Quem foi o primeiro rei da Inglaterra? A resposta é... complicada

Há vários candidatos para a primeira coroação real da Inglaterra, mas um homem se destaca como a origem da monarquia atual. Confira a complexa história de Aethelstan.

Por Melissa Sartore
Publicado 5 de mai. de 2023, 10:48 BRT
Retrato de Aethelstan, que foi rei da Inglaterra de 924 a 939 d.C. Embora Aethelstan seja ...

Retrato de Aethelstan, que foi rei da Inglaterra de 924 a 939 d.C. Embora Aethelstan seja geralmente considerado o primeiro rei verdadeiro da Inglaterra, várias outras figuras – e fatores – tornam essa designação complicada e historicamente rica.

Foto de CBW Alamy Stock Photo

O que faz um rei? É a autoridade sobre as pessoas? Sobre o território? É alguma combinação dos dois? Talvez seja o fato de usar uma coroa? Ou simplesmente o título? 

Essas são perguntas fundamentais para avaliar quando e por que qualquer monarquia se desenvolve. Ao mesmo tempo, essas mesmas perguntas muitas vezes complicam a identificação do primeiro rei de qualquer reino. E não precisamos ir além da Inglaterra para entender o porquê. 

Aethelstan foi coroado rei dos anglo-saxões em 925 d.C., e o consenso acadêmico o posiciona como o primeiro rei verdadeiro da Inglaterra. 

No entanto, entender os outros candidatos a esse título – e a história dos diferentes reinos da Inglaterra – acrescenta camadas de complexidade para responder à pergunta aparentemente simples: quem foi o primeiro rei inglês? 

A história começa com os anglos

Para localizar o primeiro rei da Inglaterra, é preciso começar com os anglos. O nome Inglaterra, afinal de contas, deriva da palavra inglesa antiga englaland, literalmente "terra dos anglos". A chegada dessas tribos germânicas ao que antes era a província romana Britannia ocorreu durante o século 5 d.C. Com os jutos, saxões e frísios, os anglos estabeleceram assentamentos no sudeste e leste da Inglaterra durante o século 6. 

Com o tempo, a língua e a cultura germânicas se fundiram com as práticas e tradições romano-britânicas existentes. Por volta de 600 d.C., reinos individuais tomaram forma em todas as ilhas britânicas. Esses reinos germânicos foram formados de acordo com os povos que viviam em uma área, em oposição a limites ou fronteiras físicas. Com o tempo, os reinos menores se uniram para se tornarem maiores e surgiu o que foi chamado de heptarquia. 

Embora a heptarquia seja uma grande simplificação de um complexo cenário social, político e religioso na Inglaterra, ela foi construída com sete reinos: Wessex, Kent, Sussex, Mércia, Ânglia Oriental, Nortúmbria e Essex. Cada reino principal incluía reinos menores com seus próprios líderes, muitos dos quais disputavam o poder dentro da esfera maior de influência. O governo foi estabelecido e mantido por meio de relações recíprocas baseadas em lealdade e proteção, bem como por um sistema econômico dependente de taxas e serviços coordenados.

De acordo com a tradição, o rei Aethelstan ordenou que a Bíblia fosse traduzida para o ...

De acordo com a tradição, o rei Aethelstan ordenou que a Bíblia fosse traduzida para o idioma anglo-saxão, cujo decreto é retratado aqui.

Foto de Hulton Archive Getty Images

O papel do reino de Mércia 

Os principais reinos da Inglaterra competiam pela superioridade entre si, o que acabou resultando em uma luta que girava em torno de Mércia dominando os outros reinos durante grande parte do século 8. Isso se assemelhava ao que Bede descreveu em sua História Eclesiástica – concluída em 731 d.C. – como um governante que "dominava" os povos fora de seu próprio reino. A Crônica Anglo-Saxônica, uma história dos anglo-saxões criada no século 9, usou o termo bretwalda para representar esse conceito, aplicando-o retroativamente aos reis anglo-saxões que governaram desde o final do século 5.  

A hegemonia de Mércia mudou durante o reinado do rei Eghbert de Wessex (802-839 d.C.). Sob o comando de Eghbert, Wessex derrotou os mércios na batalha de Ellendon, em 825 d.C., após a qual os principais reinos reconheceram sua supremacia. A Crônica Anglo-Saxônica identificou o rei Eghbert como um bretwalda, o que serve como ponto crucial de sua candidatura a primeiro rei da Inglaterra. 

Um fator adicional influenciou a disputa do rei Eghbert pela distinção como o primeiro rei da Inglaterra. Enquanto Mércia lutava contra a ideia de uma sucessão pacífica, Wessex teve sucesso. Após a morte de Eghbert, seu filho, Aethelwulf (falecido em 850 d.C.), subiu ao trono. 

O fato de um filho subir ao trono após a morte do pai infundiu o princípio da sucessão hereditária em Wessex. Após a morte do rei Aethelwulf, três de seus filhos serviram como rei de Wessex, o que acabou levando à ascensão de um quarto filho em 871 d.C. Esse foi Alfred, outro considerado candidato a primeiro rei da Inglaterra. 

Alfred, o improvável governante, e o Grande Exército Pagão

Alfred nunca deveria ter governado Wessex. Quando seu irmão mais velho, Aethelred, morreu durante uma campanha contra saqueadores escandinavos, Alfred tornou-se rei. Como rei de Wessex, Alfred continuou defendendo seu reino do que a Crônica Anglo-Saxônica chamou de "Grande Exército Pagão". 

Formado por dinamarqueses, noruegueses e suecos, o Grande Exército Pagão chegou à Ânglia Oriental em 865 d.C. e, em uma década, o único reino que eles deixaram de pé foi Wessex. Depois de derrotar as forças escandinavas na Batalha de Edington, em 878 d.C., Alfred fez um acordo de paz com o líder deles, Guthrum, estabelecendo formalmente uma fronteira entre Wessex e as áreas controladas pelos vikings. Essa última passou a ser conhecida como Danelaw. 

No entanto, essa presença escandinava permanente ao norte, bem como os contínuos ataques e incursões vikings, levaram Alfred a tomar medidas para proteger o reino. Ele reformou as forças armadas, estabeleceu assentamentos defensivos chamados burhs e criou uma marinha para defender as costas de Wessex de ataques. 

Além desses esforços, Alfred empreendeu atividades intelectuais que foram creditadas como tendo ajudado a criar a identidade cultural e política da Inglaterra. Tudo isso – e a designação de Alfred como "Rei dos Anglo-Saxões" em cartas atribuídas a ele – são argumentos sólidos para sua candidatura a primeiro rei da Inglaterra.

Neste manuscrito iluminado do século 14, Aethelstan se ajoelha diante do lendário herói inglês Guy of ...

Neste manuscrito iluminado do século 14, Aethelstan se ajoelha diante do lendário herói inglês Guy of Warwick.

Arte de Peter of Langtoft Alamy Stock Photo

Aethelstan, primeiro rei da Inglaterra

Alfred morreu em 899 d.C. e seu filho, Eduardo, o Velho, assumiu o trono. Eduardo governou até 924 e, após sua morte, seu filho Aethelstan foi coroado rei em 925 d.C. Assim como seu avô e seu pai, Aethelstan começou como rei dos anglo-saxões. Ele diferiu na extensão de seu domínio, principalmente após a Batalha de Brunaburh, em 937 d.C. 

A autoridade de Aethelstan nunca foi incontestada e, de acordo com a Crônica Anglo-Saxônica, ele passou a década após se tornar rei colocando York e Northumbria sob seu controle. Em 937, os reis dos escoceses, da Dublin viking e de partes do País de Gales se uniram contra Aethelstan, enfrentando seu inimigo comum em Brunanburh. O local exato de Brunanburh permanece obscuro, mas a luta que ocorreu lá é considerada por muitos estudiosos como um dos eventos decisivos da história britânica.

Crônica Anglo-Saxônica inclui um poema sobre a Batalha de Brunanburh que detalha como os saxões ocidentais massacraram seus inimigos, com cinco reis adversários e sete condes desafiadores mortos. O poema explica como "nenhum massacre foi ainda maior nesta ilha", uma expressão de como o conflito foi devastador, porém significativo, tanto para o povo quanto para a terra. 

Foi a vitória de Aethelstan em Brunanburh que estendeu o domínio do rei dos anglo-saxões para a Escócia e o País de Gales. Ela também solidificou seu domínio sobre toda a Inglaterra. Aethelstan viveu apenas dois anos após essa luta, mas, para muitos, ele se tornou o verdadeiro primeiro rei da Inglaterra com essa vitória.

Karl Shoemaker, Robert F. e Sylvia T. Wagner, professora de história e direito na UW-Madison, resumem sucintamente a história: "apesar dos argumentos a favor de [outros candidatos], o peso das evidências recai sobre Aethelstan. Foi ele quem foi a York, derrotou o reino viking de lá e colocou o norte (mesmo que às vezes apenas nominalmente) sob o domínio inglês. No final de seu reinado, ele havia conseguido mais centralização burocrática e administrativa do que qualquer um de seus antecessores."

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeo

Sobre nós

Inscrição

  • Assine a newsletter
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2024 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados