Padre Chrisostomos, sacerdote cristão ortodoxo, na cela de São Nicolau, o Pescador, no Monte Athos, Grécia. ...

Lugares no mundo proibidos para mulheres: existem 5 destinos permitidos só para homens

Locais fascinantes, mas que as mulheres não podem ir. Quais são eles? Três são Patrimônios Mundiais da Unesco, e um quarto aspira se tornar um.

Padre Chrisostomos, sacerdote cristão ortodoxo, na cela de São Nicolau, o Pescador, no Monte Athos, Grécia. O Monte Athos e suas igrejas e monastérios são proibidos para todas as mulheres e animais fêmeas (exceto gatas) por mais de mil anos.

Foto de Travis Dove, National Geographic Image Collection
Por Erin Blakemore
Publicado 16 de jun. de 2024, 08:00 BRT

Você é mulher e está ansiosa por mais um carimbo em seu passaporte em uma próxima viagem? Então, talvez seja melhor ignorar os seguintes destinos, todos eles famosos não apenas por suas paisagens espetaculares ou importância histórica, mas também por algo curioso e peculiar: a proibição de turistas do sexo feminino

Sim, nesses locais as mulheres não podem ir. De antigas crenças religiosas a restrições morais da era nazista, saiba a seguir quais são os cinco lugares espalhados pelo mundo onde as mulheres são até hoje proibidas de visitar – e o porquê dessa proibição em cada um deles.

Monte Athos, na Grécia


Há mais de mil anosperegrinos e monges cristãos ortodoxos se reúnem em dezenas de mosteiros ortodoxos orientais no Monte Athos e em seus arredores, localizado em uma península pitoresca no norte da Grécia, conhecida por suas vistas espetaculares e esconderijos de arte rara. A "Montanha Sagrada" (como é conhecida) e mais de 160 quilômetros de terra ao seu redor foram protegidos como Patrimônio Mundial da Unesco desde a década de 1990 por sua "excepcional importância universal".

Mas, embora o Monte Athos possa ter "importância universal", ele não é universalmente aberto. Desde 1046 d.C.mulheres e animais fêmeas foram completamente banidos da Península de Athos – excluindo apenas as gatas.

Os mosteiros da montanha não apenas proíbem a presença de mulheres, alegando que a presença delas dificultaria que os monges mantivessem seus votos de celibato, mas a tradição ortodoxa afirma que o Monte Athos pertence à Virgem Maria e que nenhuma outra mulher pode visitar seu solo sagrado.

Isso não impediu as mulheres de tentarem: algumas tentaram entrar sorrateiramente na península vestindo roupas masculinas e, em 2019, um conjunto de ossos femininos foi desenterrado sob uma capela bizantina no local. Mas o Monte Athos permanece exclusivo para homens e é protegido por um status legal especial dentro da Grécia, que o considera uma região autônoma, e por uma disposição especial na legislação europeia que fornece à montanha um status especial "justificado exclusivamente por motivos de natureza espiritual e religiosa".

Monte Ōmine, no Japão


Em busca de igualdade de gênero em outros cantos do mundo? Talvez seja melhor ignorar o Monte Ōmine, no Japão, localizado na ilha de Honshu e conhecido por sua importância sagrada e patrimônio cultural.

Também considerado Patrimônio Mundial da Unesco, o monte é importante por seu papel espiritual. Os templos e santuários xintoístas e budistas da área há muito tempo atraem ascetas, viajantes e até mesmo membros da família imperial, e aqueles que percorrem os caminhos sinuosos e verdes da montanha são brindados com uma paisagem montanhosa excepcionalmente pacífica.

Mas as mulheres foram proibidas de chegar ao pico de Ōmine por mais de mil anos – proibidas tanto por causa da "distração" que supostamente elas representariam para os peregrinos do sexo masculino quanto pela proibição da presença de mulheres menstruadas nos rituais. A proibição pode ser antiga, mas ainda é contestada por alguns – mais de 10 mil mulheres japonesas fizeram uma petição para que ela fosse suspensa quando a montanha foi designada como patrimônio da Unesco em 2004.

Vista aérea da Ilha de Okinoshima, no Japão, que é um Patrimônio Mundial da Unesco. Embora não seja permitida a entrada de mulheres na ilha, ela possui três santuários dedicados às deusas do mar.

Foto de Photo by The Asahi Shimbun, Getty

Homens se purificam com água do mar antes de pisar na ilha japonesa de Okinoshima em 2016. Supostamente, a viagem à ilha é considerada "perigosa demais" para as mulheres, que foram banidas para sua própria segurança.

Foto de STR, AFP via Getty Images

Ilha de Okinoshima, no Japão


Outro local de patrimônio sagrado no Japão também proíbe as mulheres: a Ilha Okinoshima, uma pequena ilha ao largo de Fukuoka. A ilha, administrada por um elenco rotativo de sacerdotes xintoístas solitários, é considerada uma divindade e é reconhecida pela Unesco como um "exemplo excepcional da tradição de adoração de uma ilha sagrada". 

Suas origens tradicionais, na verdade, giram em torno de três deusas do mar que são homenageadas em três santuários em Okinoshima e, por mais de mil anos, os peregrinos trouxeram sacrifícios para a ilha, incluindo espelhos, moedas e anéis de ouro da Península Coreana que recordam o intercâmbio passado entre o Japão e a Coreia.

Atualmente, a ilha é praticamente proibida para ambos os sexos, mas todos os anos centenas de homens visitam a ilha para um festival em uma data específica. Mesmo assim, eles só têm permissão para pisar em suas margens depois de se banharem na água do mar. Por que as mulheres não podem participar? Em 2017, um funcionário explicou que a viagem à ilha é considerada muito perigosa para as mulheres e que elas são proibidas para sua própria segurança.

Herbertstrasse, em Hamburgo, na Alemanha


Até mesmoEuropa liberal possui um enclave proibido para mulheres e turistas: a famosa rua Herbertstrasse de Hamburgo, uma rua proibida para mulheres — aquelas que não são profissionais do sexo. A rua está localizada perto da Reeperbahn, uma área da cidade que é considerada um dos distritos de luz vermelha mais famosos do mundo. Tecnicamente, a Herbertstrasse é uma pequena rua secundária conhecida por suas luzes de neon e vitrines com centenas de prostitutas com pouca roupa (e é um local legalizado). 

Mas, embora seja uma rua pública e, portanto, sujeita às rigorosas leis de igualdade de gênero da Alemanha, os visitantes da Herbertstrasse precisam primeiro passar por grandes barreiras de metal com placas que proíbem explicitamente a entrada de turistas do sexo femininohomens menores de 18 anos.

E essas barreiras têm uma história sinistra: embora as mulheres há muito tempo exerçam a prostituição em Hamburgo e na Herbertstrasse, a famosa rua já foi aberta a todos. Isso mudou em 1933, quando os nazistas recém-eleitos fecharam a rua com barreiras como parte de uma tentativa de controlar o trabalho sexual e o vício nos primeiros dias do nacional-socialismo.

O encarceramento das profissionais do sexo de Hamburgo tinha como objetivo evitar que elas "infectassem" a moral dos alemães comuns, mas também serviu para isolá-las da comunidade e acabou protegendo não apenas sua profissão, mas sua perseguição. A partir de 1933, os nazistas prenderam mais de 3 mil mulheres em Hamburgo como "antissociais", como punição pela prostituiçãoMuitas morreram junto com profissionais do sexo de outras cidades alemãs em campos de concentração como Ravensbruck e Neuengamme, e suas histórias se perderam no tempo. 

Mas os portões – e a proibição de visitantes do sexo feminino – permaneceram por muito tempo depois que os nazistas se foram; na década de 1970, Hamburgo realmente fortificou os portões, erguendo barreiras de aço ainda mais altas para bloquear a área pública. Hoje em dia, as ruas ao redor apresentam outra coisa: "Stolpersteine" – paralelepípedos ou placas com os nomes em homenageando às profissionais do sexo que foram perseguidas e mortas nos campos nazistas.

mais populares

    veja mais

    Um homem passa com seu burro por um lago azul deslumbrante no Parque Nacional Band-e Amir, no Afeganistão. Embora o parque já tenha contado com as primeiras guardas florestais do país em outros tempos, a entrada de mulheres no Band-e Amir é proibida desde 2023, quando o Talibã emitiu um decreto proibindo a entrada de turistas do sexo feminino devido a violações do "pudor".

    Foto de Alex Treadway, National Geographic Image Collection

    Parque Nacional Band-e-Amir, Afeganistão


    Conhecido como a versão afegã do Grand Canyon, o Parque Nacional Band-e-Amir, na província de Bamiyan, é o primeiro parque desse tipo no Afeganistão, conhecido por mais de 320 quilômetros de lagos espetacularespenhascos altos e represas naturais. O parque nacional, inaugurado em 2009 e indicado para ser reconhecido pela Unesco, já foi elogiado como um símbolo do progresso do Afeganistão no pós-guerra e até chegou a empregar as primeiras guardas florestais mulheres do país.  

    Em 2023, no entanto, o governo afegão liderado pelo Talibã anunciou que o parque nacional estava proibido para visitantes do sexo feminino, supostamente devido a violações de "modéstia". Os combatentes do Talibã também foram posicionados nas entradas do parque para proibir sua entrada.

    A medida é apenas uma das muitas criadas para manter as mulheres afastadas da vida pública no Afeganistão. Desde que reassumiu o controle do país em 2021, o Ministério de Vícios e Virtudes do Talibã impediu as mulheres de participarem da maioria das facetas da vida pública, restringindo o vestuário e as viagens e impedindo-as de percorrer longas distâncias usando o transporte público.

    Moradores de Band-e-Amir relatam que o turismo diminuiu desde que a proibição entrou em vigor – uma proibição que impede que visitantes do sexo feminino vejam algumas das paisagens mais deslumbrantes do país. Por enquanto, as únicas mulheres que poderão apreciá-la são aquelas que já moram na região cênica.

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados