NationalGeographic_2421411

Veja como a sua voz pode mudar à medida que você envelhece

Algumas vozes se suavizam com a idade, enquanto outras pessoas podem ter dificuldade para falar. À medida que nosso corpo físico muda e envelhece, nossas cordas vocais também são afetadas.

À medida que envelhecemos, as mudanças em nosso corpo – como o enrijecimento muscular ou a perda da capacidade pulmonar – podem alterar o som e o tom de nossas vozes.

Foto de Joël Sartore Nat Geo Image Collection
Por Erin Blakemore
Publicado 26 de jun. de 2024, 09:11 BRT

Você parece… Velho? Se você notou que a sua voz mudou com a idade, você não está sozinho. As alterações vocais são comuns em adultos que estão envelhecendo, mas enquanto algumas vozes amadurecem e suavizam com a idade, outras ficam desanimadas ao se depararem com a voz distorcidasussurrada ou com dificuldades para falar

Veja, a seguir, por que nossas vozes mudam à medida que envelhecemos e quando pode ser a hora de consultar seu médico.

(Você pode se interessar também: Quais são as principais emoções humanas?)

Mudanças físicas ao envelhecer


À medida que envelhecemos, a redução da massa muscular e as mudanças na postura podem dificultar a produção dos mesmos sons que eram fáceis no passado. Os cantores relatam vozes mais graves ou trêmulas

volume da fala também pode diminuir, especialmente em pessoas que sofrem de distúrbios de deglutição ou problemas neurológicos, como a doença de Parkinson. As pregas ou cordas vocais, a estrutura complexa que vibra para produzir a voz, podem perder o tônus e a elasticidade – curvando-se, encolhendo-se ou formando lacunas que alteram o tom da fala.  

"A composição celular das pregas vocais também muda", explica James Curtis, patologista de fala e linguagem da Weill Cornell Medicine. Combinado com o enfraquecimento da capacidade de respiração e com as mudanças no tônus muscular e na postura, essa "é uma receita para o desastre em termos de qualidade de voz suave e de uma voz que não seja ofegante, áspera, tensa ou grave".

Embora as pregas vocais sejam essenciais na produção da voz, elas nem sempre são as principais responsáveis por uma voz "velha". Na verdade, muitos dos inconvenientes que acompanham o envelhecimento também podem prejudicar a voz

Portanto, não é de se admirar que até um em cada três adultos mais velhos tenha disfonia, ou uma alteração na "qualidade normal da voz". Embora os sintomas variem muito, os problemas de voz mais comuns em adultos mais velhos são a diminuição da intensidade da voz, uma qualidade vocal rouca, áspera ou grave e fadiga vocal.

Uma questão de percepção


Essas mudanças geralmente ocorrem lentamente, com a presbifonia, ou "voz envelhecida", atingindo algumas pessoas já na casa dos 50 anos. Nem todo mundo sofre alterações na voz com a idade, mas aqueles que sofrem percebem. O mesmo acontece com seus amigos, filhos e conhecidos.

Embora pesquisas recentes sugiram que as pessoas identificam as vozes mais velhas com sabedoria e boa capacidade de contar histórias, os participantes do estudo atribuem consistentemente conotações negativas às vozes mais velhas. Alguns veem as vozes mais velhas como prova de que o indivíduo é menos flexível ou convincente, o que contribui para estereótipos desgastados sobre as habilidades e o valor das pessoas idosas.

Sexo e o envelhecimento da voz


As mulheres são especialmente propensas a esse tipo de estereótipo, e os caprichos do sexo biológico não ajudam. Há muito tempo, os especialistas em voz atribuem as alterações vocais nas mulheres às flutuações hormonais do ciclo reprodutivo feminino.

No século 19, as estrelas da ópera eram regularmente colocadas em repouso vocal durante o período menstrual, e as cantoras de ópera ainda se queixam de alterações vocais pré-menstruais. Na Ucrânia, algumas companhias de ópera até oferecem às cantoras licença remunerada durante a menstruação.

Portanto, talvez não seja uma surpresa o fato de menopausa também ser culpada por algumas alterações vocais – especialmente diferenças no tom e na potência vocal. As membranas mucosas mais secas devido à queda do estrogênio podem ser as culpadas, assim como o aumento dos andrógenos, os mesmos hormônios que aprofundam a voz masculina. Como resultado, algumas pacientes usam a terapia de reposição hormonal para retardar ou evitar alterações na voz durante a menopausa.

Mas a pesquisa sobre as diferenças entre os sexos na voz do idoso ainda está engatinhando, e os pesquisadores lamentam a escassez de estudos dedicados à manutenção da voz em mulheres na menopausa. "Há um interesse crescente nessa área", diz Curtis. "Mas não deveria ser um interesse crescente. Ela deveria estar bem estabelecida."

Tratamento de distúrbios da voz em adultos idosos 


No entanto, o vasto espectro de fatores que contribuem para as alterações de voz relacionadas à idade ainda está sendo explorado por pesquisadores ansiosos para entender os efeitos de tudo, desde a genética até a carreira, na voz envelhecida. E devido ao grande número de fatores envolvidos na produção de palavras, afirma Curtis, essa pesquisa pode ser lenta. "Essas mudanças são multifatoriais", explica ele. "Nossa voz é um comportamento de todo o corpo."

Como resultado, os tratamentos que preservam ou melhoram a função vocal de adultos que estão envelhecendo variam muito. Há medicamentos como terapia de reposição hormonal ou medicamentos destinados a reduzir o aumento da tireóide, que pode causar alterações vocais. 

Mas o tratamento de primeira linha geralmente é a terapia vocal não invasiva, uma fisioterapia personalizada prescrita e facilitada por fonoaudiólogos. Em geral, esse treinamento inclui um regime de exercícios vocaisrespiratórios e até mesmo posturais projetados para manter a amplitude vocal, preservar o volume e resolver problemas individuais.

De modo geral, escrevem os especialistas em voz geriátrica Robert T. Sataloff e Karen M. Kost, "a cirurgia é desnecessária para a grande maioria dos pacientes com disfonia induzida pela idade". Mas há uma variedade de procedimentos destinados a identificar problemas vocais mais graves. As injeções nas pregas vocais, um procedimento ambulatorial no qual um preenchedor é injetado em uma ou em ambas as pregas vocais, podem reforçar as cordas vocais deterioradas ou paralisadas, fortalecendo a voz e ajudando-as a funcionar melhor. 

Na tireoplastia, as cordas vocais são reposicionadas com a ajuda de um implante de malha que é inserido por meio de um pequeno orifício no pescoço, melhorando a voz e restaurando a função das pregas vocais fracas ou paralisadas. A rouquidão crônica pode, às vezes, ser tratada com cirurgias que localizam os nervos laríngeos. E a lista continua.

Dito isso, muitos problemas de voz podem ser evitados. "Precisamos pensar em nossa voz como em qualquer outra parte do corpo e tentar cuidar dela", comenta Curtis. E, surpreendentemente, alguns dos protetores de voz mais eficazes têm pouco a ver com a boca ou a garganta.

Manter-se ativo e em forma à medida que envelhece pode ajudar a preservar a massa muscular, a força e a resistência e beneficiar o sistema respiratório, enquanto a boa saúde bucal pode evitar problemas com a saliva e as membranas mucosas. Os especialistas em voz também enfatizam a importância da nutrição e da hidratação, sugerindo que os adultos mais velhos bebam bastante água, comam alimentos saudáveis que possam ajudar a manter a função celular e considerem o uso de um umidificador em casa. 

E embora os pesquisadores possam discordar sobre o papel que vários fatores desempenham na preservação da voz, eles são unânimes em um ponto: o tabagismo não só irrita a voz, mas também pode causar câncer, às vezes fatal, nos próprios órgãos que produzem a fala.

As ramificações psicológicas das mudanças indesejadas na voz também podem levar a outros problemas de saúde, afirma Curtis, que diz que alguns adultos mais velhos caem em um "ciclo vicioso" após perderem a confiança em sua voz. "Se uma pessoa sente que sua voz está mudando e isso afeta sua capacidade de participar de atividades pessoais, profissionais ou sociais, ela pode começar a se afastar socialmente e ficar deprimida", explica ele. Isso leva à redução da atividade física e aumenta o isolamento e a fragilidade, reduzindo a qualidade de vida e até mesmo colocando em risco a saúde dos adultos mais velhos. 

autoaceitação é parte da solução? É possível. Os adultos mais velhos que temem o estigma ou que têm dificuldade em aceitar as mudanças de voz relacionadas à idade podem perder intervenções eficazes, sugere uma pesquisa recente. Acrescente o preconceito contra a idade à mistura – considere, por exemplo, a infinidade de filtros humilhantes de "voz de senhora idosa" disponíveis para os produtores de vídeo – e o quadro se torna ainda mais complicado.

Mas os pesquisadores estão cada vez mais tentando reformular muitos "distúrbios" da voz do idoso como realidades neutras que simplesmente refletem a passagem do tempo. E, ao que parece, os adultos mais velhos podem estar seguindo o exemplo: até 80% dos adultos mais velhos com disfonia decidem, de fato, pular o tratamento, segundo estudos realizados.

No entanto, diz Curtis, não há vergonha em procurar ajuda. Ele aconselha as pessoas que passaram por mudanças drásticas ou repentinas e aquelas que perceberam impactos em sua capacidade de participar de seus empreendimentos pessoais, sociais ou profissionais a conversar com um médico. "Nossa voz é muito pessoal", afirma ele. Em qualquer idade, ele enfatiza: "O que importa mesmo é o paciente".

mais populares

    veja mais
    loading

    Descubra Nat Geo

    • Animais
    • Meio ambiente
    • História
    • Ciência
    • Viagem
    • Fotografia
    • Espaço
    • Vídeo

    Sobre nós

    Inscrição

    • Assine a newsletter
    • Disney+

    Siga-nos

    Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados