Um paraíso no Brasil que (talvez) você ainda não conheça

Parque estadual repleto de biodiversidade na maior região de savana da América do Sul ostenta nascentes, dunas de areia e cachoeiras impressionantes.

Por Jamie Ditaranto
Fotos de Jamie Ditaranto
Publicado 10 de dez. de 2020 17:15 BRT, Atualizado 28 de abr. de 2021 11:02 BRT
No Parque Estadual do Jalapão, fervedouros são nascentes cársicas únicas que proporcionam um oásis no Cerrado, ...

No Parque Estadual do Jalapão, fervedouros são nascentes cársicas únicas que proporcionam um oásis no Cerrado, a maior região de savana da América do Sul. O fervedouro do Ceiça é o maior – entre os conhecidos – do Jalapão.

Foto de Jamie Ditaranto

Nadar em um fervedouro é como boiar em uma piscina de champanhe – a água de um rio subterrâneo borbulha através de uma ruptura no solo, levantando areia clara e fina. Embora seja chamado de fervedouro, suas águas não são quentes.

Localizadas em meio à topografia seca do Parque Estadual do Jalapão, no Tocantins, essas piscinas calmas e de águas cristalinas são, na realidade, nascentes cársicas. Mas a aparência única dos fervedouros é diferente de todas as nascentes do tipo no mundo.

O parque foi criado em 2001 e ocupa uma área de aproximadamente 161 mil hectares em uma região remota do norte do Cerrado, a maior região de savana da América do Sul, que separa a Amazônia da Mata Atlântica. Para chegar ao Jalapão, os turistas devem viajar até Palmas, capital do Tocantins e, em seguida, pegar estradas de terra por cinco a seis horas na direção leste.

[Relacionado: Os melhores destinos de 2021]

A dificuldade de acesso manteve o Jalapão desconhecido – até a estreia de O Outro Lado do Paraíso, novela das nove exibida entre 2017 e 2018, que utilizou o parque como cenário para os triângulos amorosos e disputas por terras de seus personagens. A novela triplicou o turismo na região quase que de um dia para o outro.

O pôr do sol nas dunas douradas do Jalapão permite uma nova perspectiva sobre um dos mais novos parques do Brasil. As dunas foram formadas pela erosão natural de montanhas próximas.

Foto de Jamie Ditaranto

O público brasileiro foi especialmente cativado pelas imagens dos raros fervedouros. Visitantes boiando em meio a um fluxo constante de águas límpidas, com vegetação tropical fazendo sombra. Muitos turistas nunca foram além dessas atrações, mas há muito mais no parque, incluindo cachoeiras de águas transparentes e dunas de areia dourada.

Protegendo a biodiversidade do ponto turístico

De acordo com dados sobre o turismo no Tocantins, entre 2015 e 2019 o número de visitantes nas dunas do parque aumentou mais de 200%, chegando a 33,6 mil turistas em 2019, a maioria deles brasileiros. Antes da pandemia do coronavírus, dólares movimentavam as regiões próximas ao parque pela primeira vez, e novos negócios, como operadores de turismo e hotéis, foram abertos nas cidades vizinhas de São Felix e Mateiros.

Após o governador do Tocantins fechar todos os parques em março, o Jalapão reabriu em outubro com a notícia de que novos investimentos possibilitariam a pavimentação de 50 quilômetros de estrada entre as cidades Ponte Alta e São Felix. No entanto, mesmo quando a nova estrada for construída, a maior parte do parque provavelmente permanecerá um destino selvagem e de difícil acesso – como dizem os locais: o Jalapão é bruto.

Para os turistas, as condições ruins das estradas são um inconveniente, mas para os moradores do parque – uma comunidade quilombola descendente de negros escravizados que escaparam e se estabeleceram por todo o interior do Brasil – as estradas irregulares dificultam a viagem até Palmas, onde acessam serviços de saúde. Conforme o turismo cresce, algumas pessoas pressionam para que o governo pavimente os acessos principais, enquanto outras se preocupam com os impactos que novas estradas podem trazer à frágil ecologia do parque.

Entre 2005 e 2008, Mariana Napolitano, gerente de ciências da World Wildlife Fund (WWF) Brasil, trabalhou em colaboração com o governo para determinar a capacidade de turismo do parque e levantou preocupações sobre os impactos do asfalto na vida selvagem da região, como o lobo-guará, ameaçado de extinção, o raro pato-mergulhão brasileiro, com menos de 250 indivíduos no mundo, e novas espécies que ainda não foram descobertas.

Para não sobrecarregar o fervedouro do Rio Sono, há um limite de oito pessoas por vez.

Foto de Jamie Ditaranto

“A estrada [atual] exige que os carros andem mais devagar. Então, os animais têm tempo suficiente para evitá-los. Mas se a estrada for pavimentada, os motoristas dirigiriam em altas velocidades”, diz Napolitano.

Marcello Coelho, guia de turismo no Tocantins, se preocupa com os fervedouros, que, segundo ele, exigem mais supervisão do governo. Cada grupo tem um limite de permanência de 20 minutos em cada nascente. Avisos proíbem o uso de protetor solar antes de entrar na água. Mas Coelho diz que “o ambiente natural, especialmente os fervedouros, está sofrendo com a presença humana e precisa de tempo para se recuperar”.

O crescimento do turismo beneficiou economicamente a região, gerou empregos e aumentou a receita dos negócios que atuam no parque, em sua maioria, de propriedade dos moradores locais. E, embora muitos queiram que limites rígidos sejam estabelecidos durante esse período sensível de crescimento, outros, como Anna Carolina Lobo, especialista em gestão de turismo e meio ambiente na WWF, acreditam que o momento é uma oportunidade.

As estradas asfaltadas terminam em Ponte Alta, uma das últimas cidades que os turistas passam antes de entrar no Parque Estadual do Jalapão, no Tocantins.

Foto de Jamie Ditaranto

O Cerrado abrange quase um quarto do território brasileiro e possui uma biodiversidade extraordinária, mas está cada vez mais ameaçado pelo desmatamento devido ao constante avanço do cultivo de soja e da pecuária. Mais de 100 mil quilômetros quadrados foram destruídos apenas na última década.

Menos de 3% do Cerrado está sob proteção legal, mas Lobo espera que o crescimento do turismo em parques como o Jalapão possa ajudar a aumentar a conscientização sobre o Cerrado entre turistas brasileiros, que poderiam defender a preservação da vida selvagem no país.

Apesar dos 150 milhões de hectares de terra protegida no Brasil, os brasileiros nunca tiveram uma cultura de férias que envolvesse destinos mais rústicos. Mas quando ficam sabendo de outras pessoas que visitaram o local – contando histórias sobre araras selvagens, cachoeiras azuis e planaltos majestosos –, a beleza intocada do interior do Brasil torna-se um pouco mais compreendida e muito mais intrigante.

Com a reabertura do parque e o anúncio de novos investimentos em estradas e outras infraestruturas turísticas, espera-se que o Jalapão se torne um cartão-postal do Tocantins, assim como todo o Cerrado, trazendo uma nova conscientização para uma região há tempos ofuscada pelo ecossistema bem mais úmido da Floresta Amazônica.

Jamie Ditaranto é jornalista e fotógrafa nômade e escreve sobre tendências de viagem e sustentabilidade. Siga-a no Instagram e no Twitter.

 

Continuar a Ler

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados