A Terra acaba de bater um recorde de calor. E não será o último

Com o passar do século, nossa tolerância ao calor será levada ao limite. Mas quão quente o planeta pode ficar?

Por Madeleine Stone
Publicado 7 de jul. de 2023, 10:22 BRT
extreme-heat

Visitantes da Escadaria da Praça da Espanha, em Roma, Itália, se refrescam do calor do verão. Graças a uma combinação de mudança climática e ao El Niño deste ano, a Terra viveu recentemente o dia mais quente já registrado.

Foto de Antonio Masiello Getty Images

Em meio a ondas de calor nos Estados Unidos, no início desta semana a temperatura média global atingiu 17 ºC. Essa foi a temperatura média mais quente já registrada pelos Centros Nacionais de Previsão Ambiental desde que a organização começou a manter registros em 1979. O recorde anterior foi de 16,92 ºC, registrado em agosto de 2016.

A Terra já viu dias mais quentes no passado e os verá novamente no futuro. Durante os chamados períodos de estufa, quando a atmosfera era sobrecarregada com gases de efeito estufa, o planeta era muito mais quente do que é hoje, e as piores ondas de calor eram, consequentemente, um pesadelo. 

Embora as emissões humanas de carbono ainda não tenham levado a Terra a um novo estado de estufa, a mudança climática está tornando as ondas de calor mais frequentes e severas. A Terra não será tão escaldante e inabitável como Vênus tão cedo – as temperaturas lá são quentes o suficiente para derreter chumbo –, mas o calor que desafia os limites da tolerância humana ocorrerá com mais frequência com o passar do século, dizem os cientistas.

E em um futuro muito, muito distante, a Terra poderá realmente se tornar como Vênus.

Passado de calor escaldante na Terra

Embora possa não parecer, a Terra está atualmente no que os geólogos consideram um clima de estufa: um período frio o suficiente para suportar um ciclo de idade do gelo, no qual grandes camadas de gelo continentais aumentam e diminuem perto dos polos. Para se ter uma ideia de como seria um mundo muito mais quente, precisamos voltar pelo menos 50 milhões de anos atrás, até o início do Eoceno.

"Esse foi o último clima realmente quente que a Terra experimentou", diz Jessica Tierney, paleoclimatologista da Universidade do Arizona, Estados Unidos.

Atualmente, a temperatura média da Terra gira em torno de 15 ºC. Durante o início do Eoceno, a temperatura estava próxima de 21 ºC e o mundo era um lugar diferente. Os polos não tinham gelo; os oceanos tropicais fervilhavam em temperaturas de spa de 35 ºC. Palmeiras e crocodilos viviam no Ártico. Vários milhões de anos antes disso, no Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno (MTPE), as coisas eram ainda mais quentes.

Períodos de estufa mais extremos se escondem nos recessos mais profundos do tempo geológico. Durante a Estufa Quente do Cretáceo, há 92 milhões de anos, as temperaturas da superfície global subiram para cerca de 29 ºC e permaneceram quentes por milhões de anos, permitindo que as florestas tropicais temperadas florescessem perto do Polo Sul. 

Há cerca de 250 milhões de anos, a fronteira entre o período Permiano e o Triássico é marcada por um evento de aquecimento global extremo, em que a temperatura média da Terra flertou com 35 ºC por milhões de anos, de acordo com uma reconstrução preliminar do Smithsonian Institution.

Nesse intervalo infernal, a Terra experimentou a pior extinção de vida de sua história. Os oceanos tropicais eram como uma banheira de hidromassagem. Não temos dados meteorológicos diários do Permiano (ou de qualquer outro capítulo antigo da história da Terra), mas é provável que, no vasto e seco interior do supercontinente Pangea, a onda de calor registrada essa semana nos EUA teria sido apenas mais um dia.

"Quanto mais quentes forem essas condições médias, mais frequentemente você verá eventos de calor realmente extremos", diz Tierney. Nos dias mais quentes durante as épocas mais quentes, "lugares como um deserto ficariam piores".

O futuro do aquecimento da Terra

Todos os períodos recentes de aquecimento da Terra parecem ter uma coisa em comum: eles foram precedidos por um pulso maciço de gases de efeito estufa na atmosfera, seja por erupções vulcânicas que expeliram dióxido de carbono ou por metano que borbulhava do fundo do mar. Atualmente, os seres humanos estão realizando um experimento planetário semelhante ao queimar enormes reservas de carbono fóssil, elevando os níveis de dióxido de carbono na atmosfera a uma taxa nunca vista desde a extinção dos dinossauros, há 65 milhões de anos, e talvez muito antes.

"Normalmente, quando vemos uma mudança rápida no clima [no passado], ela é impulsionada por mecanismos semelhantes aos que estamos fazendo hoje", diz Kristin Bergmann, cientista da terra do MIT. "Há uma mudança bastante rápida nos gases de efeito estufa que aquecem nosso planeta."

Como no passado, as temperaturas médias globais estão aumentando rapidamente. E os dias extremamente quentes também são mais frequentes, com estudo após estudo concluindo que as recentes temperaturas recordes teriam sido praticamente impossíveis sem a nossa influência.

É difícil prever exatamente o quão quente a Terra poderá ficar se continuarmos a colocar carbono na atmosfera, dizem os especialistas. Michael Wehner, pesquisador de condições climáticas extremas do Lawrence Berkeley National Laboratory,  ressalta que “o aumento das temperaturas de futuras ondas de calor depende muito do quanto de dióxido de carbono iremos emitir no futuro".

No entanto, uma pesquisa recente de Wehner e seus colegas oferece uma visão de como poderão ser as ondas de calor do futuro se não reduzirmos nossas emissões de carbono: até o final do século, as ondas de calor na Califórnia poderão atingir temperaturas cerca de 10 a 14 graus Fahrenheit mais altas do que as atuais.

Um destino semelhante ao de Vênus?

Se você for um niilista, poderá apontar que tudo isso é insignificante em comparação com o que a Terra provavelmente experimentará em um futuro distante. Os cientistas planetários previram há muito tempo que, à medida que o Sol envelhece e se torna mais brilhante, a superfície da Terra acabará se aquecendo a ponto de os oceanos começarem a ferver como água em um fogão. 

O vapor de água, um potente gás de efeito estufa, entrará na atmosfera, desencadeando um efeito estufa descontrolado que, em um bilhão de anos, poderá transformar nosso mundo em algo não muito diferente de nosso vizinho, Vênus. Lá, sob uma atmosfera espessa, tóxica e sulfurosa, as temperaturas da superfície estão próximas de 482 ºC.

"A suposição é que, à medida que o Sol continuar a brilhar, o mesmo acontecerá na Terra", diz o cientista planetário da Universidade Estadual da Carolina do Norte, Paul Byrne, acrescentando que, bilhões de anos atrás, nosso vizinho planetário poderia ter tido um clima agradável e oceanos.

É possível que Vênus não tenha sido arruinado pelo Sol. Um trabalho recente de modelagem sugere que o culpado pode ter sido uma série de paroxismos vulcânicos que causaram "liberações bíblicas de CO2 na atmosfera", diz Byrne. Mas qualquer um dos cenários – morte por calor planetário pelo Sol ou por vulcões – aponta para uma maneira pela qual eventos muito além do nosso controle podem levar o clima futuro da Terra a uma reviravolta terrivelmente quente.

"Não sei se serão exatamente 400 ºC ou não", diz Byrne, referindo-se à temperatura na superfície de Vênus. Mas, se a Terra passar por uma transição semelhante à de Vênus, "ela será muito, muito quente".

Mesmo que a Terra consiga escapar do destino de Vênus, não há como evitar ser atingido por um “maçarico” em cerca de cinco bilhões de anos. Nessa época, o Sol se expandirá e se tornará uma estrela gigante vermelha, engolindo a Terra em uma chama ardente.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados