Varíola dos macacos: nova cepa letal avança na África Central e alerta o mundo

Especialistas estão pedindo medidas mais duras para impedir a propagação de uma variante, encontrada na República Democrática do Congo, que é 10 vezes mais mortal do que a cepa global.

Depois de perder uma filha para a varíola dos macacos, Blandine Bosaku, de 18 anos, que está grávida, recebeu tratamento com antibióticos em uma clínica de saúde rural no norte da República Democrática do Congo. Quando uma mulher grávida fica doente com a varíola dos macacos, a doença pode ser transmitida ao feto, diminuindo a chance de sobrevivência do bebê. Especialistas em saúde estão pedindo maior vigilância de doenças em partes tão remotas da África para detectar melhor os primeiros sinais de um surto. 

Foto de Brent Stirton
Por Rene Ebersole
Publicado 21 de out. de 2022 12:21 BRT

Uma mulher grávida de oito meses coberta, da cabeça aos pés, por lesões. Crianças pequenas com febre e feridas dolorosas. Um pai pedindo dinheiro para comprar antibióticos para seu filho doente de cinco anos, depois que ele enterrou outras duas crianças pequenas infectadas com a varíola dos macacos.

Essas memórias atormentam Divin Malekani, ecologista da Universidade de Kinshasa, na República Democrática do Congo (RDC), que presta consultoria em projetos com a Wildlife Conservation Society, entidade sem fins lucrativos, para ajudar a reduzir a exposição humana a doenças transmitidas por animais. “Vi muitos casos de pessoas doentes com varíola dos macacos”, ele conta, sobre uma viagem no ano passado a uma província remota do noroeste do país.

O Rio Sangha é uma rota comercial popular para mercadorias e caça selvagem de macacos, roedores e veados, que são vendidos em mercados de vilarejos na República do Congo e nos Camarões. Alguns pesquisadores dizem que a chave para reduzir o risco de transmissão de doenças infecciosas da vida selvagem para as pessoas é proteger as florestas contra a invasão humana.

Foto de Brent Stirton

A varíola dos macacos, uma doença viral relacionada à varíola com duas variantes conhecidas, foi descoberta em 1958, após ser identificada em uma colônia de macacos de pesquisa em um laboratório em Copenhague, Dinamarca. (Os cientistas pensam que os roedores, e não os primatas, são o principal reservatório da doença.)

A forma mais branda da doença é a Clade 2, também conhecida como variante da África Ocidental, que se tornou global em maio. Até o momento, infectou mais de 70 000 pessoas, matando pelo menos 26, em mais de uma centena de países e territórios. Os casos nos EUA e no mundo estão diminuindo graças a vacinações e mudanças no comportamento sexual.

Enquanto isso, outra variante – dez vezes mais mortal – está latente na África Central.

Os Centros de Controle de Doenças da África relatam que a maioria dos 3500 casos suspeitos de Clade 1 (ou cepa da Bacia do Congo) este ano, incluindo mais de 120 mortes, estão na RDC. A Nigéria, onde o surto de Clade 2 começou, teve cerca de 700 casos suspeitos, com menos de 10 mortes.

Especialistas em saúde da National Geographic consultados sobre o aumento constante da variante do Clade 1 na África Central dizem que os países devem se preocupar com sua ameaça às comunidades globais e tomar medidas mais fortes para impedir que ela e outras doenças transmitidas por animais se espalhem em todo o mundo.

“Se a cepa da África Ocidental pode se espalhar para a Europa, América e outras partes do mundo, a variante mais virulenta e patogênica da Bacia do Congo também pode ir para lá”, alerta o especialista em doenças infecciosas Dimie Ogoina, da Niger Delta University, na parte sul de Nigéria. “As partes interessadas internacionais da saúde devem ser deliberadas para ajudar a combater a varíola e outras doenças na África. Se não fizermos isso, a doença voltará para nos assombrar.”

Varíola dos macacos: avisos não atendidos

Ogoina sabe uma coisa ou outra sobre a varíola dos macacos: ele é o pediatra que, em setembro de 2017, confirmou a doença em um menino de 11 anos – o primeiro caso de varíola humana na Nigéria em quase 40 anos. Ele também é o pesquisador que alertou, há quatro anos, que parecia haver uma mudança alarmante não apenas na forma como o vírus era transmitido, mas também em quem estava sendo infectado.

Arthur Bengo, 28 anos, diz ter sido infectado com a varíola dos macacos depois de comer um macaco que matou para alimentar sua família no norte da República Democrática do Congo. À medida que sua febre aumentava, ele desenvolveu lesões dolorosas que deixaram cicatrizes em seu rosto e corpo. Os Centros de Controle de Doenças da África relatam mais de 3500 casos de varíola de macaco na RDC, incluindo mais de 120 mortes este ano.

Nos primeiros dias do surto, os especialistas achavam que a doença estava se comportando como sempre em outras partes da África, afetando principalmente pessoas que interagiram com animais selvagens infectados com varíola, muitas vezes enquanto os caçavam, preparavam a carne ou se aproximavam deles. Normalmente, esses surtos fracassariam.

Mas, de repente, Ogoina e seus colegas notaram uma tendência incomum: a maioria das pessoas diagnosticadas com a varíola dos macacos em sua clínica não vivia em áreas rurais – eram jovens profissionais de classe média de cidades movimentadas, e suas lesões estavam fortemente concentradas em seus genitais. A comunidade de saúde duvidou das descobertas de Ogoina. “O que estávamos vendo estava fora do normal”, lembra. “Então, as pessoas não estavam dispostas a aceitá-lo.”

Passamos rapidamente para o surto global de varíola dos macacos em 2022. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças relataram recentemente que os homens respondem por 99% dos casos de varíola nos EUA.

Alguns especialistas em doenças dizem que os céticos perderam uma importante oportunidade de acabar com o surto antes que ele decolasse. “Precisamos fazer uma vigilância muito melhor de doenças em populações de alto risco”, reconhece Anne Rimoin, pesquisadora de doenças infecciosas da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, que estuda a varíola há duas décadas na RDC. 

“Os lugares mais difíceis e caros para fazer isso são nas áreas rurais e remotas da África”, conta a pesquisadora. “Mas com o crescimento das populações humanas, mobilidade e comércio, esses vírus podem aparecer facilmente à nossa porta.”

Rimoin alerta há anos que os casos de varíola dos macacos estão aumentando, principalmente na RDC, onde a doença foi descoberta em humanos em 1970, em um bebê de nove meses. Ela e seus colegas publicaram um estudo em 2010, revelando que a taxa de incidência de varíola no país aumentou 20 vezes durante os 30 anos desde o fim das vacinas contra a varíola, que simultaneamente suprimiram a doença. Os pesquisadores disseram que ignorar o aumento de casos seria desperdiçar uma chance “de combater o vírus enquanto seu alcance geográfico ainda é limitado”.

“Os casos de varíola continuaram a aumentar nos últimos 12 anos na RDC, bem como em outros países da África Central e Ocidental”, diz Rimoin. Embora o modo de transmissão de Clade 1 – da vida selvagem para as pessoas – seja diferente da maneira como a doença se espalhou da África Ocidental para o mundo, isso pode mudar. “Só porque não estamos vendo agora, não significa que não veremos. Se a pandemia da Covid-19 nos ensinou alguma coisa”, diz ela, “é que um caso em qualquer lugar é potencial para uma infecção em todos os lugares”.

Como prevenir a transmissão da varíola dos macacos

Mais de 60 anos após a descoberta da varíola em macacos de laboratório, os cientistas ainda estão lutando para identificar os animais selvagens nos quais o vírus vive, cresce e se multiplica, principalmente.

Em 2012, o ecologista da Universidade de Kinshasa (RDC) Divin Malekani juntou-se a uma equipe de pesquisa que tentava diminuir o número de suspeitos. Os cientistas capturaram ou compraram de caçadores mais de 350 mamíferos em uma área da RDC onde as infecções por varíola dos macacos ultrapassaram 660 pessoas por ano, em média. Eles encontraram anticorpos contra a varíola em sete animais, incluindo esquilos (Funisciurus congicus), um arganaz africano e um rato gigante, que são fontes de alimento. 

Cerca de 27 milhões de pessoas na RDC – um quarto da população – lutam contra a fome, segundo as Nações Unidas. Muitos não têm escolha a não ser caçar para sobreviver.

A cidade de Oesso, às margens do rio Sangha, na República do Congo, é um importante centro para o comércio de carne selvagem. Animais e outras mercadorias são transportados por poços de madeira, automóveis e motocicletas. Os vendedores locais oferecem a carne pela metade do preço que ela pode obter nas grandes cidades, onde o surto de doença pode se espalhar rapidamente, infectando milhões.

Ver carne selvagem infectada com varíola dos macacos chegando a um mercado em Kinshasa, a maior cidade da África, preocupa Malekani e outros. Os países precisam ajudar as pessoas a reduzir o consumo de carne selvagem para evitar o surgimento de pandemias, diz Sarah Olson, epidemiologista da Wildlife Conservation Society. “Isso não vai colocar “o gênio de volta à garrafa”, mas pode reduzir a transmissão futura de varíola e outras doenças da vida selvagem para as pessoas.”

Para se preparar e responder a doenças infecciosas alinhando países, a Organização Mundial da Saúde (OMS) está tomando medidas para um tratado internacional de pandemia legalmente vinculante. Alguns pesquisadores estão preocupados com o fato de o foco estar muito pesado no tratamento da doença quando ela chega aos seres humanos, em vez de se esforçar primeiramente para impedir que os patógenos dos animais sejam transmitidos para humanos.

As transmissões acontecem porque os humanos se intrometem com a natureza. A derrubada de florestas para extração de madeira, agricultura e cidades penetra em ecossistemas repletos de vida selvagem. Quando as pessoas trocam animais selvagens por alimentos, animais de estimação e fins medicinais, elas correm o risco de exposição a patógenos. E para pessoas empobrecidas que vivem em partes remotas da África, os cuidados médicos – quando disponíveis – podem ser inacessíveis.

Podemos evitar transmissões, diz Aaron Bernstein – diretor interino do Centro de Clima, Saúde e Meio Ambiente Global, da Harvard TH Chan School of Public Health – protegendo as florestas, proibindo ou regulando estritamente o comércio de animais selvagens e melhorando as condições agrícolas. Outro passo crucial: ajudar as pessoas que vivem em focos de doenças a terem acesso a oportunidades de emprego e fontes de alimentos, além da carne selvagem.

“Sempre precisaremos de vacinas, testes, medicamentos e infraestrutura de saúde pública”, diz Bernstein, “mas focar apenas nisso é como tentar lidar com a mudança climática apenas construindo diques e deixando as emissões de gases de efeito estufa passarem pelo telhado. ” Isso é o que está acontecendo com doenças infecciosas'', destaca. “Estamos essencialmente dizendo que vamos gastar dezenas de bilhões de dólares tentando conter essas coisas depois que elas acontecerem, sem reconhecer a causa raiz.”

Henriete Bakete Wanda, 13 anos, está sentada em uma sala de isolamento hospitalar onde está recebendo tratamento antibiótico para uma infecção por varíola de macaco depois que sua mãe rapidamente reconheceu os sintomas e procurou ajuda. Uma em cada 10 pessoas infectadas com a virulenta cepa de macaco Clade 1 morre devido à doença.

Enquanto isso, na RDC, educadores do Fundo Internacional de Conservação e Educação estão viajando de vila em vila, mostrando um vídeo com pessoas locais falando sobre suas experiências com a varíola e como evitá-la.

Um homem disse que a febre de seu bebê subiu tanto que ele sentiu como se estivesse dormindo ao lado de uma fogueira. No hospital, o bebê desenvolveu lesões dolorosas que se espalharam por todo o corpo, rosto, mãos e pés. 

A doença tornou-se tão grave que o bebê morreu, deixando seus pais perplexos. Outros aldeões compartilharam histórias semelhantes sobre a intensidade da cepa mais mortal da varíola dos macacos – crianças com “inchaços” em seus rostos e gargantas tão inchadas que mal conseguiam beber ou comer.

“Se tivéssemos que jogar um dado, na verdade tivemos sorte com qual variante se espalhou ao redor do mundo”, diz Olson. “Ainda há uma oportunidade de entender o que está acontecendo com essa outra variante do vírus antes que ela fique fora de controle.”

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

Ciência
Mesmo casos leves de covid podem encolher o cérebro
Ciência
Qual é a temperatura média do corpo humano? Ela está mudando?
Ciência
Da inflamação à depressão, a eletricidade está transformando a medicina
Ciência
O que é a poliomielite?
Ciência
O que virá depois da Ômicron? Novas variantes estão surgindo

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados