O muco de caracol virou um fenômeno de skincare: mas será que ele realmente funciona? Quais são seus benefícios?

Usados para reparar a pele danificada, os produtos que contêm muco de caracol são muito mais antigos do que a era das redes sociais e podem ter potencial além dos cosméticos.

Por Olivia Ferrari
Publicado 23 de jan. de 2024, 08:00 BRT
naturepl_01557265

Um caracol de jardim, visto por baixo, desliza sobre o vidro. O rastro de muco deixado por essa espécie é um ingrediente popular em produtos cosméticos para a pele.

Foto de Georgette Douwma, Nature Picture Library

Consumidores de todo o mundo estão comprando produtos cosméticos para a pele que contêm muco de caracol, que teve seu mercado global em 2022 avaliado em cerca de 555 milhões de dólares.

Após um “boom” de produtos para a pele à base de muco de caracol na Coreia do Sul, a substância – também conhecida como mucina ou secreção de caracol - foi amplamente compartilhada nas mídias sociais. A América do Norte é atualmente o mercado de crescimento mais rápido para produtos de pele de caracol. Mas o uso do muco de caracol para obter uma pele brilhante e boa saúde é mais antigo do que uma tendência de mídia social.

Os gregos antigos usavam o muco de caracol na pele para combater a inflamação tópica. Na década de 1980, os criadores de caracóis chilenos notaram que o manuseio de caracóis para o mercado alimentício francês deixava suas mãos mais macias e os cortes cicatrizavam mais rapidamente. Isso lançou a popularidade do muco de caracol na América do Sul

Mas será que essa substância realmente funciona? Veja como o muco de caracol pode contribuir com a pele.

Um técnico manipula um caracol gigante para obter sua mucina em uma fazenda na Tailândia. O muco é secretado como uma resposta ao estresse, mas as versões sintéticas da mucina podem ser uma alternativa para os consumidores preocupados com o animal.

Foto de LILLIAN SUWANRUMPHA AFP, Getty Images

Como a mucina do caracol traz benefícios para a pele?

Os caracóis de jardim, a espécie de caracol mais estudada para o cuidado com a pele, produzem uma gosma que é considerada hidratantecheia de antioxidantes e capaz de estimular a produção de colágeno, o que pode reduzir os sinais de envelhecimento, de acordo com Joshua Zeichner, dermatologista do Mount Sinai Hospital, em Nova York, nos Estados Unidos.

Os consumidores compram produtos à base de muco de caracol para reparar a pele danificada e reter a umidade, de acordo com a dermatologista Elizabeth Bahar Houshmand, membro da Academia Americana de Dermatologia. O muco é repleto de vitaminas A e Eantioxidantes que podem reduzir a inflamação e os sinais de envelhecimento, e há peptídeos que aumentam a produção de colágeno, acrescenta Houshmand. Entretanto, Houshmand diz que são necessários mais estudos clínicos de grande porte para comprovar alguns dos supostos efeitos da baba de caracol e para entender melhor seus ingredientes ativos.

Foi comprovado que o extrato de muco de caracol cria uma barreira protetora entre a pele e a poluição do ar. Um estudo usou um modelo tridimensional de pele e o expôs ao ozônio. A pele não protegida pelo extrato de muco ficou inflamada e mostrou sinais de envelhecimento por meio do estresse oxidativo, que causa rugas e tom de pele irregular. A pele protegida pelo extrato de muco apresentou menos inflamação.

Os cientistas também estão explorando como as secreções dos caracóis podem ser usadas além dos cuidados com a pele. Há evidências de que o muco do caracol pode ajudar na cicatrização de feridas e no tratamento de queimaduras. O muco do caracol também tem propriedades antibacterianas e antifúngicas.

Outro estudo testou sua capacidade de deter bactérias em feridas, e parte do muco de caracol teve um desempenho melhor do que os antibióticos comerciais, inclusive a amoxicilina e a estreptomicina. Pesquisas iniciais sugerem que o muco também pode ter propriedades anticancerígenas: o muco de caracol de jardim inibiu com sucesso o crescimento de células de câncer de pele em um laboratório.

Desvendando a ciência do muco

Para entender melhor o muco dos caracóis, Antonio Cerullo, bioquímico da City University of New York, coletou caracóis de uma fazenda de escargot e analisou seus três tipos de lodo: muco protetor no dorso, muco adesivo no pé e muco lubrificante no pé. Cada tipo tinha propriedades distintas, como rigidez e pegajosidade, e diferentes composições bioquímicas.

Na natureza, esses diferentes tipos de muco têm funções diferentes, explica Cerullo. O muco usado principalmente para lubrificação tem mais colágeno, o que o torna mais rígido; o muco usado para adesão tem mais cálcio, o que o torna mais pegajoso. Essas propriedades ajudam o caracol a se movimentar e a aderir às superfícies.

Isolar as moléculas específicas que criam essas propriedades e sintetizá-las para uso comercial é uma tarefa complicada. Embora o muco protetor dos caracóis tenha proteínas antimicrobianas, por exemplo, várias moléculas do muco poderiam interagir para criar o efeito antimicrobiano na pele humana, diz Cerullo.

A microbiologista Roberta Rizzo e o químico Claudio Trapella, da Universidade de Ferrara, na Itália, analisaram mais de 100 produtos diferentes de muco de caracol e descobriram uma discrepância na qualidade. Tudo, desde as diferentes práticas de alimentação e criação em fazendas de caracóis até a forma como o muco é coletado, afeta o produto final, explicaram Rizzo e Trapella.

Mas o muco de caracol tem potencial além dos cuidados com a pele, afirma Adam Braunschweig, químico orgânico da City University of New York. Ele pode ser usado como cola de reparo de feridas para tratar úlceras e infecções internas e como adesivo natural em bioengenharia. O muco de caracol também funciona bem como substância para administração de medicamentos, diz Braunschweig. Quando administrado com medicamentos, ele ajuda as membranas mucosas do corpo a absorver o tratamento.

Rizzo e Trapelli também estão trabalhando no uso do muco natural de caracol de maneiras não convencionais – seu extrato de muco de caracol foi usado para produzir colírios que utilizam a lubrificação natural dos caracóis para tratar a doença do olho seco.

Os caracóis são prejudicados no processo?

Os cientistas ainda não conseguiram isolar os componentes específicos do muco do caracol que conferem suas propriedades curativas, mas é possível fabricar versões sintéticas do muco, o que ajuda a reduzir a necessidade de fazendas de caracóis.

O modo como o muco do caracol é colhido varia de fazenda para fazenda – algumas fazem com que os caracóis rastejem em redes para que o muco pingue em recipientes embaixo, outras usam uma câmara de nebulização que induz as secreções do caracol – mas a substância é excretada somente quando o caracol está sob estresse.

síntese do muco de inspiração biológica também torna mais possível aumentar a produção em escala. São necessários muitos caracóis para atender à demanda atual, e é caro colher muco de caracol em quantidade suficiente. O produto também pode mudar dia a dia, dependendo da alimentação dos caracóis, de modo que o muco nem sempre é consistente.

uso do muco sintético também permite que os químicos modifiquem seu produto com mais facilidade. Com o muco natural, "você fica preso ao que o animal lhe dá", explica Braunschweig. "E se você quiser mudar a receita ou as propriedades?"

Sua equipe espera produzir sintéticos por uma fração do custo e que eles possam ser adaptados – por exemplo, para serem mais adesivos ou mais lubrificantes, dependendo da aplicação.

"O muco faz tantas coisas incríveis", diz Cerullo. "Agora, com nosso trabalho, esperamos que ele abra caminho para que possamos aprender muito mais com o muco na próxima década do que nos últimos 2 mil anos."

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados