e ambiental.

“Há ansiedade, sim, mas também vejo oportunidades”, disse-me Jamyang Chhopel, proprietário do Yangkhil Resort, em Trongsa. “Sob as regras antigas, tudo passaria por um agente. Agora podemos fazer reservas diretamente.”

A trilha cruzou um cume de 3.500 metros, fazendo a transição para a floresta de folhas largas. Então, as árvores se abriram para uma cena extraordinária: o Jakar Dzong, imponente em um promontório.

Tais espetáculos, comuns no Butão, parecem ainda mais fascinantes quando você os aborda a pé, e ainda mais quando você o faz sozinho. Ainda não se sabe se esta nação notável pode sustentar tal magia diante da invasão da modernidade. Esta trilha, pelo menos, veio para ficar.

Henry Wismayer é um escritor baseado em Londres. Encontre-o no Twitter.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Viagem
Onde encontrar na vida real os cenários de Avatar: O Caminho da Água
Viagem
Campeonato Mundial 2022: qual é o impacto ambiental da viagem desde a Colômbia?
Viagem
Campeonato Mundial 2022: qual é o impacto ambiental da viagem desde o México?
Viagem
Campeonato Mundial 2022: qual é o impacto ambiental da viagem desde a Argentina?
Viagem
Campeonato Mundial 2022: qual é o impacto ambiental da viagem desde o Brasil?

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados