Após testar positivo para coronavírus, presidente Jair Bolsonaro diz estar se tratando com hidroxicloroquina

Estudos com o medicamento foram suspensos pela OMS por ineficácia. Bolsonaro é o quarto líder mundial a ser oficialmente diagnosticado com a covid-19.

Tuesday, July 7, 2020,
Por Gabriel de Sá
Entre os sintomas que o levaram a ser testado novamente para a covid-19, o presidente Jair ...

Entre os sintomas que o levaram a ser testado novamente para a covid-19, o presidente Jair Bolsonaro apresentou cansaço, dores musculares, mal-estar e febre de 38° graus.

Foto de TV Brasil/Reprodução
Reportagem atualizada às 15h40 de 07/07/2020.

O presidente Jair Bolsonaro, de 65 anos, é mais um brasileiro infectado pela covid-19, doença respiratória causada pelo novo coronavírus. O mandatário confirmou à imprensa na manhã desta terça-feira (07/07), do Palácio da Alvorada, em Brasília, que testou positivo para a doença. Na segunda (06/07), ele apresentou sintomas clássicos da covid-19, como cansaço, dores musculares, mal-estar e febre de 38° graus, o que o levou a realizar uma radiografia de pulmão e o teste para detectar o coronavírus. “Os pulmões estavam limpos”, disse ele a jornalistas. Contudo, a infecção pelo novo coronavírus foi confirmada.

O presidente informou que começou a se tratar com a hidroxicloroquina antes mesmo de testar positivo. “Dados os sintomas, a equipe médica (do Hospital das Forças Armadas, em Brasília) me deu o primeiro comprimido de hidroxicloroquina ontem, e azitromicina também, todo aquele composto foi ministrado. Confesso que (...) consegui sentir alguma melhora (nos sintomas) depois da meia-noite”, declarou Bolsonaro. Uma segunda dose teria sido tomada por ele às 5h da manhã de terça-feira.

[Leia mais: 'Como os cientistas sabem que a covid-19 é muito mais fatal que a gripe']

Em 4 de julho, a OMS declarou que os estudos com a hidroxicloroquina estavam sendo suspensos por conta de sua ineficácia contra a covid-19. Autoridades da organização apontaram que o uso do medicamento produziu pouca ou nenhuma redução na taxa de mortalidade dos pacientes internados com a doença.

A hidroxicloroquina está há alguns meses no centro de uma grande polêmica bioética, já que seu uso tem sido defendido por políticos como Bolsonaro e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas não há comprovação científica sobre sua eficácia. O médico francês Didier Raoult é o maior entusiasta do uso da combinação da hidroxicloroquina com o antibiótico azitromicina no tratamento da covid-19.

“Eu achei que já tinha sido infectado pela covid-19 lá atrás, tendo em vista minha atividade muito dinâmica perante a população.”

por Jair Bolsonaro
Presidente

Contudo, a metodologia dos testes realizados por Raoult e sua equipe tem sido amplamente questionada pela comunidade médica internacional e a Organização Mundial da Saúde (OMS). “Eu não sou médico, mas reforço que a hidroxicloroquina na fase inicial do tratamento leva a chance de sucesso a quase 100%”, disse Bolsonaro na coletiva.

[Leia mais: 'Chá de quina vendido no Brasil não combate o coronavírus e pode trazer riscos à saúde']

Bolsonaro adentra as estatísticas oficiais que já anotam 1,6 milhão de brasileiros diagnosticados com o novo coronavírus desde o início da pandemia. O número de óbitos ultrapassa os 65,6 mil, segundo os dados das secretarias de saúde. “Eu achei que já tinha sido infectado lá atrás, tendo em vista minha atividade muito dinâmica perante a população”, disse ele à imprensa. “Eu não fujo da minha responsabilidade e gosto de estar no meio do povo.”

Imagens: um dia e uma noite de trabalho no maior cemitério da América Latina, em São Paulo

[Relacionado: 'Há mais de 140 vacinas em teste contra a covid-19. Quando alguma será disponibilizada às pessoas?']

Bolsonaro vinha descumprindo desde o início da pandemia as orientações das autoridades de saúde, como o distanciamento social e o uso de máscaras, e havia sido testado antes para a covid-19. Ele é o quarto líder mundial a ser oficialmente diagnosticado com a doença. Antes, o premiê britânico, Boris Johnson, o príncipe Alberto, de Mônaco, e o presidente de Honduras, Juan Hernández, testaram positivo, mas já estão recuperados.

O presidente informou que cancelou compromissos de trabalho em outras cidades brasileiras nos próximos dias. “Estou muito bem”, avaliou Bolsonaro.

Continuar a Ler