Animais

Chimpanzés comem cérebro de macacos bebês. Saiba o porquê

Ao caçar outros primatas, os chimpanzés apresentam estratégias surpreendentes sobre a preferência e a ordem de quais órgãos atacar primeiro. Estudo pode dar pistas sobre a evolução humana. Friday, April 13, 2018

Por Shauna Steigerwald
Fotos de Ian C. Gilby
Um chimpanzé macho se alimenta de um macaco colobus vermelho no Parque Nacional de Gombe, Tanzânia.

Um grupo de chimpanzés percorre os bosques do Parque Nacional de Gombe, na Tanzânia, onde Jane Goodall começou a estudar a espécie em 1960. Eles encontram macacos colobus vermelhos e começam a inspecionar as presas. Uma caçada se inicia. O caos se instala quando os macacos caem das árvores com os gritos dos chimpanzés, prestes a matá-los. Tudo foi capturado em vídeo.

Ian Gilby, antropólogo da Universidade Estadual do Arizona e líder de um novo estudo sobre o assunto, originalmente filmou membros da comunidade de chimpanzés de Kasekela em Gombe para aprender mais sobre como eles compartilham carne.

Revisando os vídeos mais tarde, ele notou que os chimpanzés comem presas não-adultas (bebês, jovens e adolescentes) pela cabeça primeiro. Os que consomem presas adultas mostram padrões diferentes, ele descobriu.

Isso o deixou com uma dúvida ainda pouco estudada, mas relevante para compreender como os seres humanos evoluíram: por que os macacos preferem comer uma determinada parte do corpo primeiro?

Gilby acha que isso tem a ver com nutrição.

"Nós geralmente dizemos que carne é apenas carne, mas sabemos que a composição dos nutrientes varia", diz Gilby, cujo estudo apareceu recentemente no International Journal of Primatology. "Toda a carcaça é valiosa, mas o cérebro é especialmente valioso."

Os cérebros são ricos em gordura e uma fonte de ácidos graxos de cadeia longa, que ajuda no desenvolvimento neurológico.

Chimpanzé captura um macaco colobus vermelho durante uma caçada.

E enquanto um chimpanzé pode ser capaz de quebrar o crânio de um jovem macaco com uma mordida, o cérebro de macacos adultos não é tão fácil de acessar. Usar o tempo para tentar acessar o cérebro adulto, pode fazer com que o chimpanzé perca suas presas para os concorrentes.

Em vez disso, ao matar macacos adultos, os chimpanzés podem achar mais eficiente começar com órgãos ricos em nutrientes, como os fígados. Esse é provavelmente o motivo dos chimpanzés de Gombe às vezes atacarem primeiro os torsos dos macacos adultos.

"Pode ser um dos primeiros estudos quantitativos sobre como exatamente uma presa é consumida pelos chimpanzés", diz Jill Pruetz, antropóloga especializada em primatologia biológica na Universidade Estadual do Texas e exploradora da National Geographic.

Comportamento similar

Pruetz viu um comportamento semelhante em seu local de estudo no Senegal, onde estuda caça como parte do Fongoli Savanna Chimpanzee Project. Ele observou chimpanzés comendo cabeças de galagonídeos primeiro.

Há também um debate sobre por que os macacos onívoros caçam, considerando que a carne não é um alimento básico.

Pruetz apóia a hipótese de que chimpanzés estão buscando nutrição, mas ela diz que não pode explicar todas as diferenças entre os locais de estudo.

Por exemplo, alguns chimpanzés comem ovos, enquanto outros não. E em Fongoli, quando caçam babuínos, os chimpanzés misteriosamente às vezes desistem das cabeças, e as tripas geralmente são descartadas.

Ela suspeita que as tradições culturais aprendidas entre as populações podem fazer a diferença.

Ancestral comum

Seja qual for a razão, estudar a carne na dieta dos chimpanzés, com quem provavelmente compartilhamos um ancestral comum, poderia iluminar o caso da evolução humana.

As espécies que levaram aos primeiros hominídeos começaram a comer mais carne, diz Gilby, e seu estudo sugere que a necessidade de gordura pode ter sido a motivação.

"Uma das melhores maneiras de entender os primeiros hominídeos é usar os chimpanzés como modelo", diz Pruetz.

"Obter a imagem mais clara da caça aos chimpanzés pode nos permitir fazer previsões ou hipóteses sobre como os primeiros hominídeos podem ter se comportado".

Continuar a Ler