Qual a diferença entre a cobra coral verdadeira e a cobra coral falsa?

Atrativa por causa de suas cores, a cobra coral é conhecida por suas listras e pelo poder de seu veneno. Mas ela não é a única a ser colorida – há várias cobras coral “falsas” na natureza.

Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 6 de fev. de 2024, 12:00 BRT
 A espécie de cobra coral mais comum na América do Sul  tem um padrão de cores ...

 A espécie de cobra coral mais comum na América do Sul  tem um padrão de cores com listras que intercalam preto, vermelho e branco

Foto de Divulgação Instituto Butantan

cobra coral (Micrurus) é um gênero da família das cobras Elapidae que é bem conhecida em várias regiões do mundo por estar presente em diversos lugares. Ela é facilmente encontrada nos trópicos, especialmente no Brasil e nos demais países da América do Sul

No entanto, também existem espécies similares presentes na Ásia e na África, o que faz da coral muito popular, como explica a Encyclopædia Britannica – plataforma de conhecimento do Reino Unido.

Só que a cobra coral além de ser comum em muitos lugares, chama a atenção por sua coloração tão particular. Em geral, as cobras corais verdadeiras (Micrurus) costumam apresentar listras em três tons, com variações dependendo do local onde vivem. Acontece que não é somente o gênero Micrurus da família Elapidae (a cobra coral-verdadeira) que apresenta esse padrão colorido em seu corpo.  

Outras cobras de diferentes famílias são bem parecidas com a coral e, por isso, são chamadas de “falsa cobra coral” ou “cobra coral falsa”, como esclarece o Instituto Butantan (instituição brasileira de pesquisa científica e produção de imunobiológicos que pertence ao governo do estado de São Paulo e estuda répteis, anfíbios e outros animais desde 1901).

Conheça mais sobre o que caracteriza a cobra coral-verdadeira e o que a diferencia das outras espécies que são conhecidas como coral falsa – e porque não é fácil caracterizá-las

Como é a cobra coral-verdadeira? 

Uma das cobras pequenas mais venenosas do mundo, a cobra coral-verdadeira tem aproximadamente entre 40 centímetros a 1,6 metros apenas. Todas têm cabeça oval, olhos pretos pequenos, escamas lisas e uma cauda curta, de acordo com a Britannica.

Uma das suas principais características desse réptil é a sua coloração – que atrai pela beleza. A espécie de cobra coral mais comum na América do Sul  tem um padrão de cores bem típico, com listras que intercalam pretovermelhobranco, sendo que algumas espécies encontradas na região amazônica também apresentam listras amareladas, segundo o Instituto Butantan. 

Outro ponto importantíssimo é que a cobra coral-verdadeira é peçonhenta, ou seja, é uma cobra venenosa – e seu veneno é um dos mais tóxicos. Uma pessoa picada por uma coral-verdadeira pode sentir dormência no local, visão turvadificuldade na fala logo nos primeiros minutos após a mordida. 

Caso a vítima não seja tratada rapidamente, o veneno começa a atingir o restante do sistema nervoso, provocando paralisia de músculos importantes, como coração e diafragma – órgão importante que auxilia na respiração. É preciso buscar o quanto antes atendimento médico para a aplicação do soro antielapídico (o mais indicado para o veneno desta espécie de serpente), como explica o instituto de pesquisa brasileiro.

A cobra coral costuma ter entre 40 cm a 1,6 metros e, apesar de pequenas, são extremamente venenosas e podem viver até cerca de 18 anos.

Foto de Divulgação Instituto Butantan

As diferenças entre a falsa cobras coral e a cobra coral-verdadeira

As cobras corais-verdadeiras do gênero Micrurus não são as únicas serpentes coloridas que usam seus tons para se esconder na natureza e, assim, se proteger de predadores. Existem outras espécies que lembram a aparência da coral-verdadeira, mas são de diferentes famílias

Como explica o Departamento de Botânica da USP (Universidade de São Paulo), boa parte das espécies de corais falsas estão concentradas na família Dipsadidae, sendo que a Dipsadidae apresenta cerca de 600 espécies distribuídas nas Américas e na Índia

Essas falsas cobras corais mimetizam (imitam) as características físicas (as cores e listras, especialmente) das corais-verdadeiras para afastar possíveis predadores. 

No América do Sul há várias espécies de “falsa-coral”, como a Falsa-Coral Serrana (Oxyrhopus clathratus), encontrada mais na Argentina, nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, e no Uruguai; a Falsa-coral Amazônica (Oxyrhopus rhombifer), que pode ser vista também na Argentina, além de Bolívia, Brasil (Sul e Sudeste), Paraguai e Uruguai; a Falsa-coral-nariguda (Xenodon histricus), mais comum também em Argentina, Brasil e Uruguaientre outras, como explica o site da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Já que todas essas cobras são tão parecidas, como diferenciar uma cobra coral-verdadeira de uma coral falsa

O grande ponto diferencial entre elas é a toxicidade: as cobras corais falsas não são venenosas. Já a verdadeira, sim. Acontece que elas são bem similares e diferenciá-las visualmente é bastante difícil.

Como explica o Instituto Butantan, caso aviste alguma cobra com a aparência semelhante à da coral, a recomendação dos especialistas é para não se aproximar. Não é possível identificar e diferenciar uma cobra colorida como a coral a olho nu para saber se ela é “verdadeira” ou “falsa”. Portanto, se afaste e avise as autoridades locais, indica o Butantan.  

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados