Por que a partição da Índia e do Paquistão ainda é um problema para os dois países

O fim do domínio colonial britânico deu origem a duas nações soberanas, mas fronteiras traçadas às pressas fizeram com que as tensões, já fervilhantes, transbordassem. Setenta e cinco anos depois, as memórias da partição ainda assombram a população.

Por Erin Blakemore
Publicado 11 de ago. de 2022 07:00 BRT
Pessoas se exercitam em um campo de refugiados indiano

Pessoas se exercitam em um campo de refugiados indiano após a partição da Índia e do Paquistão, em 1947. Kurukshetra abrigou um dos maiores campos devido à sua proximidade com a fronteira traçada às pressas que esculpiu dois estados independentes da ex-colônia britânica.

Foto de Henri Cartier-Bresson Magnum

Na noite de 13 de agosto de 1947, Suri Sehgal, de 13 anos, estava tão ansioso que não conseguia dormir. No dia seguinte, ele assistiria ao arriamento da bandeira britânica e ao hasteamento de uma nova em sua província natal de Punjab. Antes parte da Índia, sua cidade agora se tornaria parte de uma nova nação chamada Paquistão. O país recém-demarcado da Índia se tornaria um estado autônomo um dia depois.

Sehgal se lembra da estação de trem Lalamusa, onde ocorreu a cerimônia da bandeira paquistanesa, do clima otimista e da refeição especial que compartilhou com familiares e amigos. “Todos comemoramos juntos”, ele lembrou em uma história oral de 2016 com o Partition Archive de 1947. "Foi maravilhoso."

Refugiados muçulmanos sentam-se no teto de um trem superlotado perto de Nova Déli enquanto tentam fugir da Índia em 19 de setembro de 1947. A partição exacerbou as tensões religiosas latentes no subcontinente. Milhões de muçulmanos, hindus e sikhs foram arrancados de suas casas ou mortos em tumultos.

Foto de Photograph via Associated Press

Mas em questão de horas, a tão esperada transição de poder – e a divisão da Índia em duas nações, a de maioria hindu e o Paquistão de maioria muçulmana – tornou-se um pesadelo à medida que as tensões seculares fervilhantes, alimentadas pelo domínio colonial divisivo, transbordavam. Naquela noite, Sehgal assistiu horrorizado enquanto centenas de pessoas carregando facas e outras armas passavam correndo, em busca de hindus para atacar.

Uma Suri Sehgal, em Mussoorrie, uma estação de colinas dos Himalaias Ocidentais no estado indiano de Uttarakhand, em 1956. Sehgal mais tarde estudou genética vegetal na Universidade de Harvard e agora é um filantropo dedicado ao desenvolvimento rural na Índia.

Foto de The 1947 Partition Archive

Dias depois, o pai de Sehgal, preocupado com a segurança de seus filhos meio-hindus, os empurrou para um trem abafado, lotado e em movimento na mesma estação em que comemoraram a independência do Paquistão. Enquanto o trem de refugiados fazia seu caminho lento para o sul da Índia, seus ocupantes exaustos avistaram pilhas de cadáveres sendo comidos por abutres ao longo dos trilhos.

Sehgal foi uma das centenas de milhares de indianos e paquistaneses cujas vidas foram interrompidas – ou encerradas – durante o que hoje é conhecido como partição. À primeira vista, a criação, em agosto de 1947, de duas nações autogovernadas foi uma vitória para aqueles que ansiavam por autodeterminação. (No entanto, levaria várias décadas até que as pessoas que viviam no que hoje é Bangladesh ganhassem esse direito.) Mas tensões seculares latentes e uma transição severamente mal gerenciada transformaram a saída histórica da Grã-Bretanha da colônia em um banho de sangue.

As raízes coloniais da partição

As raízes da partição remontam ao século 17, quando a Companhia Britânica das Índias Orientais, uma empresa privada que comercializava riquezas indianas como especiarias e sedas, começou a adquirir terras na Índia, assumindo governos locais e fazendo leis que iam contra a cultura e tradição de longa data. 

Em 1857, soldados indianos se amotinaram – levando o governo britânico a dissolver a empresa e assumir o controle da Índia. O recém-criado raj britânico nomeou funcionários – muitos dos quais nunca haviam pisado na Índia antes – para manter sua colônia na linha. Esses administradores britânicos privilegiados e suas famílias viviam na riqueza e no luxo, enquanto a maioria dos indianos vivia na pobreza.

À medida que a Grã-Bretanha drenava sua riqueza da Índia e lucrava com seus recursos naturais, dividiu cerca de 40% da nação em “estados principescos”, supervisionados por governantes locais. A parte restante foi subdividida em províncias.

Um navio mercante inglês aproxima-se de Bombaim por volta de 1754 – período em que a Índia era governada pela Companhia Britânica das Índias Orientais, uma empresa privada que explorava suas riquezas como especiarias e sedas. Óleo sobre tela do pintor britânico JC Heard.

Foto de Universal History Archive Getty Images

Para preservar seu domínio, o raj britânico deliberadamente enfatizou as diferenças entre comunidades religiosas e étnicas. Como explica o geógrafo AJ Christopher, os administradores coloniais usavam características como religião e cor da pele para segregar e isolar seus súditos. Eles finalmente estabeleceram um papel político limitado para os indianos – mas o processo para obter essas posições muitas vezes colocava hindus e muçulmanos uns contra os outros.

Lord Curzon, o vice-rei britânico na Índia, alimentou ainda mais essas divisões em 1905, quando dividiu a maior província da Índia, Bengala, em duas: uma de maioria muçulmana e outra de maioria hindu. Um colonialista convicto que acreditava que os indianos eram inferiores, Curzon enfrentou forte resistência a essa tentativa de “dividir para governar”. Mas, embora a divisão tenha durado apenas até 1911, ela galvanizou um crescente movimento de independência dentro do Congresso Nacional Indiano, um partido político formado por elites educadas para negociar com o raj britânico. Também estimulou a formação da Liga Muçulmana, um partido político que luta pelos direitos dos muçulmanos na Índia.

Lord George Curzon e sua esposa, Mary, montam um elefante, por volta de 1895. Apesar de seu mandato controverso como vice-rei da Índia - no qual ele deliberadamente tentou semear a tensão entre grupos religiosos e étnicos - Curzon tornou-se secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha em 1919.

 

Foto de SSPL Getty Images

A luta por uma Índia independente

No início do século 20, o advogado e político Mohandas “Mahatma” Gandhi foi eleito para o Congresso Nacional Indiano e começou a pressionar pela independência da Grã-Bretanha por meio da desobediência civil não violenta. Mas boicotes, manifestações e marchas encontraram brutalidade e repressão legal. 

As autoridades britânicas tentaram apaziguar os nacionalistas, concedendo direitos a mais pessoas e aumentando sua representação no governo local. Essas reformas beneficiaram apenas um pequeno grupo de indianos: em 1935, apenas 12% dos cidadãos podiam votar. 

Então, o Reino Unido entrou na Segunda Guerra Mundial – e levou a Índia com ela. Forçados a defender os interesses de seus colonizadores com o próprio sangue, muitos indianos se opuseram à guerra. Para reforçar o apoio, o governo britânico ofereceu à Índia o status de domínio de propriedade britânica que poderia se governar com supervisão britânica. 

Mas o Congresso Nacional Indiano rejeitou o plano. Em 1942, Gandhi lançou “Quit India” (deixe a Índia), uma campanha de desobediência civil generalizada exigindo independência imediata. A Grã-Bretanha respondeu prendendo Gandhi e outros líderes, e proibindo o Congresso Nacional Indiano.

A polícia de Calcutá usou bombas de gás lacrimogêneo durante os cinco dias de motins muçulmanos-hindus que tomaram conta da cidade em 1946. Impulsionada por visões conflitantes de uma Índia independente, cerca de 4 mil pessoas foram mortas nos tumultos e até 10 mil ficaram feridas.

Foto de Keystone Getty Images

O tiro saiu pela culatra: a repressão galvanizou muitos que não apoiaram a independência no passado. Seguiram-se tumultos generalizados e detenções em massa. Quit India foi suprimido. Mas isso – e a desconfiança semeada durante uma fome catastrófica em Bengala que matou milhões em 1943 – convenceu os líderes britânicos de que o futuro da Índia como uma colônia obediente estava condenado.

Visões conflitantes para uma Índia independente

Embora a independência começasse a aparecer ao alcance da Índia, as divisões entre o Congresso Nacional Indiano e a Liga Muçulmana se aprofundaram.

Gandhi e Jawaharlal Nehru, outro líder do Congresso Nacional, há muito acreditavam que uma Índia independente deveria ser uma nação única e unificada. Mas embora a Liga Muçulmana também apoiasse o governo doméstico, seu líder Muhammad Ali Jinnah abandonou publicamente a causa de uma Índia unificada em 1940.

Embora o Congresso Nacional Indiano se declarasse um partido para todos os indianos, os membros da Liga Muçulmana estavam preocupados que apenas representasse os interesses hindus. Uma Índia unida, argumentou Jinnah, daria aos hindus o controle da minoria muçulmana. Em vez disso, o partido exigiu autonomia através da criação de uma nação chamada Paquistão.

Membros da Liga Muçulmana de Toda a Índia manifestam-se a favor da partição da Índia e da criação do estado do Paquistão, em Londres, em agosto de 1946. Os muçulmanos temiam que suas preocupações fossem ignoradas como uma minoria religiosa em uma Índia independente unificada.

Foto de Hulton-Deutsch Collection Corbis via Getty Images

As coisas ficaram ainda mais complicadas quando, em 1946, as negociações entre os dois grupos se desfizeram e Jinnah convocou um “dia de ação direta” de protesto muçulmano. “Ou teremos uma Índia dividida ou uma Índia destruída”, disse ele.

A chamada resultou em catástrofe. Em 16 de agosto de 1946, tumultos muçulmanos-hindus eclodiram em Calcutá, capital da província de Bengala. “O ar estava elétrico”, escreveu um oficial militar em um relatório. “O resultado desse tumulto foi uma completa desconfiança entre as comunidades.” Estima-se que 4 mil foram mortos e 10 mil feridos no conflito, além de 100 mil desabrigados.

Mahatma Gandhi, ao centro, visita o campo de refugiados muçulmano de Purana Qila, em Nova Déli, Índia, em 22 de setembro de 1947. Após a partição, os habitantes do campo se preparam para partir para o Paquistão.

Foto de ACME AFP via Getty Images

Grã-Bretanha supervisiona uma partição precipitada

Enquanto a Índia oscilava à beira da guerra civil, o interesse da Grã-Bretanha em manter seu controle em declínio evaporou. Enfrentando a pressão internacional para se retirar, George VI enviou seu primo, Lord Louis Mountbatten, para a Índia em março de 1947 para gerenciar a retirada da Grã-Bretanha. 

Mountbatten convenceu os líderes a concordar com a criação de dois novos estados: a Índia, de maioria hindu, e o Paquistão, de maioria muçulmana. Mas apesar de ter recebido um ano para completar sua tarefa, ele apressou o cronograma – dando a Cyril Radcliffe, um advogado britânico que nunca havia posto os pés na Índia, apenas cinco semanas para dividir o país em dois e demarcar as fronteiras das novas nações.

Lord Louis Mountbatten (terceiro, a partir da esquerda) apresenta o plano de partição da Grã-Bretanha para a Índia em uma conferência em Nova Déli, em 3 de junho de 1947. Também fotografado (da esquerda para a direita): o líder nacionalista indiano Jawaharlal Nehru; Lord Hastings Ismay, conselheiro de Mountbatten; e o presidente da Liga Muçulmana All-India Muhammad Ali Jinnah.

Foto de Keystone Getty Images

Os estados principescos podiam decidir a qual nação eles queriam se juntar, e Radcliffe e sua equipe foram instruídos a traçar limites que respeitassem as maiorias religiosas e priorizassem fronteiras contíguas. A “Linha Radcliffe” era fácil de desenhar em áreas com uma maioria distinta, mas Radcliffe logo descobriu que os grupos religiosos estavam dispersos por toda a Índia. Em áreas como Bengala e Punjab, que tinham populações hindus e muçulmanas quase iguais, traçar uma linha se mostrou particularmente difícil.

No final, Radcliffe e sua equipe – nenhum dos quais tinha experiência em cartografia ou política e cultura indianas - dividiram as duas províncias em duas e deram cerca de metade para cada nova nação. Isso significava que o novo país do Paquistão não seria uma nação contígua: a maior parte de seu território ficava no canto noroeste da Índia, com um pedaço chamado Paquistão Oriental, que ficava em Bengala, a oeste.

A decisão foi fatídica: prendeu centenas de milhares de hindus e muçulmanos na nova nação “errada” e separou Bengala do resto do Paquistão por mais de mil quilômetros. 

Em 14 e 15 de agosto de 1947, Paquistão e Índia tornaram-se domínios da coroa britânica – com o entendimento de que acabariam se tornando totalmente independentes. Mas Mountbatten se recusou a emitir os mapas até dois dias depois, em uma tentativa de manter o foco internacional na benevolência da Grã-Bretanha.

A Força de Segurança da Fronteira da Índia e os Paquistaneses (em preto) abaixam suas respectivas bandeiras durante o Beating Retreat na fronteira Wagah-Attari em 15 de novembro de 2021. Uma tradição britânica de longa data, a cerimônia sinaliza o retorno das tropas de cada lado no final do dia.

Foto de Narinder Nanu AFP via Getty Images

As consequências sangrentas da partição

O que a Grã-Bretanha apresentou como um triunfo foi, na verdade, o início da maior migração humana da história e um dos episódios mais brutais da humanidade. Incertos sobre onde as fronteiras foram traçadas – e em qual país eles viviam atualmente – cerca de 18 milhões de pessoas embalaram seus pertences e partiram para chegar ao país “certo”.

A confusão e o medo que se seguiram foram como lenha para as tensões hindu-muçulmanas de longa data. Depois de anos de retórica cada vez mais polarizada, velhos rancores tornaram-se mortais, e uma nova animosidade eclodiu entre aqueles cujos status de minoria e maioria mudaram repentinamente. 

Os agressores sequestraram e estupraram dezenas de milhares de mulheres; pessoas massacraram membros de suas próprias famílias. Multidões atacaram refugiados e aldeões, incendiaram prédios, saquearam casas e empresas e cometeram assassinatos em massa.

A violência foi especialmente terrível em Punjab e Bengala. No Punjab, ex-soldados que lutaram na Segunda Guerra Mundial usaram suas armas em nome das elites locais que, escreve o historiador Mytheli Sreenivas, “usaram o caos da partição para acertar velhas contas, reivindicar terras e garantir seus próprios interesses políticos e econômicos." Embora os países fossem tecnicamente seus domínios, a Grã-Bretanha não reprimiu a violência.

O legado da partição

Quando a violência diminuiu por volta de 1950, estima-se que 3,4 milhões de pessoas estavam desaparecidas ou mortas, e ambas as nações foram transformadas para sempre. Em 1948, Gandhi foi assassinado por um nacionalista hindu que supostamente achava que o líder era muito pró-muçulmano. 

Enquanto isso, a geografia incomum do Paquistão semeou tensões entre leste e oeste, que acabariam levando a um impulso pela independência de Bangladesh. Lar de 56% da população do Paquistão, o Paquistão Oriental recebeu menos financiamento e tinha menos poder político do que o seu homólogo ocidental. 

Em 1971, após décadas de discórdia, Bangladesh declarou independência. Apesar dos esforços do Paquistão para subjugar a revolta, lançando um genocídio contra três milhões de civis e uma sangrenta guerra de oito meses, Bangladesh tornou-se oficialmente uma democracia independente e secular em 1972.

Nos 75 anos desde a partição, as disputas territoriais entre a Índia e o Paquistão continuaram a ferver, eclodindo em quatro guerras e ataques transfronteiriços em andamento. E a partição ainda marca muitos daqueles que a vivenciaram em primeira mão, como Suri Sehgal. Embora toda a sua família tenha sobrevivido, reunindo-se na Índia no final de 1947, outros não tiveram tanta sorte. Para muitos na Índia, Paquistão e Bangladesh, as perdas e memórias daqueles dias sangrentos e incertos ainda são assustadoras.

Continuar a Ler

Você também pode se interessar

História
Conheça os países que mudaram de nome ao longo da história
História
Capitólio dos EUA tem história turbulenta com bombas, tentativas de assassinato e violência
História
Sequoyah, o estado indígena americano que quase existiu
Cultura
Como Mahatma Gandhi mudou o protesto político
História
Como historiadores estão documentando a vida de pessoas transgênero

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados