Tubarão gigante: o que fez do megalodonte um predador tão terrível?

O sangue quente do tubarão pode ter permitido que ele prosperasse como um caçador eficiente e dominante por quase 20 milhões de anos – e levou à sua extinção repentina.

Por Riley Black
Publicado 11 de ago. de 2023, 10:35 BRT
O maior tubarão conhecido da história, o Otodus megalodon, tinha dentes serrilhados que chegavam a medir mais ...

O maior tubarão conhecido da história, o Otodus megalodon, tinha dentes serrilhados que chegavam a medir mais de sete polegadas.

Foto de Kenshu Shimada

Por cerca de 20 milhões de anos, os oceanos foram dominados por um predador gigantesco. O icônico tubarão Otodus megalodon nadava nos mares de todo o planeta, devorando os mamíferos marinhos de sua época e atingindo mais de 15 metros de comprimento. O motivo pelo qual o antigo predador desapareceu repentinamente, há 3,6 milhões de anos, confunde os paleontólogos, mas novas pesquisas sugerem que o tubarão megalodonte acabou sendo condenado por ser muito grande e exigente.

O fato de ter sangue quente, pelo menos parcialmente, foi um fator fundamental para a disseminação global do megalodonte, de acordo com um novo estudo publicado na revista Pnas. O calor corporal elevado do tubarão gigante permitia que ele nadasse mais rápido e viajasse mais longe do que outros predadores, perseguindo baleias e outras presas ricas em gordura em águas frias, onde caçadores de sangue frio não conseguiam se aventurar. A capacidade de se alimentar de mamíferos ricos em gordura abriu caminho para que o O. megalodon crescesse tanto.

Muitos tubarões vivos atualmente não são exatamente de sangue quente ou frio. Os tubarões-raposa, os tubarões-mako e os grandes tubarões brancos mantêm as temperaturas corporais vários graus mais quentes do que a água do mar ao redor. Os paleontólogos suspeitavam que o O. megalodon tivesse capacidades semelhantes, mas medir a temperatura de um tubarão de milhões de anos não é uma tarefa fácil. Assim, o biólogo Michael Griffiths, da William Paterson University (EUA), e seus colegas recorreram a pistas químicas nos fósseis.

O. megalodon é um tubarão difícil de estudar. O registro fóssil conhecido de sua existência é inteiramente composto de dentes e vértebras. Mas essas partes fossilizadas contêm uma grande quantidade de informações sobre a biologia do animal. "Os avanços na geoquímica estão ajudando a lançar uma nova luz sobre as hipóteses elaboradas apenas com base em modelagem e inferência", explica Griffiths, principal autor do novo estudo.

À medida que os animais vivos se alimentam e absorvem água, elementos químicos com diferentes variações, chamados isótopos, entram em seus corpos e se ligam a tecidos em crescimento, como ossos e dentes. Os isótopos de oxigênio, em particular, podem ser usados como um indicador de temperatura. Assim, Griffiths e sua equipe investigaram os traços geoquímicos desses isótopos no megalodonte, bem como em outros tubarões antigos e modernos, mamíferos marinhos fósseis e peixes que nadavam nos mesmos ambientes que o megalodonte.

Presumiu-se que os peixes fossem ectotérmicos, ou de sangue frio, com base em seus parentes vivos. Eles forneceram uma estimativa da temperatura da água do mar com base na qual os indicadores de temperatura do megalodonte e de outros animais puderam ser verificados.

Tubarão gigante e de sangue quente

O tubarão megalodonte não era igualmente quente como seus parentes vivos; ele era um pouco mais quente. A temperatura do O. megalodon era cerca de 1 ºC mais alta do que a da água do mar circundante, elevada em comparação com a de outros tubarões, embora não tão alta quanto a das baleias pré-históricas e dos parentes das focas da época.

"O único tubarão existente que tem uma temperatura corporal semelhante é o tubarão-baleia", diz Griffiths. "Mas sua dieta é muito diferente da do O. megalodon", pois o tubarão-baleia se alimenta por filtração. O perfil fisiológico do megalodonte era mais parecido com o de um grande tubarão branco, mas maior, o que provavelmente lhe permitia reter melhor o calor.

No entanto, o megalodonte pode não ter sido quente o tempo todo. É possível que o tubarão megalodonte fosse o que os biólogos chamam de endotérmico regional, ou de sangue quente apenas em algumas partes do corpo, observam Griffiths e seus colegas.

Nos tubarões modernos, como o grande tubarão branco, o calor gerado pelo corpo é trocado por partes que são importantes para manter o calor, como os músculos, os olhos e o cérebro. O O. megalodon pode ter tido um sistema biológico semelhante. Um peixe que se aquece pode viajar mais rápido e mais longe em busca de presas do que um peixe cuja temperatura é ditada pelo ambiente, o que sugere que o tubarão megalodonte era um predador formidável e de longo alcance em sua época.

"Acho que o novo estudo certamente reforça o argumento de que o O. megalodon era regionalmente endotérmico, o que é fantástico", comenta Jack Cooper, paleontólogo da Universidade de Swansea, no País de Gales, que não participou do novo estudo. Ele observa que pesquisas anteriores do biólogo Humberto Ferrón propuseram que os tubarões megalodontes eram parcialmente de sangue quente, e o novo estudo acrescenta mais evidências de que a fisiologia do O. megalodon era semelhante à de seus primos vivos.

Desafios de um tubarão gigante

Os paleontólogos ainda estão investigando como as partes quentes do corpo contribuíam para o tamanho gigantesco dos tubarões megalodontes. A maioria dos vertebrados marinhos que atingem esses tamanhos são filtradores e têm metabolismo lento, coletando pequenos pedaços suficientes para sustentar seus corpos gigantes.

Um tubarão grande, quente e predador teria que ser muito mais ativo para se alimentar. Embora os paleontólogos esperem que o O. megalodon tenha herdado a endotermia regional de seus ancestrais, a disponibilidade de baleias e focas com gordura espessa – e a capacidade de capturá-las – abriu a porta para que o tubarão atingisse tamanhos impressionantes.

"Embora diferentes cientistas ainda discutam sobre o tamanho máximo possível do megalodonte e sua aparência, acho que é muito mais importante enfatizar que agora sabemos muito sobre a biologia e a ecologia desse tubarão gigante", destaca Cooper. O O. megalodon esteve no ápice da cadeia alimentar oceânica por quase 20 milhões de anos, uma parte significativa do ecossistema que influenciou a evolução das baleias e de outras criaturas marinhas.

No entanto, a manutenção de um corpo quente tem um custo alto. "Manter uma dieta necessária para sua biologia poderia ter colocado o O. megalodon em perigo por vários motivos", diz Griffiths.

Como o megalodonte foi extinto

Manter um corpo grande aquecido requer uma grande quantidade de alimentos, o que significa que o O. megalodon tinha que se alimentar com relativa frequência para sobreviver. Durante a maior parte da história do animal, isso não representou um grande problema, pois os oceanos da época tinham uma profusão de baleias e focas pré-históricas repletas de gordura rica em energia.

Porém, no final do período do megalodonte, os oceanos mudaram. As mudanças climáticas causaram declínio nas pequenas presas marinhas das quais as baleias de barbas dependiam, tornando-as cada vez mais escassas. Os paleontólogos também propuseram que a evolução de espécies concorrentes, como o tubarão branco menor, tornou mais difícil para o O. megalodon encontrar presas em tamanho suficiente.

"Qualquer pequena mudança em suas principais presas poderia ter sido especialmente problemática para o megalodonte", acredita Griffiths. O tubarão gigante era capaz de prosperar em épocas de abundância, mas de repente se viu encurralado em um canto evolutivo quando os suprimentos de alimentos começaram a diminuir.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados