Como é feito o soro antiofídico, que combate o veneno de cobra

O antídoto que evita a morte por picada de cobra passa por um processo em cinco etapas para ser feito e é uma conquista da ciência produzido aos milhões.

Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 6 de dez. de 2023, 12:03 BRT
O soro antiofídico é feito da toxina colhida do veneno da cobra. Segundo a OMS, cerca ...

O soro antiofídico é feito da toxina colhida do veneno da cobra. Segundo a OMS, cerca de 138 mil pessoas morreram em decorrência de picadas de serpentes em 2022. 

Foto de IQUIBA - NEA CONICET

As picadas de cobra são uma ameaça para populações do mundo todo. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 138 mil pessoas morrem em decorrência de picadas de serpentes (enquanto outras 400 mil ficam incapacitadas ou desfiguradas). Esses dados reforçam a importância do soro antiofídico, antídoto que é capaz de frear o avanço do veneno de cobra no organismo humano.

No Brasil, o primeiro soro antiofídico foi entregue para uso em 14 de agosto de 1901, ou seja, há mais de 120 anos, pelo Instituto Butantan (instituição de pesquisa científica e biomédica que é a maior produtora de vacinas e soros da América Latina). 

Como é feito o soro antiofídico?

soro antiofídico é um antídoto para as toxinas presentes no veneno injetado no organismo humano pelas picadas de cobra.  Como explica a OMS, o envenenamento por mordida de serpentes pode ser “potencialmente fatal“ a depender da quantidade e da agressividade da substância inoculada. 

De maneira geral, são cinco os passos para se fazer o soro antiofídico, como o Instituto Butantan detalha em seu site oficial:

 Primeiro passo: deve-se extrair o veneno das serpentes em questão para transformá-lo em um antígeno. “Antígenos são substâncias capazes de fazer o sistema imunológico reagir, produzindo anticorpos”, explica o site do Butantan.

Segundo passo: a ação seguinte é aplicar os antígenos em cavalos – em pequenas doses que não prejudicam os animais, explica o site do Butantan.  O objetivo é  “provocar a produção de anticorpos”, detalha o instituto. “Dependendo do antígeno, será produzido um tipo de anticorpo específico contra cada veneno”, afirma o site. Ou seja, se o antígeno em questão tiver sido extraído de uma cobra coral,  por exemplo, é esse tipo de veneno que será combatido.

Terceiro passo: seguindo o caminho da produção do soro antiofídico, depois que forem produzidos os anticorpos suficientes no organismo do cavalo, o plasma do animal é coletado. Vale ressaltar que o plasma é  a parte do sangue onde estão alojados os anticorpos, explica o site. 

Quarto passo: o plasma segue, então, para ser testado. Se aprovado, passa a ser processado industrialmente para se transformar no soro. “Os soros antiofídicos são envasados em frascos-ampola com 10 ml de solução líquida contendo anticorpos purificados”, informa o Butantan.

 Quinto passo: “durante suas diversas etapas de produção, os soros passam por testes de controle de qualidade, garantindo ao final produtos seguros e eficazes”, detalha o Butantan. É desta maneira que se produz o soro antiofídico.

O Instituto Butantan, em São Paulo, explica que produz seu soro antiofídico em cinco etapas. 

Foto de IQUIBA - NEA CONICET

Como se aplica o soro antiofídico

Ainda segundo informações do site do Butantan, o soro antiofídico precisa ser aplicado na veia e é considerado “um procedimento médico”. Por isso mesmo se recomenda que a vítima de picada de cobra seja levada imediatamente a um pronto-socorro para que seja atendida de forma adequada e possa receber o antídoto para o veneno. 

Apesar de ser majoritariamente feito em forma líquida, o soro antiofídico também pode ser produzido em pó, o que facilita sua chegada a lugares distantes dos grandes centros urbanos, como explica o site do Instituto Butantan. 

Já o tipo de soro a ser administrado depende do veneno da serpente que fez o ataque. Ainda assim, a produção do soro é a mesma, independentemente do tipo produzido. Depois de pronto, o soro é enviado a hospitais e postos de saúde para que possam ser aplicados durante as emergências médicas.  

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados