GettyImages-1388452941

Por que estalar os dedos é tão gratificante – mas será que isso é um mau hábito?

Seus amigos e familiares podem ter lhe dito que estalar os nós dos dedos faz mal. Mas será que é realmente tão prejudicial quanto alguns pensam?

Estalar os nós dos dedos pode proporcionar alívio por meio da liberação da pressão acumulada pelo líquido sinovial nas articulações. No entanto, ainda há preocupações de que estalar as articulações possa causar danos a longo prazo.

Foto de fotostorm, Getty Images
Por Hannah Singleton
Publicado 3 de jul. de 2024, 17:00 BRT

Estalar as articulações dos dedos pode provocar uma infinidade de reações, desde o constrangimento até a pura satisfação. Apesar de sua má reputação, entender a mecânica por trás dessa prática pode esclarecer por que ela é uma experiência tão gratificante e que muitas pessoas adquirem esse hábito

Veja aqui o que você precisa saber sobre isso, inclusive se realmente faz mal (como muita gente comenta) ou se isso é apenas um mito.

(Você pode se interessar: Veja como a sua voz pode mudar à medida que você envelhece)

Por que estalar as articulações dos dedos é tão prazeroso?


som de estalo que vem de suas articulações não é, na verdade, algo "rachando ou trincando", por assim dizer. Dentro da cápsula articular, há um fluido sinovial que contém bolhas de gás, principalmente dióxido de carbono e nitrogênio. "O alongamento da cápsula articular até o final de sua amplitude de movimento cria quase como um vácuo", explica Matthew Cavanaugh, quiroprático de Lafayette, Louisiana, nos Estados Unidos. "A velocidade com que [o ajuste] é feito faz com que a bolha de gás se dissolva rapidamente dentro da cápsula articular." 

Se é apenas uma bolha de gás entrando em colapso, por que é tão satisfatório? Bem, ele pode realmente proporcionar uma sensação física de liberação e um aumento temporário na mobilidade da articulação, diz Rojeh Melikian, cirurgião ortopédico da coluna no DISC Sports and Spine Center, na Califórnia. "A sensação é realmente boa", comenta o cirurgião, acrescentando que uma teoria comum é que o movimento abrupto também pode estimular as terminações nervosas ao redor da articulação, levando a uma diminuição da dor e à liberação de endorfinas – embora isso não tenha sido comprovado.

Mas há mais do que apenas fisiologia; há também um aspecto psicológico em jogo. O ato de estalar (ou estralar) as articulações dos dedos pode se tornar um ritual habitual, reforçado com o tempo, possivelmente desencadeando um efeito placebo. Algumas pessoas sentem adrenalina só de ouvir o som do estalo. "Recentemente, descobri os vídeos sobre isso no TikTok", revela Cavanaugh. "Há pessoas que só querem ouvir o som do estalo. Elas nem mesmo sentem a liberação física."

Mito ou realidade: estalar os dedos faz mal?


A despeito do que amigos e familiares possam ter alertado sobre os “perigos de estalar os dedos”, o hábito de estalar as articulações não parece aumentar o risco de desenvolver artrite. Embora essa seja uma tática comum para assustar, "estudos [que datam de 1998] não mostraram nenhuma correlação significativa entre o hábito de estalar os nós dos dedos e a presença de osteoartrite nas mãos", afirma Melikian.

"Alguns estudos indicaram que os “estaladores de dedos habituais” podem apresentar mais inchaço nas mãos redução da força de preensão", acrescenta ele, embora pareça que o júri ainda não tenha decidido sobre a força de preensão. Um estudo de 2017 da Hand Surgery & Rehabilitation examinou 35 pessoas que habitualmente estalam as articulações dos dedos (pelo menos cinco vezes por dia) e outras que não estalam e descobriu que, embora as pessoas que estalam as articulações tenham desenvolvido uma cartilagem mais espessa na cabeça do metacarpo (a cartilagem ao redor das articulações da palma da mão) do que o grupo de controle, a força de preensão não foi afetada negativamente. 

Entretanto, nem tudo é tranquilo. As articulações maiores, como as do pescoço e da coluna vertebral, exigem um manuseio cuidadoso. Essas áreas são complexas e propensas a lesões e efeitos colaterais, como dores de cabeça, formigamento nos membros e tontura, se mal manuseadas. Em casos graves, a manipulação da coluna cervical foi até mesmo associada à dissecção arterial ou ao rompimento das paredes internas das artérias, o que pode levar a um derrame. 

(Veja também: Qual é a origem de suas dores de cabeça? Pode ser seu pescoço)

Durante o autoajuste, a aplicação de força excessiva ou o uso de técnicas inadequadas podem causar danos aos ligamentosmúsculos ou nervos, pois o pescoço e a coluna vertebral cervical são "estruturas complexas que estão sujeitas a uma variedade de estresses e tensões todos os dias", explica Melikian. 

Suas vértebras também circundam a medula espinhal, que é altamente sensível, portanto, se for tentar romper essa área por conta própria, Cavanaugh recomenda usar o que ele chama de "impulso de alta velocidade e baixa amplitude", que é um empurrão rápido e suave dado em uma distância curta.  

"O principal problema com o autoajuste é que as pessoas podem usar a quantidade errada de força ou empurrar a articulação na direção errada", diz Cavanaugh. "Desde que você esteja fazendo o movimento normal da articulação, é bastante seguro fazê-lo." 

Um exemplo é torcer as articulações dos dedos. "Os dedos não se torcem, eles se dobram", diz ele. "Quando você torce a articulação que não deveria ser torcida, você está forçando os ligamentos e isso pode causar trauma na articulação, o que leva à inflamação." Se você sentir alguma dor durante os autoajustes, pare e consulte um profissional. Embora a maioria das pesquisas tenha demonstrado que o hábito de estalar as articulações não tem efeitos importantes a longo prazo, o estigma prevalece. 

mais populares

    veja mais
    loading

    Descubra Nat Geo

    • Animais
    • Meio ambiente
    • História
    • Ciência
    • Viagem
    • Fotografia
    • Espaço
    • Vídeo

    Sobre nós

    Inscrição

    • Assine a newsletter
    • Disney+

    Siga-nos

    Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados