Meio Ambiente

Agricultores japoneses prosperam na Amazônia recriando a diversidade de culturas da floresta

Há quase um século no interior do Pará, comunidade de asiáticos e descendentes desenvolveram modelo agrossustentável em que mata nativa convive harmonicamente com pimenteiras, cacaueiros e açaizeiros, entre outras espécies. Quarta-feira, 27 Março

Por Vinícius Fontana e Sarita Reed

Mais de 16 mil km separam o Japão da pequena cidade de Tomé-Açu, no interior do estado do Pará. Essa distância monumental, contudo, parece mais curta quando adentramos o distrito de Quatro Bocas, berço da imigração japonesa no Pará. Cerca de mil japoneses e seus descendentes vivem no local há 90 anos.

Ao caminhar pela movimentada avenida central, avistam-se placas em ideogramas, antigas casas de madeira, bustos em homenagem aos imigrantes, descendentes indo e vindo em suas bicicletas e, esporadicamente, ouve-se alguém falando japonês. No coração do distrito está um centro cultural, a escola Nikkei e a sede da Cooperativa Mista de Tomé-Açu (Camta), fundada pelos nipônicos em 1949. A comunidade é tão reconhecida que a princesa Mako, membro da família imperial do Japão, visitou-a em 2018.

Hoje, a cidade é associada não apenas à colônia japonesa, mas também ao método de cultivo agroflorestal desenvolvido pelos imigrantes. Esse modelo, denominado Sistema Agroflorestal de Tomé-Açu (Safta), combina o plantio de uma série de plantas diferentes. Assim, é possível produzir e, ao mesmo tempo, manter a floresta.

O modelo, contudo, só foi desenvolvido a partir de uma dura lição. A principal produção dos japoneses até o final dos anos 1960 era a pimenta-do-reino. Desde o fim da Segunda Guerra até aquela época, a commodity era extremamente valorizada, sendo conhecida como “diamante negro”. O município chegou a ser o maior produtor mundial da especiaria.

Mas o surgimento de uma doença chamada fusariose, que dizimava as raízes das plantas, interrompeu esse período próspero. Como a plantação seguia um sistema de monocultura, houve uma queda massiva da produção. Aliado a isso, o valor da commodity despencou no mercado internacional, uma combinação que levou muitos agricultores a abandonarem a atividade e saírem da região. Os que ficaram tiveram que buscar novas soluções — daí a mudança para um sistema mais diversificado.

“O modelo agroflorestal foi implantado devido aos fracassos da monocultura. Com a crise da pimenta, a gente teve que diversificar a produção, até para controlar as doenças”, explica o presidente da Camta, Alberto Oppata.

A floresta plantada

A inspiração para superar o colapso da cultura da pimenta veio do próprio entorno de Tomé-Açu. Ao observar as plantações dos povos nativos, os japoneses passaram a abraçar a fruticultura. “Eles perceberam que os ribeirinhos tinham várias árvores frutíferas nas suas casas, e pensaram: bom, esse é o sistema ideal para a Amazônia. Ao imitar a floresta, evitaram-se as pragas e as doenças”, explica o agricultor Ivan Saiki.

Consorciação é o nome do método utilizado pelos japoneses no Sistema Agroflorestal de Tomé-Açu (popularmente, a comunidade refere-se a ele como “consorciamento”). A ideia é que as culturas sejam implantadas e renovadas em uma mesma área, não havendo a necessidade de derrubar zonas de mata para plantio. O modelo possui duas vertentes básicas: uma é formar uma floresta de frutíferas em diferentes estratos — árvores mais altas que fazem sombra para árvores mais baixas. A outra é que as plantas produzam em ciclos de curto, médio e longo prazo.

“Por exemplo, o maracujá leva cerca de oito meses para produzir. Assim, planta-se ele junto com algo de colheita rápida, como feijão e abóbora. Em três anos, a pimenta-do-reino começa a produzir. Em cinco anos, o cacau passa a produzir, e assim segue o ciclo”, explica Oppata.

Não há, entretanto, uma fórmula única a ser seguida. Cada agricultor combina as plantas do modo mais harmônico possível. Ao caminhar na propriedade de Kosaburo Mineshita, por exemplo, percebe-se a pimenta-do-reino ao lado das bananeiras e cacaueiros. Ao olhar para cima, veem-se altos pés de cupuaçu, açaí, pupunha e outras árvores, plantados há mais de uma década, para fazer a necessária sombra às plantas mais baixas.

Engenheiro agrônomo nascido no Japão, Mineshita veio para Tomé-Açu em 1963, aos 23 anos. “Quando cheguei, trouxe livros japoneses sobre agricultura, mas já havia imigrantes, já havia a pimenta-do-reino, e o sistema agroflorestal que veio após a pimenta se desenvolveu naturalmente”, relata.

“Não há uma receita de bolo. Muitas vezes a simbiose de uma planta com a outra não é muito boa. Nós vamos estudando e vemos na prática a melhor maneira de desenvolver esse sistema agroflorestal”, pondera Ivan Saiki. “Há 20 anos, demos um questionário a 40 cooperadores, perguntando qual era o sistema de consorciação deles. Desses, apenas dois saíram iguais, pois o sistema daqui não foi imposto por pesquisadores, o próprio agricultor foi se adaptando”.

“Minha família veio direto para Tomé-Açu, eu tinha dois anos. Lembro que minha mãe chorava muito, dizia que só havia floresta e que era melhor ter sido mendiga no Japão.”

por Hajime Yamada
92 anos

Atualmente, a produção é comprada, quase em sua totalidade, pela Camta, que mantém uma agroindústria para o processamento e beneficiamento das frutas. “O sistema agroflorestal e a agroindústria estão muito conectados, pois a fábrica ajuda o produtor a escoar a sua produção, agregando valor ao produto”, explica Larissa Saiki, relações públicas da Camta. Os bens são exportados para o Japão, diversos países da Europa e os Estados Unidos.

Origem da colônia japonesa

E por que os japoneses vieram para o meio da Amazônia, uma terra completamente diferente de sua ilha natal? Inicialmente, em 1923, o governador do Pará solicitou ao embaixador do Japão a vinda de imigrantes para colonizar o estado. Os japoneses, que já faziam pesquisas no Brasil e tinham interesse no setor algodoeiro, aceitaram a oferta. As primeiras famílias chegaram a Tomé-Açu em 1929.

 

A adaptação ao ambiente amazônico não foi fácil. Para garantir o título de propriedade de terra, era exigida a derrubada da mata para plantações — o que causou a proliferação da malária. Oppata conta que, somente em sua família, cinco pessoas morreram da doença.

Os japoneses, inicialmente, plantaram arroz, hortaliças e cacau — este por instrução da Companhia Nipônica de Plantação no Brasil. Hajime Yamada, 92 anos, veio na primeira leva de imigrantes e relata as dificuldades dos primeiros colonos. “A minha família veio direto para Tomé-Açu, eu tinha dois anos de idade. Lembro que minha mãe chorava muito, dizia que só havia floresta e que era melhor ter sido mendiga no Japão”, diz. “Além disso, muitas instruções que a companhia japonesa dava não deram certo, como o modo de plantar o cacau, então fomos desenvolvendo nossos próprios métodos”.

O desenvolvimento da comunidade ocorreu após a Segunda Guerra, com a monocultura da pimenta-do-reino. Yamada recorda que os cofres da Camta ficavam tão cheios que não era mais possível armazenar dinheiro dentro deles.

“Os cooperados vinham entregar a pimenta e eu, que era diretor à época, chegava a dizer para eles que tinha um dinheiro sobrando, oferecendo para eles levarem um pouco para casa”, lembra Yamada.

É nessa época, também, que os agricultores passaram a valorizar a cultura de seus ancestrais. “Até os anos 1960, a comunidade era basicamente de sobrevivência, não tinha muito a ideia de preservação cultural”, relata Alberto Oppata. “A partir dessa década, as pessoas, com mais dinheiro, passaram a realizar eventos e reforçou-se a questão de difusão da cultura japonesa”.

Atualmente, a relação com o Japão se mantém. Membros da comunidade viajam ao país, fazem intercâmbios e alguns até se mudam para lá. Porém, há um reconhecimento de que a vinda para o Brasil foi importante para o desenvolvimento das famílias. Yamada relata que, em 1991, viajou a sua terra natal pela primeira vez desde que chegou ao Brasil. “Minha irmã me levou aonde eu nasci, no interior de Hiroshima. Reconheci que, se meu pai, agricultor pobre, tivesse ficado por lá, não teria obtido progresso nenhum”.

Continuar a Ler