Covid-19: Qual o papel do mercado úmido de Wuhan, na China, no início da pandemia?

Especialistas apontam para problemas maiores com a criação de animais silvestres mal regulamentada – não apenas o próprio mercado – como a causa raiz da Covid-19.

Por Jane Qiu
Publicado 29 de jul. de 2022 13:56 BRT
Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan

Membros da Equipe de Resposta à Emergência de Higiene de Wuhan deixam o Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, na cidade de Wuhan, na província de Hubei, em janeiro de 2020. A maioria dos especialistas acredita que a pandemia da Covid-19 surgiu quando o vírus passou de um animal para um humano, mas não está claro se isso aconteceu neste mercado ou em algum momento durante a cadeia de suprimentos da criação de animais silvestres.

Foto de Noel Celis AFP via Getty Images (272050)

WUHAN, CHINA | “Fico arrepiado toda vez que passo por aqui”, relata o taxista ao parar perto do Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, em Wuhan, China. O mercado úmido – onde aves e mamíferos vivos são vendidos e abatidos no local – é onde a maioria dos primeiros pacientes com Covid-19 trabalhou ou visitou antes de serem hospitalizados em dezembro de 2019. “Huanan se tornou sinônimo do vírus”, diz ele.

O mercado está fechado desde 1º de janeiro de 2020, congelado no tempo atrás de altas paredes azuis. Espiando pela fresta do portão, vejo fileiras de barracas abandonadas sob um teto abobadado de plástico bege, uma cadeira azul vazia, uma rede de pesca, algumas caixas térmicas e uma lata de lixo transbordando. Uma placa vermelha anuncia o feixe de Wuchang, uma espécie de peixe característica do rio Yangtze, famoso por sua barriga macia e aromática. Outra placa diz “fresco e vivo”. 

À medida que o mundo entra no terceiro ano da pandemia de Covid-19, as origens precisas do vírus que causa a doença, o Sars-CoV-2, e o papel do mercado de Huanan no início do surto permanecem muito contestados. A maioria dos especialistas concorda que a Covid-19 surgiu devido a uma transmissão zoonótica – que acontece quando um vírus passa de animais selvagens para humanos. 

Mas não está claro exatamente quando e onde houve essa transmissão. Identificar onde ela ocorreu não é apenas uma questão de interesse acadêmico. “Tem implicações políticas importantes, que ajudarão a evitar práticas arriscadas e, esperamos, prevenir a próxima pandemia”, destaca Roger Frutos, virologista da Universidade de Montpellier, na França.

Uma vista aérea mostra o mercado atacadista de frutos do mar de Huanan.

Foto de Thomas Peter Reuters (265831)

Esta semana, após uma revisão abrangente dos dados disponíveis, uma equipe internacional publicou dois estudos na revista Science que juntos concluem que o mercado de Huanan foi o epicentro da pandemia. O trabalho sugere que duas versões intimamente relacionadas do Sars-CoV-2 passaram de um animal para um humano durante duas ocasiões distintas, provavelmente no mercado.

Os estudos apoiam a suspeita anterior de que “os animais no mercado eram o elemento-chave na transmissão precoce”, conta Dominic Dwyer, epidemiologista da Universidade de Sydney, Austrália. Ele não esteve envolvido em nenhum dos estudos, mas foi membro da equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) que visitou Wuhan no ano passado para investigar as origens da Covid-19. “Está claro que os vírus estavam circulando no mercado e depois explodiram”. 

Mas os cientistas ainda debatem se foi um animal infectado ou uma pessoa infectada que trouxe o vírus ao mercado em primeiro lugar. Além disso, os cientistas ainda precisam encontrar um animal infectado com um progenitor do Sars-CoV-2. 

Portanto, a conclusão de que a transmissão ocorreu no mercado se baseia inteiramente em evidências circunstanciais. “Não devemos basear afirmações importantes na correlação”, adverte Virginie Courtier, bióloga evolucionária da Universidade de Paris, França.

Está claro que Huanan vendeu animais selvagens vivos suscetíveis ao Sars-CoV-2 no final de 2019. Mas a transmissão pode ter acontecido com qualquer pessoa que manipulou os animais em toda a cadeia de suprimentos, incluindo as fazendas de animais selvagens onde as espécies são criadas para venda, diz Ronald Rosenberg, um virologista em Fort Collins, Colorado, que recentemente se aposentou dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês). 

De acordo com um relatório de 2017 encomendado pela Academia Chinesa de Engenharia, milhões de animais selvagens, de centenas de espécies, são criados para venda no país. O relatório estima que a indústria, que emprega cerca de 10 milhões de pessoas, vale 76 bilhões de dólares; apenas um quarto desse valor veio de animais criados para consumo.

E, a longo prazo, especialistas alertam que fechar mercados úmidos ou proibir o consumo de animais selvagens, como a China prometeu fazer, não será suficiente para evitar surtos de doenças. “Temos um problema muito maior”, alerta David Redding, biólogo conservacionista do Instituto de Zoologia de Londres, Reino Unido.

À medida que a agricultura se expande e se intensifica em todo o mundo, diferentes espécies de animais – tanto domesticadas quanto selvagens – que normalmente não se juntam, vão cada vez mais misturar e trocar patógenos, criando um caldeirão viral. Isso, diz Redding, é a causa raiz não apenas do Sars e da Covid-19, mas de outras doenças infecciosas que surgiram com frequência crescente nas últimas décadas.

Barracas fechadas no Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan, que era o local de um próspero comércio ilegal de vida selvagem. Uma pesquisa revelou que animais selvagens pertencentes a 38 espécies foram vendidos vivos e empilhados em condições precárias e anti-higiênicas, perfeitas para a mistura e transmissão de vírus.

Foto de Noel Celis AFP via Getty Images (272050)

Mercados úmidos: uma história preocupante

Mesmo antes da Covid-19, Huanan e outros mercados úmidos eram notórias ameaças à saúde pública devido ao seu potencial como terreno fértil para novos patógenos. Mais notavelmente, um mercado chinês foi considerado o marco zero para o surto de Sars em 2002, e outros mercados úmidos foram associados a vários surtos de gripe aviária nos últimos anos.

De fato, pesquisadores na China já estavam realizando pesquisas de rotina de animais vivos vendidos no mercado de Huanan. Em resposta a surtos de uma doença mortal transmitida por carrapatos, uma equipe de cientistas estava investigando quatro mercados em Wuhan – incluindo Huanan – todos os meses entre maio de 2017 e novembro de 2019. Esses dados, publicados na Scientific Reports no ano passado, se tornaram um recurso valioso para cientistas que tentam entender as origens do Sars-CoV-2.

A equipe revelou que esses mercados abrigavam quase 48 mil animais selvagens enjaulados, pertencentes a 38 espécies, quase todos vendidos vivos e empilhados em condições apertadas e anti-higiênicas, perfeitas para a mistura e transmissão de vírus. 

Todo o comércio de vida selvagem que os cientistas pesquisaram nesses quatro mercados era ilegal. Muitos comerciantes vendiam espécies protegidas, e nenhum possuía os certificados exigidos declarando a origem dos animais ou que estavam livres de doenças. 

Essa pesquisa foi uma das principais evidências usadas nos novos artigos da Science, juntamente com um estudo realizado em conjunto pela OMS e pela China, publicado em março do ano passado, e um relatório vazado do CDC chinês datado de 22 de janeiro de 2020, que descreveu algumas das amostras ambientais coletadas em Huanan no início de 2020.

As análises mostram que a maioria das amostras ambientais que deram positivo para Sars-CoV-2 estavam concentradas na seção sudoeste do mercado de Huanan, onde se vendiam ilegalmente espécies de animais vivos suscetíveis ao vírus – incluindo cães-guaxinim, raposas vermelhas e ratos de bambu — nas semanas que antecederam os primeiros surtos. 

Uma única barraca naquela parte do mercado – de número 29 – rendeu cinco amostras positivas, e quatro delas eram de itens aparentemente associados ao comércio de animais selvagens: uma gaiola de metal, uma máquina para remover pêlos ou penas e dois carrinhos para transporte de animais. 

A explicação mais provável é que o vírus nessas amostras veio de um animal infectado, indicando um evento de transmissão no mercado, aponta Edward Holmes, virologista da Universidade de Sydney, na Austrália, e coautor de ambos os artigos da Science

Mas os cientistas que procuram as origens da Covid-19 estão frustrados porque os animais infectados com um progenitor do Sars-CoV-2 permanecem indescritíveis. Quando se suspeitava que Huanan fosse a fonte do surto inicial, os comerciantes que vendiam ilegalmente animais selvagens vivos desapareceram com seus animais. Vários grupos de pesquisa correram para rastrear a vida selvagem infectada sem sucesso.

Entre 7 e 18 de janeiro de 2020, Tian Junhua, do CDC de Wuhan, e seus colegas coletaram amostras de animais selvagens perto da cidade, incluindo 15 cães-guaxinim de fazendas que abasteciam Huanan e centenas de morcegos – eles não encontraram vestígios de Sars-CoV-2

Os cientistas que fizeram parte do estudo conjunto OMS-China também não conseguiram encontrar o vírus quando analisaram mais de 600 amostras de fazendas na província de Hubei que abasteciam o mercado de Huanan. A análise de quase 2 mil amostras pertencentes a mais de duas dúzias de espécies de vida selvagem das províncias do sul de Yunnan, Guangdong e Guangxi, que abrigam vários morcegos portadores de coronavírus, também não conseguiu fornecer amostras de Sars-CoV-2.

Rosenberg não está surpreso que os pesquisadores tenham saído de mãos vazias. Ele diz que rastrear a fonte de uma nova doença zoonótica é como procurar uma agulha no palheiro, e é especialmente desafiador – se não impossível – quando a infecção de uma população animal pode ser apenas passageira. 

Como provar o início da transmissão em Wuhan?

Sem se concentrar na vida selvagem infectada, uma maneira de provar a transmissão em Huanan é encontrar o vírus no animal do mercado que iniciou a pandemia. Se a Covid-19 surgiu quando um vírus passou de um animal para um humano em Huanan, deve ser possível encontrar no mercado um progenitor do Sars-CoV-2 diferente dos humanos. Mas tal vírus não foi encontrado. 

Em um estudo publicado em fevereiro, que ainda não foi revisado por pares, uma equipe liderada por George Gao, diretor do CDC chinês que deixou o cargo nesta semana, revelou uma análise completa das 800 amostras ambientais de Huanan, incluindo poços de esgoto, piso, paredes, freezers e gaiolas de animais. Dois terços das 64 amostras positivas vieram da seção sudoeste do mercado, onde animais selvagens vivos eram vendidos. 

Quatro dessas amostras positivas – nenhuma do Stall 29 que Holmes e seus colegas acreditam ter sido onde ocorreu a transmissão – produziram sequências genômicas completas idênticas ao Sars-CoV-2 humano. Portanto, a equipe chinesa concluiu que os vírus foram disseminados por humanos, e não por animais, reforçando a ideia de que o mercado era um amplificador do vírus, não a fonte. 

Muitos cientistas são céticos. É difícil verificar a conclusão, pois os dados que a equipe de Gao usou não estão disponíveis publicamente, diz Andrew Rambaut, biólogo evolucionário da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, e coautor de ambos os artigos da Science

Ele observa que amostras positivas do mercado contêm materiais genéticos de animais, e ele gostaria de saber quais espécies eram, a quantidade de material genético e como isso pode se correlacionar com a localização das barracas de animais selvagens. Além disso, os autores dos dois novos artigos da Science acham que encontraram pistas genéticas para a transmissão no mercado. 

Joel Wertheim, da Universidade da Califórnia, em San Diego, liderou uma equipe que examinou quase 800 sequências virais iniciais que foram amostradas em todo o mundo antes de fevereiro de 2020. Eles encontraram duas formas de Sars-CoV-2 , apelidadas de A e B, que diferem por apenas duas unidades de código genético. Crucialmente, essas formas deram origem a duas gigantescas explosões de diversidade genômica no início da pandemia. Weitherm chama isso de “um sinal revelador” de que duas versões intimamente relacionadas do vírus passaram de animais para humanos em duas ocasiões distintas.

Ambas as linhagens A e B apareceram em algumas das amostras ambientais de Huanan que a equipe chinesa do CDC analisou, observa Michael Worobey, biólogo evolucionário da Universidade do Arizona, em Tucson, EUA, e também coautor de ambos os artigos da Science

Se a teoria das duas transmissões se mantém, então é mais provável que ambas tenham ocorrido no mercado – uma hipótese que ele considera mais provável do que um cenário em que dois indivíduos infectados de fora de Huanan trouxeram os vírus para o mesmo mercado. 

“É uma bala de canhão toda essa ideia de que o mercado de Huanan foi apenas um evento amplificador”, acredita Worobey. 

Equipe brasileira participa do teste final da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford:

Mas outro trabalho sugere que uma terceira linhagem de vírus, que surgiu no mais tardar em outubro, é a que deu origem a todos os genomas do Sars-CoV-2. Em um estudo publicado na Bioinformatics, em março, uma equipe liderada por Sudhir Kumar, da Temple University, na Filadélfia, EUA, analisou mais de um milhão de sequências genômicas do Sars-CoV-2 coletadas em todo o mundo e concluiu que havia apenas um ancestral comum, indicando apenas uma transmissão. 

Esses estudos usaram métodos diferentes para inferir a evolução viral com base em sequências genômicas observadas, e ambas as abordagens têm incertezas. Então, vários cientistas abordados pela National Geographic dizem que suas conclusões devem ser tomadas com cautela.

Mas, embora a localização precisa da transmissão permaneça obscura, a maioria dos virologistas e especialistas em doenças infecciosas concorda que o comércio de animais selvagens na China desempenhou um papel central no início do incêndio pandêmico. Há, diz Frutos, uma necessidade urgente de analisar os riscos em toda a cadeia de suprimentos. 

Qual é o futuro da criação de animais selvagens?

Em uma tarde nublada de dezembro do ano passado, entrei no movimentado mercado Qiyimen, no centro de Wuhan – um dos quatro mercados que os pesquisadores encontraram vendendo animais selvagens vivos ilegalmente. O ar estava com cheiro de peixe e havia muito barulho de vendedores apregoando suas mercadorias. Os moradores passavam por fileiras de barracas com produtos frescos, desde raízes de lótus e enguias nadadoras até coelhos esfolados pendurados em ganchos. 

Quando perguntados sobre yewei (“gosto selvagem”), os vendedores ficaram impassíveis. “Não mencione essa palavra,” um me disse. “Não é mais permitido.”

A China proibiu o consumo de animais selvagens desde fevereiro de 2020. Mas muitos cientistas dizem que não é o suficiente para prevenir pandemias, porque inúmeras espécies não domesticadas ainda estão sendo criadas para peles, couro, medicina tradicional chinesa, zoológicos, animais de estimação, parques de vida selvagem e pesquisas.

“É literalmente a criação de animais selvagens com esteróides”, destaca Peter Li, especialista em política de vida selvagem da Universidade de Houston-Downtown, no Texas.

Até recentemente, pouco se sabia sobre os riscos à saúde pública representados pela criação de animais selvagens. Em fevereiro, uma equipe internacional de cientistas liderada por pesquisadores na China relatou a descoberta de mais de cem novos tipos de vírus em amostras coletadas de quase 2 mil animais selvagens de criação, pertencentes a 18 espécies – muitas das quais foram vendidas no mercado de Huanan. Duas dúzias desses vírus foram consideradas de alto risco para humanos. Muitos deles, incluindo novas espécies de coronavírus e influenza, têm alto potencial de transmissão entre as espécies. 

Alguns dos animais amostrados pela equipe estavam doentes – muitas vezes com tosse, coriza ou diarreia – mas muitos indivíduos infectados não apresentavam sinais óbvios da doença. Como nos humanos, os vírus podem circular silenciosamente em animais selvagens, diz Holmes, passando de uma espécie para outra e em constante mutação. 

Isso fica mais fácil quando várias espécies são criadas na mesma fazenda e alojadas juntas em estruturas lotadas e mal ventiladas. Para agravar o problema, poucos agricultores adotam medidas básicas de biossegurança, como desinfecção antes e depois de entrar no celeiro ou usar luvas ao manusear animais mortos. É incrivelmente perigoso lidar com animais cheios de vírus sem qualquer proteção, alerta Holmes. “Mesmo os padrões de biossegurança mais frouxos em um laboratório são mil vezes melhores.” 

Além disso, os animais são transportados regularmente por todo o país sem quarentena, facilitando potencialmente a propagação de doenças emergentes, diz Li. A maior preocupação é que novos patógenos têm amplas oportunidades de infectar animais de criação porque muitas fazendas de vida selvagem estão próximas a áreas florestais, e os agricultores geralmente capturam animais selvagens para reabastecer seu estoque.

Considerando a situação, é altamente provável que surtos virais transitórios assolem as fazendas de vida selvagem de vez em quando, diz Frutos. Na maioria dos casos, os trabalhadores infectados podem desenvolver apenas sintomas leves ou inexistentes, e os vírus morrem após a transmissão limitada. 

Em uma simulação de computador que a equipe de Wertheim publicou na Science, no ano passado, 95% dos vírus transmitidos em ambientes rurais escassamente povoados seriam extintos. “Você precisaria de um número razoável de pessoas e de contatos para sustentar a transmissão”, esclarece. 

À medida que as transmissões acontecem com mais frequência, porém, as chances delas ocorrerem de humano para humano aumentam – principalmente à medida que mais pessoas se deslocam entre as fazendas e os ambientes urbanos, como mercados úmidos. 

China: um país na encruzilhada

Para a Covid-19, a primeira pessoa infectada poderia ter sido um intermediário que coletava animais de várias fazendas e os entregava a mercados e armazéns da cidade, uma prática comum na China e no Sudeste Asiático, diz Frutos. 

Essa pessoa poderia ter infectado alguns dos fornecedores em Huanan e outros locais em Wuhan, uma teoria consistente com a descoberta de Gao de que o Sars-CoV-2 estava presente no ambiente de vários mercados e armazéns associados na cidade. 

Fundamentalmente, diz Frutos, tais cenários não contam com infecção generalizada persistente em animais porque o vírus progenitor pode ter adquirido potencial pandêmico somente após evolução e seleção em humanos. 

Esse cenário hipotético ressalta uma percepção crescente de que as pessoas podem ser infectadas com novos patógenos com mais frequência do que era reconhecido anteriormente. “A maioria dessas infecções passaria despercebida ou mal diagnosticada”, diz Rosenberg. 

Em dois estudos separados, cientistas do Instituto de Virologia de Wuhan descobriram que até 4% das pessoas que vivem perto de morcegos e trabalham em estreita colaboração com a vida selvagem no sul da China foram infectadas com vírus animais potencialmente perigosos, incluindo coronavírus. A taxa de infecção foi de 9% entre os açougueiros, embora nenhum tenha desenvolvido sintomas graves.

Esses eventos de transmissões frequentes foram provavelmente as faíscas que causaram os surtos de Sars e a pandemia de Covid-19, diz Frutos.

Os cientistas admitem que não têm todas as respostas e podem nunca saber ao certo de onde veio a Covid-19, não muito diferente de muitas outras doenças infecciosas emergentes. Mas sabe-se o suficiente que a criação de animais selvagens na China continua a representar uma grave ameaça à saúde pública global, diz Holmes.

Além de proibir o consumo de animais selvagens, Holmes diz que a China deve intensificar as medidas de biossegurança em toda a cadeia de suprimentos da vida selvagem, pesquisando regularmente a vida selvagem cultivada e seus manipuladores quanto à infecção. 

Essa vigilância, acrescenta ele, deve prestar atenção especial a animais como martas e cães-guaxinins, que são conhecidos por serem suscetíveis à infecção por coronavírus e continuam sendo criados em grandes quantidades na China por causa de suas peles.

A China não é de forma alguma única; muitas outras nações praticam a criação de animais selvagens e comercializam em mercados úmidos. Ainda assim, muitos cientistas dizem que o país está agora em uma encruzilhada. Se não conseguir colocar sua casa em ordem, diz Li, “é improvável que a Covid-19 seja a última pandemia a sair da China”.

A reportagem para este artigo foi apoiada por uma doação do Pulitzer Center.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Por que as variantes BA.4 e BA.5 da Omicron estão causando novos surtos nos EUA?
Ciência
Perdeu o olfato por covid-19? Veja como retreinar seu cérebro
Ciência
Mesmo casos leves de covid podem encolher o cérebro
Ciência
Esta prática médica do século 19 pode curar a covid longa?
Ciência
‘Flurona’: o que esperar da infecção simultânea de covid-19 e gripe

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados