A Lua de Cervo, que acontece quando a Lua está cheia, poderá ser vista no sétimo ...

Fenômenos astronômicos de julho: saiba quais são eles e quando ver

O mês de julho traz diferentes eventos astronômicos, incluindo alinhamentos planetários e a popular Lua de Cervo.

A Lua de Cervo, que acontece quando a Lua está cheia, poderá ser vista no sétimo mês do ano. Na foto, uma Lua cheia registrada sobre o Lago Saint Mary, no Glacier National Park, em Montana, nos Estados Unidos.

Foto de Keith Ladzinski
Por Redação National Geographic Brasil
Publicado 28 de jun. de 2024, 15:03 BRT

O ano de 2024 está sendo empolgante para os aficionados em observar fenômenos astronômicos.  Até a metade do ano, já foi possível ver o alinhamento de planetas e um incrível eclipse solar total, que ocorreu em abril. Mas o calendário de julho não fica atrás e também promete eventos interessantes para aproveitar.

Novas conjunções planetárias, uma Lua de Cervo e uma chuva de meteoros inundarão o céu no sétimo mês do ano. Descubra, em detalhes, quando ocorrem esses eventos e onde poderão ser vistos.

As conjunções são fenômenos que fazem com que dois corpos celestes (dois planetas, um planeta e a lua ou um planeta e uma estrela) sejam vistos próximos um do outro no céu, como explica a Nasa . Embora não tenham valor astronômico real, são agradáveis de se ver, acrescenta a agência espacial norte-americana.

Durante o mês de julho, diversos serão os alinhamentos de planetas. A National Geographic reuniu alguns dos mais interessantes abaixo:

(Leia também: Com o aumento das temperaturas na Terra, não haverá mais invernos?)

Estas serão algumas das conjunções planetárias que ocorrem em julho

primeira conjunção será em 1º de julho, quando a Lua se alinha ao norte com Marte. Depois disso, no dia 3, novamente o satélite  da Terra entrará em conjunção, mas desta vez com Júpiter, detalha o Instituto Nacional de Astrofísica, Óptica e Eletrônica (INAOE) do México.

No meio do mês, na manhã de 15 de julho, haverá uma grande conjunção entre Marte e Urano que poderá ser vista com binóculos. Através desse instrumento, a cor vermelha de Marte e a cor verde de Urano serão visíveis, diz o Old Farmer's Almanac (revista americana publicada desde 1792 e que divulga informações sobre calendários astronômicos, entre outros temas).

Durante o mês de julho, ocorrerão várias conjunções planetárias, como a mostrada na imagem: Júpiter, à esquerda, e Saturno, à direita, são vistos acima de um campanário após o pôr do sol em Arlington, Virgínia, nos Estados Unidos.

Foto de Bill Ingalls Nasa

A Lua também se alinhará com Júpiter. Em julhoo maior planeta do Sistema Solar se aproxima de Marte até formar um triângulo com o satélite natural da Terra no dia 30, diz a Almanac.

Lua de Cervo: fenômeno iluminará o céu em julho

No domingo, 21 de julhohaverá um grande espetáculo no céu  que poderá ser visto na América Latina. Ele acontece quando o satélite da Terra atinge seu esplendor máximo e ocorre a chamada Lua dos Cervos, que se dá quando a Lua está cheia, explica o Farmers' Almanac (compêndio de conhecimento sobre assuntos como astronomia publicado desde 1818 nos Estados Unidos).

O nome desta Lua cheia vem do fato de que, no final da primavera no Hemisfério Nortenovos chifres (ossos compostos principalmente de fósforo e cálcio) começam a crescer na testa dos cervos machos. Esse acontecimento da natureza inspirou o nome dado para a o fenômeno lunar. 

Chuva de meteoros Aquáridas do Delta Sul

Um evento importante encerrará o mês oferecendo vistas incríveis para os observadores latino-americanos. É a chuva de meteoros Aquáridas do Delta Sul, proveniente do cometa 96P/Machholz.

De acordo com a Nasa, as Delta Aquáridas do Sul são mais bem vistas no Hemisfério Sul nas latitudes sul do Hemisfério Norte.

Embora o período de atividade desse fenômeno se estenda de 18 de julho a 21 de agosto, o pico de visualização ocorrerá entre 29 e 30 de julho

Durante essa noite, a taxa máxima observável será de 25 meteoros por hora, diz o INAOE. Além disso, a luz da Lua não será uma variável importante, pois ela estará em 30% de sua totalidadenão influenciará a observação, acrescenta a American Meteor Society (AMS), uma corporação sem fins lucrativos do Estado de Nova York, nos Estados Unidos, dedicada a temas astronômicos.

Para melhor apreciar uma chuva de estrelas, a agência espacial estadunidense recomenda encontrar um local escuro, longe de qualquer luz brilhante, e dar tempo para que os olhos se ajustem à escuridão.

mais populares

    veja mais

    mais populares

      veja mais
      loading

      Descubra Nat Geo

      • Animais
      • Meio ambiente
      • História
      • Ciência
      • Viagem
      • Fotografia
      • Espaço
      • Vídeo

      Sobre nós

      Inscrição

      • Assine a newsletter
      • Disney+

      Siga-nos

      Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados