A Lua ocupa um lugar importante nos mitos de algumas culturas antigas. Acima, vemos uma Lua ...

Os 3 mitos curiosos sobre a Lua criados por culturas antigas

Diferentes civilizações interpretaram de maneira única a existência desse satélite natural ao longo da história.

A Lua ocupa um lugar importante nos mitos de algumas culturas antigas. Acima, vemos uma Lua crescente brilhando sobre um bosque de pinheiros em Snake Range, no Parque Nacional Great Basin, em Nevada, nos Estados Unidos. 

Foto de Keith Ladzinski
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 2 de jul. de 2024, 12:00 BRT

Luao satélite natural da Terra, fascina a humanidade desde tempos imemoriais e, ao longo da história, tem sido objeto de mitos e lendas. Ainda que investigações astronômicas e científicas tenham conseguido explicar acontecimentos como as fases da Lua, por exemplo, entre outras características do satélite, existem muitas lendas que seguem sólidas e passam de geração em geração.

De olho nesta mitologiaNational Geographic lista três histórias de diferentes culturas que tentaram interpretar a presença da Lua no céu noturno da Terra.

(Saiba mais sobre o Espaço: O que é uma galáxia? Existem oito tipos delas, segundo a Nasa)

Mitos e lendas sobre a Lua


1. Barulho durante os eclipses: a tática inca para proteger a deusa Lua


Os antigos incas do Peru adoravam a Lua como uma deusa. Esta civilização chamava o satélite natural de Mama Quilla o qual, segundo suas crenças, chorava lágrimas prateadas. Os eclipses lunares, por sua vez, aconteciam quando um animal, como uma cobra, por exemplo, atacava Mama Quilla

É o que explica o Old Farmer's Almanac, um periódico anual norte-americano focado em ciência e que existe desde 1792. Ainda segundo a fonte, para espantar essas criaturas e proteger sua deusaos incas faziam o máximo de barulho possível durante os eclipses, na esperança de restaurar a paz no céu noturno.

2. Na Grécia antiga, a Lua viajava de carruagem pelos céus

Uma estátua da deusa Selene, que era importante para a mitologia da Grécia antiga, mostrada com uma Lua crescente no alto da cabeça e segurando uma tocha na mão direita.

Foto de Sailko CC BY 3.0, Wikimedia Commons


Já para os gregos antigosa Lua era personificada pela deusa Selene, filha dos titãs Hipérion e Téia,  e irmã de Hélios (o deus-Sol). De acordo com esse mito, todas as noites Selene viajava pelo céu em sua carruagem, arrastando a estrela atrás de si, relata a Encyclopaedia of World History (plataforma online de conhecimento sobre história).

"Sua coroa brilhava com uma luz suave na escuridão da noite. Um par de cavalos brancos prateados ou, às vezes, uma parelha de bois, puxava a carruagem lunar de Selene pelo céu noturno", acrescenta a fonte histórica.

plataforma histórica explica ainda que a figura dessa deusa foi retratada de diferentes maneiras ao longo dos tempos. No hino homérico (notas escritas em língua grega e atribuídas a Homerodedicado a Selene, por exemplo, ela é descrita como uma deusa alada, gentil e bela. De acordo com esse relato, Selene dirigia sua carruagem pelo céu noturno como um sinal para os humanos.

(Mais conteúdo ambiental: Por que as ostras fecham durante a Lua cheia – e outros efeitos lunares curiosos nos animais)

3. Na mitologia finlandesa, a Lua e os ovos estão interligados


Já na mitologia finlandesao satélite da Terra tem uma origem única que mostra como os povos antigos o integraram em uma história cósmica maior. 

Tudo começa quando Ilmatar, a deusa do ar finlandesa, permite que uma pata ponha seus ovos sobre seu joelho. Esses ovos, no entanto, acabam caindo e, quando quebrados, as claras se tornaram a Luaas gemas o Sole os fragmentos da casca as estrelas, conclui o Old Farmer's Almanac.

mais populares

    veja mais

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados