independence-day-explainer-03

Por que o dia 4 de Julho é feriado nos Estados Unidos se no dia 2 eles já tinham declarado sua independência?

As 13 colônias já haviam votado pela libertação do domínio britânico, mas os debates sobre a escravidão atrasaram a aprovação e adoção formal da Declaração de Independência.

Fogos de artifício explodem sobre o Monumento a George Washington na capital norte-americana, Washington, D.C., para celebrar o Dia da Independência em 4 de julho de 2018. O dia 4 de julho comemora a adoção da Declaração de Independência do país em 1776. Nesse documento histórico, os delegados expuseram os motivos pelos quais as colônias americanas desejavam romper os laços com a Grã-Bretanha.

Foto de Ting Shen, Xinhua News Agency, Redux
Por Erin Blakemore
Publicado 4 de jul. de 2024, 07:00 BRT

Festas, fogos de artifício, bandeiras e cachorros-quentes: o feriado de 4 de julho está impregnado de patriotismo e tradição e é comemorado como o dia em que os colonos norte-americanos descontentes romperam os laços com a Grã-Bretanha e declararam sua intenção de fundar uma nação democrática própria, declararam sua independência.

Mas a história por trás do feriado não é tão clara. Isso porque o aniversário da independência dos Estados Unidos seria no dia 2 de julho, não 4 de julho. E os revolucionários que fundaram a nação não garantiram a todos os seus residentes "vida, liberdade e a busca da felicidade".

Em 1774, após anos de impostos injustos e controle imperial, as reclamações contra a coroa britânica atingiram um nível febril nas 13 colônias norte-americanas. A guerra começou a parecer inevitável e, assim, em setembro, os delegados das colônias se reuniram para discutir suas queixas no que eles chamaram de Congresso Continental.

processo de declaração de independência não começou até 7 de junho de 1776, quando o delegado da Virgínia, Richard Henry Lee, apresentou uma resolução no Segundo Congresso Continental. Com apenas 80 palavras, a Resolução Lee propunha a dissolução de qualquer conexão política entre a Grã-Bretanha e as colônias. Embora a maioria dos delegados apoiasse a independência, não havia garantia de que a proposta seria aprovada por unanimidade, por isso os membros adiaram a votação.

Turistas olham para a pintura de John Trumbull sobre os Pais Fundadores dentro da Rotunda do Capitólio dos Estados Unidos. Encomendada em 1817, a pintura tem o título "The Declaration of Independence" (A Declaração de Independência) e retrata a apresentação do rascunho da Declaração de Independência de Thomas Jefferson ao Segundo Congresso Continental.

Foto de Orjan Ellingvag, Alamy

Enquanto os delegados faziam lobby para que seus estados de origem apoiassem a resolução, cinco homens começaram a trabalhar em um documento que acompanhava a resolução e que expunha os motivos pelos quais os colonos queriam se tornar independentes da Grã-Bretanha. O Committee of Five, como ficou conhecido, era uma equipe política dos sonhos: John Adams, Thomas Jefferson, Benjamin Franklin, Roger Sherman e Roger Livingston. Eles indicaram Thomas Jefferson para redigir o primeiro rascunho do que hoje é conhecido como Declaração de Independência

Em pouco mais de duas semanas, Jefferson elaborou um rascunho que se baseou em vários outros documentos, incluindo algumas das quase 100 declarações semelhantes que estavam circulando na preparação para a Resolução Lee. Uma delas, a Fairfax County Resolves, escrita em conjunto por George Washington e George Mason, afirmava que os direitos constitucionais dos colonos haviam sido violados pelo Parlamento britânico. Outra, a Declaração de Direitos da Virgínia de Mason, de 1776, afirmava que os homens tinham o direito de "desfrutar da vida e da liberdade, com os meios de adquirir e possuir propriedades, e buscar e obter felicidade e segurança".

Jefferson repetiu essa linguagem em seu rascunho de documento, que declarava que "todos os homens são criados iguais" e tinham o direito inalienável à "vida, liberdade e busca da felicidade". Ele apresentou seu rascunho aos outros membros do comitê e eles fizeram várias edições antes de enviá-lo ao Segundo Congresso Continental em 28 de junho.

Com a Declaração de Independência redigida, o Congresso estava pronto para debater a resolução de Lee pela independência. Mas uma votação de teste realizada em 1º de julho não foi nada unânime. A Pensilvânia e a Carolina do Sul esperavam que ainda houvesse uma chance de reconciliação com a Grã-Bretanha e votaram contra a independência. A delegação de Delaware ficou dividida. E Nova York se absteve – seus delegados tinham ordens para não impedir uma possível reconciliação.

No dia seguinte, em 2 de julho, os delegados tentaram novamente. Dessa vez, a votação teve um resultado diferente. Caesar Rodney, um delegado de Delaware, cavalgou durante a noite até a Filadélfia, onde quebrou o impasse de Delaware. A Carolina do Sul mudou sua posição. E dois dos delegados da Pensilvânia simplesmente se abstiveram da votação, virando sua delegação a favor da independência. Naquele dia, o Congresso votou unanimemente pela independência.

"O 2º dia de julho de 1776 será a época mais memorável da história da América", escreveu um extasiado John Adams para sua esposa Abigail no dia seguinte. "Acredito que será celebrado pelas gerações seguintes como o grande festival de aniversário... Deveria ser solenizado com pompa e desfile, com espetáculos, jogos, esportes, armas, sinos, fogueiras e iluminações de uma ponta a outra do continente, de agora em diante, para sempre."

mais populares

    veja mais

    A aprovação da Declaração de Independência


    Acontece que o documento que deveria acompanhar a resolução ainda não estava pronto. Nos dias 3 e 4 de julho, o Congresso continuou a discutir a Declaração de Independência de Jefferson. O debate mais acalorado dizia respeito a uma passagem sobre a escravidão, na qual Jefferson acusava o Rei George III de violar a vida e a liberdade de "um povo distante que nunca o ofendeu, cativando-o e levando-o à escravidão em outro hemisfério, ou a incorrer em morte miserável em seu transporte para lá". Em outra passagem, Jefferson acusou o rei de incentivar os escravizados a fugir e se juntar às forças inglesas.

    Embora o debate não tenha sido documentado, Jefferson mais tarde culpou a Carolina do Sul e a Geórgia pela recusa em aprovar a lei. Mas todo o Congresso compartilhava um interesse econômico em manter a instituição da escravidão: eles sabiam que a economia das colônias era amplamente baseada no trabalho de pessoas escravizadas. Muitos delegados, inclusive o próprio Jeffersonpossuíam escravos e lucravam pessoalmente com o trabalho deles.

    Em vez de estabelecer as bases para a abolição da escravidão, o Congresso excluiu a passagem controversa e combinou a referência fugaz às revoltas dos escravos com outra linha do rascunho de Jefferson que acusava o rei de incentivar os nativos americanos, que eles chamavam de "selvagens", a atacar os colonos na fronteira ocidental das colônias britânicas.

    Com a Declaração de Independência concluída, o Segundo Congresso Continental votou para adotá-la em 4 de julho de 1776. Ela foi recebida com grande alarde, e o dia 4 de julho, e não 2 de julho, é comemorado como o aniversário da independência norte-americana. A independência da nova república seria finalmente garantida com a vitória na Guerra Revolucionária em 1783. Mas para aqueles que o documento deixou de fora – pessoas escravizadas, nativos americanos e mulheres – a célebre declaração provou ser tudo menos uma garantia de igualdade.

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados