Como o uso excessivo das telas afeta o cérebro

Elas podem ser muito úteis, mas a exposição às telas de dispositivos por muito tempo pode trazer consequências para a saúde cerebral a longo prazo.

Um jovem casal se concentra em seus telefones.

Foto de Danielle Villasana
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 24 de fev. de 2023, 16:45 BRT

Através do uso de telefones celulares, computadores ou televisores, as pessoas podem aprender, se divertir e interagir uns com os outros. No entanto, nem tudo nesta dinâmica de uso é positivo. Estar na frente das telas por longos períodos de tempo pode ter efeitos nocivos à saúde.

O uso da tela pode afetar os ritmos circadianos

Os ritmos circadianos do nosso corpo – mudanças físicas, mentais e comportamentais que seguem um ciclo de 24 horas e respondem principalmente à luz e à escuridão – são afetados pela exposição às telas dos aparelhos eletrônicos. 

Dados do Instituto Nacional de Ciências Médicas Gerais (Nigms, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, indicam que a luz dos dispositivos durante a noite pode confundir os relógios biológicos. Como resultado, ela pode causar distúrbios do sono e levar a outras condições médicas crônicas, tais como obesidade, diabetes ou depressão.

Além disso, o tempo de tela pode substituir o tempo gasto com exercícios, este, sim, benéfico para o sono. A informação está publicada no artigo intitulado “Aumento do tempo de tela como causa de diminuição da saúde física, saúde psicológica e padrões de sono: uma revisão da literatura”, de 2022, publicado na revista científica médica Cureus.

As telas afetam o sistema de recompensa do cérebro

Por outro lado, o tempo de tela dessensibiliza o sistema de recompensa do cérebro, de acordo com um artigo informativo de Victoria Dunckley, psiquiatra e autora do livro “Reset Your Child's Brain” (“Redefina o Cérebro do seu Filho”, em tradução livre), publicado no site da Universidade do Estado de Nova York, nos Estados Unidos. 

Como relata o material, os jogos eletrônicos e redes sociais fazem com que algumas crianças fiquem "viciadas" nos dispositivos e liberam muita dopamina (um neurotransmissor que gera uma sensação de bem-estar). "Mas quando os caminhos de recompensa são usados em excesso, eles se tornam menos responsivos e é necessário cada vez mais estímulo para experimentar o prazer".

A exposição excessiva na tela afeta o desenvolvimento cognitivo

Passar muito tempo diante de uma tela afeta o desenvolvimento cerebral e aumenta o risco de distúrbios cognitivos, emocionais e comportamentais em adolescentes e jovens adultos. 

É o que explica o artigo “Demência digital na geração da Internet: o tempo excessivo de tela durante o desenvolvimento do cérebro aumentará o risco de doença de Alzheimer e demências relacionadas na vida adulta”, publicado no Journal of Integrative Neuroscience em 2022.

Segundo o estudo, o tempo de tela excessivo "afeta negativamente a atenção e a concentração, a aprendizagem e a memória, a regulação emocional e o funcionamento social, a saúde física, e o desenvolvimento de distúrbios mentais e de uso de substâncias".

A exposição precoce à tela aumenta o risco de Alzheimer

Um artigo publicado no Journal of Integrative Neuroscience vai pelo mesmo caminho e também adverte: "Se os circuitos neurais subjacentes às habilidades cognitivo-comportamentais essenciais para a inteligência geral e adaptabilidade durante toda a vida são subdesenvolvidos ou anormalmente desenvolvidos antes da idade adulta”, diz o documento. 

A investigação científica continua e diz que “é provável que essas mudanças persistam na idade adulta precoce e média e sejam mais vulneráveis à neurodegeneração acelerada na idade adulta tardia, o que aumentará o risco de leve comprometimento cognitivo e doença de Alzheimer precoce e demências relacionadas".

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados